Por Opinião
Em 12/09/2017

A imoralidade vem aumentando assustadoramente - Marlene de Andrade*

“Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher (ou mulher num homem) para a/o cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela (ele)...”(Mateus 5:28)

A pornografia, cibersexo e o sexting têm a ver com a depravação dos costumes e da moral. Essa prática maligna é muito antiga, porém vem crescendo assustadoramente devido ao avanço tecnológico, revolução sexual dos anos 60 e a descoberta da pílula anticoncepcional.

Em algumas cidades do mundo antigo, já havia essa prática imoral há milhares de anos, contudo esse assunto não tem sido contemplado devidamente nos púlpitos, mas o livro de Hebreus toca nesse problema afirmando o seguinte: “Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula...” (Hebreus 13:4 a). Esse versículo também é válido para os solteiros.

As mídias vêm introduzindo nos lares verdadeiras aberrações de cunho sexual pervertido expondo até crianças. Tudo isso ocorre porque a indústria pornográfica traz muito lucro. Os governos tentam acabar com essa indústria, não porque sejam ‘bonzinhos’, é que essa atividade bestial, apesar de pagar impostos, acaba trazendo prejuízos aos governos estabelecidos, pois pode gerar abortos, DST, gravidez na adolescência e entre, outros problemas, a AIDS. Ora, os governantes não querem perder dinheiro tendo que atender esses casos no SUS, visto que eles geram prejuízos aos cofres dos estados e os governantes, em geral, só querem ganhar e nunca perder, pois, a preocupação dos mandatários, geralmente, não é com a moral e os bons costumes de nossas sociedades e sim com o dinheiro que sai para pagar o tratamento gerado através desses comportamentos imorais.

Infelizmente, a Igreja cristã não está imunizada contra esse maligno costume imoral e pecaminoso. Há quem afirme que entre os cristãos existem crianças e até mulheres visitando sites pornográficos. À luz dessa realidade que os pais possam ficar atentos procurando saber que sites seus filhos estão visitando, monitorando-os melhor, para que os mesmos não venham se tornar adultos pervertidos sexuais como muitos já se tornaram.

“... façam morrer tudo o que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus e a ganância...” (Colossenses 3:5). “Não haja obscenidade nem conversas tolas nem gracejos imorais, que são inconvenientes, mas, ao invés disso, ação de graças. Porque vocês podem estar certos disto: nenhum imoral, impuro, ganancioso, que é idólatra, tem herança no Reino de Deus.” (Efésios 5:4, 5).

*Médica Especialista em Medicina do Trabalho/ANAMT


De mãos dadas com a inovação - Cássio Azevedo*

No final do mês de julho, vimos um grande embate entre dois dos maiores influenciadores da tecnologia mundial. Elon Musk, CEO da Tesla, e Mark Zuckerberg, criador e dono do Facebook, trocaram ideias e provocações sobre o futuro da Inteligência Artificial. Musk defende a possibilidade da I.A. aniquilar a raça humana, enquanto Zuckerberg o considera um pessimista com visão apocalíptica sobre o desenvolvimento tecnológico.

A discussão parece etérea e distante não é mesmo? Mas não é. Enquanto os gigantes do Vale do Silício se atacam, crianças aprendem em suas aulas de história alguns preceitos da Revolução Industrial no século XVIII. Professores dizem: “Este foi o momento em que as máquinas substituíram a mão de obra humana”. Substituíram? Não há nada mais antigo que esta afirmação, não conseguiu substituir a mão de obra humana. Pelo contrário, vimos pessoas se capacitando cada vez mais para dominar técnicas e tecnologias que possam auxiliar em nossa qualidade de vida e processos de trabalho.

A tecnologia vem para nos qualificar. Sabemos que o setor de contact center será um dos primeiros a ser impactado com o que os especialistas chamam de “virada digital”. Isso acontecerá, principalmente, por dois motivos: primeiro pela natureza de seu serviço – que já tem grande conexão com a tecnologia e inovação – e segundo por ser o setor que mais emprega no país. Estamos preparados para este momento que traz, antes de tudo, benefícios para as empresas e colaboradores. Com investimentos em automação, machine learning e outras tecnologias criarão um atendimento muito mais ágil e assertivo. Atualmente, nossos atendimentos ainda sofrem com um fluxo de informações compartimentado. Para resolver o problema de um cliente, o atendente precisa, por vezes, acessar diversos sistemas diferentes que pedem os mesmos dados, criando um processo demorado e repetitivo. O setor trabalha, com muito empenho, para encurtar esse processo, criar inteligência e manter profissionais polivalentes – que entendam de todo o processo, criando assim, um atendimento mais fluido e resultando na qualificação das relações com o cliente.

O que isso nos ensina? Isso não nos ensina. Isso prova o que já sabemos: a tecnologia não vai substituir pessoas. Ela será a grande aliada no processo de evolução das profissões, da prestação de serviços e estimulará os profissionais a buscar a capacitação para se tornarem cada vez mais completos. Trabalhamos para aliar as capacidades cognitivas de máquinas e pessoas, mas, sabemos que a criatividade humana é ainda a melhor e maior das tecnologias. Investir nas pessoas é, sempre, recompensador e trará benefícios cada vez maiores.

*Presidente da Associação Brasileira de Telesserviços (ABT)


Na marcha lenta - Afonso Rodrigues de Oliveira*

“Reconhece-se um país subdesenvolvido pelo fato de nele ser a política a maior fonte de riqueza.” (Gaston Bouthoul)

E por sermos subdesenvolvidos ainda não aprendemos o que é riqueza. Porque, francamente, o que temos visto, ultimamente, e já deveríamos ter visto antes, é mais do que vergonhoso. Nauseante, nauseabundo, chame do que você quiser chamar. Mas o mais importante é que aprendamos com os erros que, se formos inteligentes, devem ser vistos como responsabilidade nossa. Confesso que gostaria de estar aqui, agora, batendo um papo bem saudável, amigável com você. Mas fazer o quê?

Querer negar os acontecimentos é querer tapar o sol com peneira. É fingir ou ignorar. As próximas eleições se aproximam e começam a preocupar os responsáveis e esclarecidos. Ou a justiça acelera os passos justos ou viveremos o maior desastre entre os maiores já ocorridos. O número de candidatos que já estão se dizendo candidatos, é assustador. Não pelo número, mas pela qualidade sem qualidade. E você, como está se preparando para as mudanças, ou espera que elas cheguem sem que as tragamos? Seria muita ingenuidade.

Acho até que o volume de sujeira que está correndo pelos esgotos da nossa política está amordaçando os gritantes de ruas. Só espero que eles não influenciem no desenvolvimento da evolução política que deveríamos viver com as descobertas das sujeiras. Mas cabe a cada um de nós, eleitores, acordar para a cidadania, e nos fazermos cidadãos de fato. E comecemos reclamando pelas mudanças na política. A seriedade no voto, com a garantia na segurança, sem falcatruas. Porque só aí seremos capazes de merecer o voto facultativo. Porque sem uma educação política não saberemos como usá-lo honesta e sabiamente.

Vamos refletir sobre nosso valor na escolha dos políticos que deveremos eleger para trabalhar para nós, e não para seu enriquecimento. Eleger políticos com ficha limpa, caráter e responsabilidade; na consciência de que estão sendo eleitos para trabalhar para os que o elegeram e para os que não votaram neles. E para isso temos que reconhecer nossa responsabilidade no aprimoramento e crescimento da nossa política. Porque é com o aprimoramento dela que iremos mostrar que não somos um país apenas subdesenvolvido.

Vamos fazer nossa parte para nosso crescimento, votando com sinceridade, honestidade e responsabilidade cidadã. Não importa nem interessa sua condição social. O que importa é sua condição de cidadão responsável pelo futuro da sua terra. E nossa terra é o Brasil, não importa onde estejamos dentro dele. O importante é que o mereçamos. Faça sua parte. Pense nisso.

*Articulista
afonso_rr@hotmail.com
99121-1460

Opinião
jesse@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Opiniao
+ Ler mais artigos de Opiniao