Por Jessé Souza
Em 13/07/2017

Segue o velório

Era tudo o que este governo queria: aprovar a reforma trabalhista e condenar o ex-presidente Lula (PT) por causa desse maldito triplex. E, obviamente, não deu certo (ainda) livrar o presidente Michel Temer (PMDB) da forca da Lava Jato.

Mas tudo se encaminha a favor deste grupo que está escalpelando o Brasil da propinagem. Não será surpresa se o plenário da Câmara negar a abertura de processo contra Temer, porque ele faz parte desse conluio que começou com o impeachment de Dilma Rousseff.

Não se trata de afirmar que Lula seja inocente. De forma alguma. Lula arrasou o PT e destruiu o projeto de esquerda do Brasil, ao se aliar aos corruptos e aos coronéis da podre política brasileira. E se enlameou com a corrupção tão fácil desse país.

Porém, Lula é apenas mais um nesse cenário sombrio, lançado à decapitação por um antipetismo criado pelas mentes férteis desse jogo de poder que quer manter um governo anti-pobre.  Inocente? Não. Mas não é o único nem o principal nesse lamaceiro.

Temer é um presidente blindado pela corja que se esforça para aprovar as reformas ao sabor da alienação do povo. Eles sabem que o momento é oportuno para empurrar qualquer decisão nesse povo dormente intelectualmente, acuado pela violência no país e vulnerável a dívidas infindáveis.

Não há saída, na mente dos arquitetos da desgraça. Empurraram a reforma trabalhista e vão tentar jogar goela abaixo a reforma da previdência. E acham que podem muito mais, quando muitos aplaudem a condenação de Lula como se fosse a solução para a desgraça do Brasil.

Esse é o país da Lava de Jato, em que o partidarismo vale mais do que fartas provas. E o exemplo mais concreto é Temer, o presidente decorativo blindado por esse sistema de corruptos. E Lula, embora atolado nesse lamaceiro, é tão somente mais um "boi de piranha" que o sistema possa respirar mais um pouco antes de atacar de novo a jugular do povo (leia-se: a reforma da Previdência).

*Jornalista
jesseroraima@hotmail.com
Acesse: www.roraimadefato.com.br

Jessé Souza
jesse@folhabv.com.br
SANTOS disse: Em 13/07/2017 às 12:23:12

"- Muito boa a visão externada pelo articulista e editorialista deste matutino. No entanto, faltou mencionar que a célula mater desse câncer que avassalou nosso Brasil não está somente no executivo ou legislativo. - Mister se faz ressaltar os estupros da Carta Magna Nacional promovido exatamente por quem teria a obrigação de defendê-la. - O comportamento de certos ministros de diversos tribunais superiores exala odor fétido de comprometimento e vil vassalagem aos coronéis da usurpação. - Eis porque sempre propugnamos por uma intervenção militar, como disposto na Constituição em seu artigo 142, pois as figuras a que nos referimos somente poderiam ser alcançadas, julgadas e severamente punidas por um tribunal militar, banindo-os da vida pública juntamente com todos os envolvidos em qualquer tipo de falcatrua, localizados através implacável varredura em todas as instituições de todos os Poderes Constituídos da República. - Os puristas dirão, com certeza, que estamos promovendo apologia de ditadura. Porém, se a prosperidade financeira, econômica, social, estrutural e institucional experimentada durante o período dos governos militares, que os puristas denominaram anos de chumbo, era uma ditadura, eu a prefiro, pois todas as instituições funcionavam perfeitamente ao passo que, na democracia que eles defendem, qualquer galinheiro tem melhor limpeza e organização. - E mais, residente em Brasília à época, participante ativo das manifestações populares, nunca presenciei uma única frase de repúdio ao sistema de governo. A reivindicação sempre foi pela realização de pleito para Presidente da República e Governadores, as Diretas Já, fato que até a vendida Rede Globo tem mostrado em sua minissérie. - Por fim, corrupto é criminoso, é bandido, independente do cargo ou função que ocupar e, assim sendo, tem que ser expurgado do seio da sociedade, livrando a esta dos nocivos efeitos do inaceitável comportamento desses imorais. "

Últimas de
Jessé Souza
+ Ler mais artigos de Jessé Souza