Por Denise Rohnelt Araujo
Em 24/03/2018

ENTRADA

Estamos próximos da Páscoa, a celebração da igreja católica em homenagem à ressurreição de Jesus Cristo.

Mas também é uma data esperada pelas crianças e pelos adultos que amam chocolate. Muitas receitas são elaboradas sempre com o leite de origem animal, impedindo os alérgicos à proteína de leite de vaca e os intolerantes à lactose a ficarem de fora das sobremesas e da distribuição de chocolates.

Como tenho um filho alérgico à PLV, sempre busco novas receitas e alternativas para que ele possa se deliciar com sobremesas à base de cacau.

Este ano resolvi fazer um creme com leite de castanha do Pará e com puro cacau em pó que trouxe da última viagem ao Alto Tapajós.

Acrescentei um pouco de cumaru e ficou uma delícia, supersaudável, para ser servido gelado. Façam em casa e depois mandem as fotos para mim.
Até o próximo sábado!

 PRATO DO DIA   

Creme de castanha com cacau e cumaru

 INGREDIENTES: 
200g de castanha do Pará
800 ml de água
200g de açúcar mascavo ou demerara
30g de amido de milho
20g de cacau em pó
½ cumaru ralado
15 ml de margarina vegetal
Castanhas raladas para enfeitar

 MODO DE FAZER: 

LEITE DE CASTANHA:
Deixe as castanhas em um copo com água descansando por 5 horas. Jogue fora a água, coloque as castanhas no liquidificador e bata com os 800 ml de água até que vire um leite branco e sem pedacinhos de castanhas. Coe num pano ou numa peneira bem fina para retirar a massa da castanha.

CREME:
Coloque o leite de castanha em uma panela e acrescente o açúcar mascavo ou demerara. Leve em fogo alto mexendo até ferver, com cuidado para não talhar.
Assim que ferver, abaixe o fogo e deixe cozinhar ainda borbulhando, mexendo por 15 minutos.
Misture o amido de milho com um pouco de água e jogue na panela, junto do cacau, do cumaru e da margarina vegetal.
Aumente o fogo e mexa sempre até borbulhar, para que fique com uma consistência cremosa. Retire da panela e deixe esfriar na geladeira por 5 horas.
Sirva em cumbucas ou copos individuais e rale castanhas para colocar por cima.

PETISCOS

INAUGURADO O PRIMEIRO DRIVE THRU DE BOA VISTA

A empresária Carol Dantas proprietária do Coruja Burguer e do Pede Açaí, sempre inovando. Primeiro inaugurou a primeira lanchonete estilo americano 100% roraimense com hambúrgueres, em 2013, depois iniciou o serviço de delivery, em 2014 abriu a loja no aeroporto internacional da capital, no ano passado trouxe o conceito de loja feita em containers com novo cardápio e agregou a marca Pede Açaí. Essa semana abriu o primeiro Drive Thru do Extremo Norte brasileiro.
No cardápio estão os sanduíches em pães diferenciados como brioche, australiano, baguete e rústico, além do lowcarb servido na alface americana; saladas, sobremesas, bebidas e o açaí.
O drive thru vai funcionar das 18h à 1h, de segunda a domingo, na Avenida Ville Roy 1865, fone 3623-8989. Redes sociais acessem @corujaburguerr.

LANÇADO EM SÃO PAULO O PRIMEIRO CURSO DE IMERSÃO EM CULTURA E COZINHA AMAZÔNICA.

O chefe paraense Paulo Martins, iniciou na década de 90, o trabalho de valorização desses tesouros escondidos a partir do Pará, apresentando a culinária e os ingredientes paraenses para brasileiros e estrangeiros. Ele disse que “tucupi e jambu são, sem sombra de dúvida, os sabores do século XXI”. E Paulo Martins estava certo, foi o precursor desse movimento pela valorização da cozinha amazônica.

Para alcançar mais pessoas e transmitir o conhecimento sobre a cozinha amazônica é preciso imergir no seu mundo e vivenciar cada segundo utilizando todos os sentidos.

Pensando em proporcionar para estudantes, cozinheiros, chefes de cozinha, professores de gastronomia e interessados em estudar a cozinha amazônica, o Instituto Paulo Martins, com a Consultoria de uma equipe multidisciplinar da Margot Botti Gastronomia e Cultura, lançou essa semana em São Paulo, CUIA – Culinária Imersiva Amazônica. Uma experiência de imersão, que reúne teoria, práticas culinárias, cultura e visitas técnicas, dividida em dois módulos de oito dias, em Belém/PA.

A primeira etapa, chamada de módulo TUCUPI, acontecerá entre os dias 21 e 29 de julho de 2018, das 8h às 19h na sede do Instituto Paulo Martins em Belém – Pará e em várias comunidades na região metropolitana de Belém. A segunda etapa, ainda não tem data definitiva, mas está prevista para janeiro/2019.

O módulo TUCUPI, conta com a carga horária de 90 horas e terá a participação dos chefes de cozinha e pesquisadores: Daniela Martins, Joanna Martins, Ofir Oliveira, Paulo Anijar, Ilca Carmo, Felipe Gemaque, Bruno Ferreira, Artur Bestene, Suely Quinzani e Ana Alice Correa. E dos produtores da etnia WaiWai (pimenta), De Mendes (chocolate), Senhor Bené (farinha de mandioca no paneiro) e pequenos produtores de mel de abelha nativa de Curuçá.

Serão estudados desde a formação da cozinha brasileira; a formação da culinária amazônica; os ingredientes mais utilizados na cozinha amazônica como: mandioca e seus subprodutos; milho e feijões, pimentas e condimentos, cacau e cupuaçu, mel e frutas amazônicas, as pancs, os cogumelos e muito mais.

O valor do investimento é de R$ 3.700,00 para pagamento à vista, podendo ser parcelado em até 18 x dependendo da bandeira do cartão.

Estão inclusos: almoço e jantar durante os oito dias de imersão, apostila, avental, utensílios, insumos, visitas técnicas e transporte local.

Não está incluído: passagem aérea para Belém, hospedagem, alimentação e transporte que não estiver descrito na programação.

Para outras informações enviem e-mail: contato@institutopaulomartins.org.br.
Inscrições pelo site: www.cuia.belem.br

Denise Rohnelt Araujo
jornalista@teste.com.br
http://meusite.com.br
Aqui ficará as informações sobre o colunista e a coluna.
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Letras Saborosas
+ Ler mais artigos de Letras Saborosas