Por Francisco Cândido
Em 22/11/2017


Brasileiro, comerciante, natural da cidade de Caruaru, Pernambuco, nascido no dia 22 de outubro de 1930, filho de Izidoro Bezerra Filho e de Maria Eulália de Oliveira. Hildebrando Oliveira chegou a Boa Vista no inicio de 1951.

Foi Iniciado na Maçonaria no dia 28 de março de 1970, na Augusta e Benemérita Loja Simbólica Liberdade e Progresso nº 1. Foi Elevado ao Grau de Companheiro em setembro de 1970 e Exaltado ao Grau de Mestre Maçom em 20 de março de 1971. Membro ativo e duas vezes Presidente do Conselho de Cavaleiros Kadosch. Sublime Príncipe do Real Segredo (Grau 32º) em abril de 1986 e, por fim, Grande Inspetor Geral da Ordem – Grau 33º, investido em 03 de maio de 1986.

Hildebrando Oliveira foi Venerável Mestre da Loja Liberdade e Progresso nº 1, no período de 20/08/1986 a 20/08/1988. Ele recebeu o Diploma de “Grande Benemérito da Grande Loja Maçônica do Estado de Roraima”, pelos seus relevantes serviços prestados.

Hildebrando, hoje aos 87 anos de idade, é um exemplo de honradez e trabalho dedicado à Família e à Sublime Ordem, a Maçonaria. Em sua terra natal, Pernambuco, ajudou os pais na adolescência e depois procurou novos horizontes de trabalho em outros Estados. Foi prá São Paulo, onde trabalhou na Indústria Matarazzo (empresa de produção de tecidos, óleos vegetais, fábricas de resinas e complexos polivinílicos).

Hildebrando tinha um ritmo de vida aventureiro, como todo jovem à época, e por isto viajou por vários estados, trabalhando em diversas atividades. Trabalhou em Corumbá/Mato Grosso, onde ingressou no Exército e chegou à graduação de Cabo, com curso terminado para ser promovido a Sargento, no 17º Batalhão de Caçadores, da 2ª Brigada Mista de Infantaria.

 Mas, achou por bem dar baixa na vida militar e seguiu seu rumo de trabalho. Foi para Sergipe, Rondônia, Manaus, e, finalmente veio para o Território Federal do Rio Branco, chegando a Boa Vista em 1951. O propósito era ir para o Tepequém e sua especialidade era a de mergulhar nas águas barrentas dos rios à cata do ouro e diamante. Teve sorte, ganhou dinheiro, comprou equipamentos e maquinários, inclusive explorou áreas garimpeiras na vizinha Guiana Inglesa.

Um outro desejo seu, ainda quando adolescente lá em Pernambuco, era o de comprar um Caminhão. E, comprou anos mais tarde, com o dinheiro que ganhou com a venda de diamante. Este caminhão foi usado por ele, por muitos anos, transportando pessoas e mercadorias da capital Boa Vista para a região do Taiano e depois para o interior do Cantá. Todo o seu trabalho valeu a pena, pois comprou gado e montou a “Fazenda Dois Lagos”, no Taiano, vizinha à comunidade indígena do Truaru. Chegou a ter mais de 300 cabeças de gado. Hoje, após alguns negócios de compra e venda, a Fazenda ainda está em seu nome.

Em 1973, Hildebrando comprou uma casa no centro de Boa Vista, na Avenida Benjamin Constant, e montou um comércio, o “Bar e Mercearia Elcilan” (nome em homenagem à sua primeira filha). O comércio funcionou até 1996. Hoje, no local, além de sua residência, alugou para empresas – e, o aluguel dos imóveis lhe serve de renda.

Hildebrando Bezerra de Oliveira é casado com a senhora Maria Carmélia Santos (nascida na cidade de Nossa Senhora de Lourdes, em Sergipe, no dia 17/07/1936), e tem os filhos: Maria Elcilan Santos de Oliveira, Leila Bezerra Santos, Glicineide Santos de Oliveira, Gladistone Bezerra Santos e Hildebrando Bezerra de Oliveira Filho. Deles descendem 13 netos.

Francisco Cândido
franciscocandido992@gmail.com
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!