Por Parabólica
Em 07/02/2018

Bom dia,

Economia para muitos é um assunto complexo, com um linguajar complicado, e só quem é especialista pode entender. Esse consenso é, até certo ponto, verdadeiro; mas existem certos princípios que são bastantes fáceis de entender. Um deles, por exemplo, diz que em economias sob o regime da propriedade privada, o Estado -governo é uma expressão mais utilizada- não gera riqueza, exceto nalgumas atividades. O papel do Estado é sequestrar rendas do setor privado (empresas e pessoas) através dos impostos para devolvê-las à sociedade a partir da prestação de serviços públicos, como educação, saúde, segurança pública, assistência social aos mais pobres, e geração de infraestrutura básica (ruas, avenidas, estradas, energia e saneamento); só para citar alguns.

Dessa verdade decorre o fato de que se o governo sequestra muita renda das empresas e pessoas, e não a devolve na mesma intensidade para a população, quer em quantidade, quanto em qualidade, alguém está desviando os recursos públicos de suas reais finalidades. Esse desvio pode ocorrer quando salário astronômicos -sejam quais forem suas denominações- são pagos a certos servidores públicos (ministros, juízes, parlamentares, promotores, procuradores). E neste caso, o papel do governo que é redistribuir riqueza, vira o contrário, ou seja, concentra rendas via o interesse das corporações. É o famoso papel inverso do que teria feito o lendário Robin Wood, que roubava dos ricos para dar aos pobres.

Outra forma perversa de o Estado não devolver para a sociedade, o que dela tirou através dos impostos, é a roubalheira, que só beneficia uma pequena parcela da população, especialmente os políticos canalhas, os funcionários corruptos, e os empresários que os corrompem. São bilhões de reais que deveriam estar financiando a educação, a saúde, a distribuição de renda, e a segurança pública, mas que irrigam os bolsos desses calhordas para engordar suas fortunas pessoais e familiares. E muitos deles continuam roubando dinheiro público, apesar de terem contra si inúmeros processos, com sobejas provas, de que receberam propinas das mais diversas formas.

É por aí que se deve entender as razões que levam o Brasil a ter uma das piores distribuição de renda do mundo, com uma minoria privilegiada ganhando muito (10% dos brasileiros ficam com 50% de toda a riqueza nacional), enquanto os 70% mais pobres ficam com apenas 10% dessas riquezas. Triste país, incapaz de enfrentar seus problemas mais agudos.

DESPEDIDA?
É voz corrente nos bastidores da política de Roraima que a prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (PMDB), tem pouco apreço pelos seus companheiros de profissão, os políticos, especialmente, os parlamentares. Ela não costumava comparecer à Câmara de Vereadores na abertura do ano legislativo, mas quebrou a tradição este ano. Ontem, ela foi a Câmara Municipal, fez um discurso mais ou menos longo, apresentou um detalhado relatório sobre o que está fazendo na PMBV. Sobre projetos futuros, ela não disse nada, em mais uma indicação clara de que é candidatíssima à governadora do Estado nas próximas eleições.

SEM ROTEIRO
A comitiva de ministros que o presidente Michel Temer (PMDB) mandou vir a Roraima -eles chegam amanhã-, para verificar “in loco” a situação dos migrantes venezuelanos em Roraima já tem agenda marcada com a governadora Suely Campos (PP) para às 11h da manhã no Palácio Senador Hélio Campos. De qualquer forma, até ontem à tarde, segundo foi informado para a Parabólica, nem a Prefeitura de Boa Vista nem a bancada federal de Roraima havia sido convidada para qualquer contato com os ministros. Por causa disso, existia, ontem, um certo clima de ciumeira, que poderá ter desdobramentos hoje.

JACAMIM 1
E a velha história do Jacamim, um pássaro que gosta de assumir os filhos alheios, está a todo vapor com a vinda desses ministros -aliás dispensável, porque todas as autoridades federais já têm informações completas sobre a tragédia dos venezuelanos que vieram para Roraima-, mandados por Michel Temer. Ninguém é bobo, todos sabem que a promessa do Presidente da República de mandar essa comitiva ao Estado foi feita, e anunciada, após uma audiência no Palácio do Planalto, em que estiveram presentes três deputados, e uma deputada federal de Roraima -Remídio Monai (PR), Hiran Gonçalves (PP), Carlos Andrade (PHS) e Shéridan-, que foram lá pedir socorro.

JACAMIM 2
Pois bem, depois dos anúncios feitos pelos quatro deputados federais, e de que o Palácio do Planalto confirmou a vinda da comitiva de ministros a Roraima, um certo parlamentar decidiu utilizar a mídia, inclusive as redes sociais para aparecer como o pai da criança. Seus acólitos, muitos pagos com o dinheiro público, espalham às escâncaras, que o dito cujo vem no mesmo avião da Força Aérea Brasileira (FAB), em companhia dos ministros. Tudo para tentar fazer a opinião pública acreditar que foi ele, com seu prestígio que convenceu Temer a mandar os ministros para o Estado. É mole?

EM CAMPANHA
Maior igreja evangélica de Roraima, a Assembleia de Deus, com templos em todas as cidades roraimenses, está faz bastante tempo discutindo uma participação ativa nas eleições de 7 de outubro próximo. A direção da Assembleia de Deus está trabalhando o lançamento de candidatos ou candidatas para disputar cadeiras na Assembleia Legislativa, na Câmara Federal e ao Senado Federal. Neste último caso, o candidato seria o pastor-presidente da instituição, Isamar Ramalho.

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
antonio carlos de lima prado disse: Em 07/02/2018 às 07:33:05

"Religião não se mistura com politica, é só ver o Estado Islamico e as guerras santas."

Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica