Por Opinião
Em 12/05/2018

Corrupção, um grande estorvo social - Sebastião Pereira do Nascimento*

O homem em sociedade tem no seu meio social muitas disposições capazes de facilitar a vida em comum. Por outro lado, ele cultua também algumas práticas que depreciam o meio e a prosperidade coletiva. Dentre elas a corrupção, um deplorável ato de corrosão social que leva aumentar a desigualdade, reduzir as atividades produtivas e gerar frustrações entre grupos sociais que manifestam equidade e deferência nas relações humanas.

Portanto, a corrupção, em sentido lato, está relacionada ao suborno. À atitude ou ao efeito de se corromper. Condutas essas que decorrem de ações desvirtuadas e empregadas de maneira espontânea ou premeditada com o único intuito de querer se “dar bem” ou de “levar vantagem” sobre o outro. Em particular, um ato de corrupção sempre corresponde à ideia de degradação, onde há separação e decomposição dos elementos constitutivos de um corpo social.

Segundo alguns pensadores, é pressuposto necessário, para instalação da corrupção, a ausência de interesse ou compromisso com a vida comum. Sendo a corrupção uma depravação de ordem moral caracterizada pela incapacidade do indivíduo de assumir compromissos voltados ao bem coletivo, onde também é incapaz de fazer coisas que não lhe traga uma gratificação pessoal. É por isso que na visão de muitos a corrupção vem do egoísmo e da ganância das pessoas em querer levar vantagem em tudo, e não se importando se irá prejudicar o próximo, pois o objetivo é unicamente querer servir a si mesmo.

Quanto aos fatores que podem estimular a corrupção, não há um objeto único e determinante, mas sim um conjunto de fatores que podem incluir, entre outras coisas, o incentivo conflitante (onde o sujeito coloca seus interesses pessoais no primeiro plano); o poder discricionário ou poder sem limites (onde a pessoa tem a liberdade de escolha segundo os critérios de conveniência); a falta de transparência (o que propicia o indivíduo corrupto a se locupletar diantedo espaço obscuro); a cultura de impunidade (que suscita a não punição e consente que o indivíduo cometa, continuadamente, faltas cada vez maiores); os sistemas e procedimentos inoperantes (onde a morosidade para resolver algo desabona as pessoas e permite que busquem soluções por meios escusos). E, ao lado dessas inconveniências está ainda o “jeitinho brasileiro”, que é a repulsiva malícia de encontrar uma solução para determinada situação, a qual se caracteriza como um ato típico de indivíduos de pouca inteligência e baixa virtude social.

Na esfera das relações humanas, todas essas situações são destituídas de virtudes morais, e são praticadas por diferentes sujeitos incapazes de controlar seus desejos mais avassaladores. Por consequente, isso leva a pessoa – seja ela de “menor” ou “maior” importância social – a explorar a fundo essa tendência, capaz de lhe ofertar efémeras satisfações em detrimento de outrem.

No caso do Brasil, a corrupção desde sempre tem sido tão consuetudinária entre a sociedade que a sua prática se tornou regra e não exceção. É tanto que a maioria dos brasileiros encara isso com tamanha naturalidade, pois a corrupção já está fortemente arraigada na cultura do país. Assim, num círculo vicioso, desde cedo as crianças veem seus pais, familiares e outras pessoas praticando subornos, e tornam-se de forma coercitiva, operadoras dessas indecorosas práticas, que revelampara o mundo a essência de um Brasil corrupto.

Considerando isso, estudos de comportamento humano preconizam que nos diversos setores de nossa sociedade, as atitudes de corrupção contínuas denunciam um tipo de comportamento sociopata, que resumidamente é um transtorno de personalidade antissocial, onde o indivíduo passa ter desprezo às normas sociais, falta de respeito aos sentimentos alheios, egocentrismo, baixa tolerância a frustrações, dificuldade de aprender com as punições e a mania de levar vantagem deliberadamente.

Ademais, é garantido dizer que essas ações impostas no cotidiano de uma sociedade deterioram cada vez mais os valores morais, sabendo que sem a resistência moral, as pessoas entram em turbulência mental e, consequentemente deixam de fazer as coisas certas (muitas vezes até de forma imperceptível), num nítido negligenciamento da ética e da moralidade, que resulta na incerteza e num profundo sentimento de deterioração humana.

*Filósofo
E-mail: sepenascimento@gmail.com


Temos e não sabemos que temos - Afonso Rodrigues de Oliveira*

“A imaginação dispõe de tudo; cria a beleza, a justiça e a felicidade, que são tudo neste mundo”. (Pascal)

Se soubéssemos como usar nossa imaginação não seriamos o que somos. E somos o que somos porque não sabemos o que somos. Ainda não conseguimos acreditar, por mais que nos digam, na grandeza do nosso pensamento. Do poder que temos dentro de nós mesmos; de cada um de nós. Porque somos donos de nós mesmos e não sabemos viver como donos. Muitas vezes vivemos pensando que estamos vivendo nossa vida, quando na verdade estamos vivendo a vida que os outros querem que vivamos. Isso é muito mais comum do que você imagina. Acreditamos mais no poder dos que nos controlam do que no nosso próprio poder.

Não vamos encucar. Tudo é muito simples. A vida simples que você leva, ou a vida extravagante que alguém leva, faz parte do que cada um é. Mas isso não quer dizer que o extravagante seja feliz e você não. A felicidade está dentro de cada um. Como vivê-la está em cada um e é no que vivemos que dizemos quem somos. Sua felicidade está no que você determina pra você; na vida que você mesmo traçou, desde que você saiba vivê-la. E este momento de viver a vida está no momento de reflexões. E não há reflexões sem silêncio. E o silêncio aqui está na alma. Só somos silenciosos quando somos felizes. Dois caminhos que se encontram sem confronto. Simples pra dedéu.

Cada um de nós vive um processo próprio de evolução racional. Cada um, mesmo quando não busca, está vivendo sua própria evolução; querendo ou não. E quando queremos a coisa fica mais fácil. A dificuldade permanece enquanto não percebemos isso. Tudo é muito simples no processo evolutivo para a racionalidade. E é aí que a jiripoca pia. Porque é fácil e simples, não lhe damos importância. Continuamos complicando a caminhada eterna. Porque, você acredite ou não, vivemos uma caminhada eterna. Muitos de nós vimos quando os dinossauros se foram; só não nos lembramos. Mas isso faz parte da evolução. Por que ficar preso ao passado? O que não devemos é não saber viver os momentos do presente, para que eles facilitem nosso futuro.

Olhe-se no seu espelho interior. Sabe onde ele está? Não saia por aí, procurando-o, que você não vai encontrá-lo. E esse é o erro que a maioria de nós comete. Vamos, numa tentativa vã, procurar fora de nós o que está dentro de nós mesmos. E por isso não conseguimos a felicidade lá fora. Porque ela está onde estamos, independentemente do que acontece à nossa volta. Porque tudo acontece para nossa evolução. Até mesmo as monstruosidades que nos apavoram. Pense nisso.

*Articulista
Afonso_rr@hotmail.com
99121-1460

Opinião
jesse@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Opiniao
+ Ler mais artigos de Opiniao