Por Parabólica
Em 15/05/2017

Bom dia,

Sem qualquer dúvida, a criação das Áreas de Livre Comércio de Boa Vista e de Bonfim foi efetivamente a mais importante medida estruturante de que se tem notícia em Roraima. Na verdade, no que se refere à de Boa Vista, a medida ocorreu por transferência da Área de Livre Comércio (ALC) já existente na cidade fronteiriça de Pacaraima que nunca foi implantada pelo imbróglio que se estabeleceu ali, por conta da questão indígena, até hoje, nunca pacificada. E mesmo que se tivesse concretizado, a natureza de uma ALC não se traduz em resultados econômicos substanciais em pequenos mercados, como é o caso de Pacaraima.

E não é o caso da ALC/Boa Vista, pelas circunstâncias de ser Capital do estado, de concentrar cerca de 65% da população estadual, por tanto, um mercado de mais de 300 mil habitantes permanente, e um flutuante ainda maior, a decisão de se criar um conjunto de redução de carga tributária, trouxe para a Capital roraimense, e com impacto para toda a economia do Estado, efeitos impulsionadores para amenizar a situação decorrente da anêmica economia do contracheque chapa-branca. Qualquer observação feita com isenção sobre os resultados produzidos pela Área de Livre Comércio/Boa Vista levará à conclusão que a economia da Capital roraimense mudou, e para muito melhor depois da implantação de ALC.

E esses efeitos poderiam ser ainda melhores, houvesse os governos estadual, municipal e federal entendido a importância de serem aprofundadas as medidas para viabilizar a expansão dos negócios no seguimento do comércio internacional propriamente dito (importação direta do exterior), por falta da implantação do armazém alfandegário; assim como pela falta de medidas adicionais viabilizadoras do início de um processo mais vigoroso de industrialização local. Mesmo assim, que ninguém se engane, não houvesse a implantação da ALC/Boa Vista, estaríamos vivendo dias muito mais difíceis neste cenário de crise brasileira profunda.

MOBILIZAÇÃO
Na última sexta-feira, 12.04, a diretoria da Associação Comercial e Industrial de Roraima (ACIR), à frente o presidente Jadir Correia, esteve em visita à redação da Folha. Os dirigentes da mais tradicional e antiga representação do empresariado roraimense estão decididos, mobilizar a classe no Estado para que se faça mais discussão e ações de políticas públicas com vista a buscar novos rumos para a economia roraimense. Jadir Correia disse ainda que reuniões com a Federação do Comércio de Roraima (FECOMERCIO) e com a Federação das Indústrias de Roraima (FIER) já foram realizadas para a definição de uma pauta única dessas entidades nessa duração.

AJUSTES
Embora tenha produzido inúmeros benefícios para os negócios locais, a área de Livre Comércio precisa de alguns ajustes sem os quais, alguns setores do ramo industrial perdem competitividade para produtos que venham de outros estados brasileiros. Era assim, com a indústria de beneficiamento de arroz, que teve correção com a inclusão das empresas do setor nos benefícios da Lei Estadual Nº 215, que permite a isenção do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).  Existe um grande conjunto de alternativas para potencializar ainda mais os efeitos da ALC/Boa Vista. Bastam criatividade e vontade política.

ENCONTRO
Aliás, sobre a iniciativa de entidades empresarias de buscar saídas para o desenvolvimento de Roraima, não é tarde para elogiar a realização de um encontro entre as mais importantes autoridades da República Cooperativista da Guiana e alguns dos mais expressivos empresários roraimenses, com a presença inclusive do embaixador brasileiro credenciado junto ao governo daquele país, promovido pela Federação das Indústrias de Roraima (FIER). Ficou patente a vontade daquele país de intensificar suas relações com o Brasil, incluído aí, o asfaltamento da estrada que liga Lethem a Lindem. Boa parte da possibilidade de concretização deste sonho contínua dependendo da vontade política do governo brasileiro.

PRÉ-CANDIDATURA
Fontes da Parabólica garantem que o ex-senador Mozarildo Cavalcanti (sem partido) anda preocupado em buscar uma alternativa de candidatura ao governo do estado em 2018, que passe ao largo das tradicionais lideranças políticas de Roraima. Nas discussões ele prega que a situação pendular hoje existente, já esgotou as possibilidades de trazer qualquer alternativa para o estado. As mesmas fontes dizem que Mozarildo Cavalcanti articula igualmente para viabilizar sua pré-candidatura ao Senado Federal nas próximas eleições em 2018.

MUDANÇAS
O novo chefe da Secretaria de Justiça e Cidadania (SEJUC), coronel PM Ronan Marinho, decidiu mandar destruir a famosa Ala da Cozinha, famosa por facilitar a atuação do crime organizado e o tráfico de drogas no interior da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (PAMC). Ele também decidiu trocar o secretário-adjunto da SEJUC, o tenente-coronel Francisco, que estava havia quase dez anos no cargo. Embora sem declinar nome, o secretário antecipou que o substituto será igualmente um oficial da Polícia Militar do estado.

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Comentários
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!