Por Francisco Cândido
Em 17/05/2017

MUNDICO MARQUES
(Raimundo Marques)
Gente da nossa gente, personagem VIVO da nossa História.


Raimundo Marques é o que se pode chamar de “História viva de Roraima”. Nos seus 90 anos de idade, a completar no próximo dia 15 de julho, ocupou diversos cargos no serviço público e continua até hoje trabalhando. Atualmente é membro do Conselho Administrativo da Companhia de Águas e Esgotos de Roraima – CAER.

Numa síntese dos cargos por ele ocupados, transcrevo alguns: Prefeito de Boa Vista (1960/1961); Prefeito do Município de Caracaraí (1968/1969); e Secretário Geral do Governo do Território Federal de Roraima (cargo este que corresponde hoje ao de “vice-governador”). E, um detalhe: para ocupar este cargo, foi nomeado pelo Presidente da República, à época, João Goulart, e pelo 1º Ministro Tancredo Neves.

Mundico Marques, também foi Representante da Associação Comercial- junto ao Conselho Consultivo do Banco da Amazônia; Representante do Comércio no Conselho Deliberativo da Comissão de Abastecimento e Preços do Território Federal de Roraima; Representante do Comércio no Conselho Comunitário de Boa Vista; Presidente (em quatro períodos) da Associação Comercial e Industrial de Roraima – ACIRR-; e Gerente da Cooperativa Pastoril de Boa Vista.

Foi presidente do Rotary Club de Boa Vista e da Associação Recreativa do Atlético Roraima Clube, além de sócio fundador do Iate Clube.

No campo político foi Presidente do Diretório Municipal do PSD e Presidente da Arena – Aliança Renovadora Nacional. E, na Câmara Municipal de Boa Vista, foi vereador em dois períodos legislativos: 1972 a 1976 e de 1977 a 1978, inclusive presidiu a Comissão de Justiça e Redação Final, uma das mais importantes Comissões do Legislativo Municipal.

Raimundo Marques é Mestre Maçom, tendo presidido como Venerável Mestre a Loja Maçônica Liberdade e Progresso nº 1 (situada na Rua Coronel Pinto, centro de Boa Vista). E, pelos relevantes serviços sociais e filantrópicos prestados à sociedade roraimense, na condição de Maçom, foi reconhecido como Membro Benemérito daquela Loja Maçônica.

Resumo histórico: Raimundo Marques nasceu no dia 15/07/1927, na Fazenda São Francisco, no alto rio Parimé. É filho do casal Albino Marques e Alzira Pereira Marques.
A senhora Alzira havia casado antes com o senhor Tomaz do Nascimento e, com ele teve as filhas: Alcinda e Idalece. Estas duas irmãs casaram com dois jovens (que também eram irmãos): Alcinda casou com o Gaúcho Dias (Bernardino Dias de Souza Cruz) e a Idalece casou com o Antonio Dias (Totonho).

Alzira, ao ficar viúva, casou-se com o Sr. Albino Marques, que era vaqueiro do Adolpho Brasil. Além do Raimundo Marques (Mundico), o casal teve as filhas: Carolina, Maria do Carmo (Carminha), e Arlete.

Após o falecimento do Sr. Albino, a dona Alzira e filhos foram morar na Fazenda Viçosa, do genro Gaúcho Dias, no Amajari, onde passaram vários anos. As outras duas filhas de dona Alzira: a Carolina casou-se com Celso Magalhães; a Carminha casou com o senhor Carvílio Leão Pires; e a Arlete se casou com Antônio Penha.

Em 1940, aos 13 anos de idade, o Raimundo Marques veio para Boa Vista, para estudar, e aqui aprendeu a ler e escrever com o Professor Diomedes Pinto Souto Maior. Nesta época, o Mundico Marques passou a morar na residência do casal Bento Brasil Neto e Aracy Souto Maior. Tempos depois o Mundico Marques arranjou o seu primeiro emprego no Serviço Social de Saúde Pública – SESP, chefiado pelo Sr. Mozart Cavalcante (pai de Mozarildo Cavalcanti).

Aos 22 anos, o Mundico conheceu a jovem Iacy Barbosa, que chegava de Manaus para trabalhar na antiga Agência dos Correios (na Rua Bento Brasil, onde até há pouco tempo funcionava a Funai). Ela é filha adotiva do casal Florival Guimarães Barbosa e Teresa dos Santos Barbosa. Casaram-se no dia 02/12/1951, e tiveram os filhos: Raimundo Junior, Perpétua, Arlene, Alzira, Alba e Astrid. Deles descendem 17 netos e 10 bisnetos.

Mundico Marques instalou uma casa comercial com vendas a varejo de vários tipos de mercadorias, desde gêneros alimentícios até produtos de utilidades domésticas. Este comércio estava instalado onde por muitos anos funcionou o Restaurante Black White (ao lado do hoje Terminal de Ônibus, no centro da cidade).

Em 1969, o Mundico Marques alugou um espaço no prédio onde hoje funciona a Junta Comercial do Estado de Rorama, na Avenida Jaime Brasil, centro, e ali instalou a empresa IMPEL – Importadora Eletro-Estivas Ltda-, a primeira Loja em Boa Vista a vender a crediário (uma novidade à época). Fez muito sucesso comercial, mas encerrou as atividades em 1976.

Mundico continuou sua vida profissional, exercendo os mais diversos e importantes cargos públicos no Território Federal e hoje no Estado de Roraima. Sempre foi um profissional de alto gabarito, reconhecido por todos os governadores com os quais trabalhou.

Em 2010 o Mundico Marques recebeu no Plenário da Assembleia Legislativa, o Título de “Orgulho de Roraima”. Título este, justo e merecido.

Comentários
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!