Por Fabiano de Cristo
Em 07/05/2018

Editorial

Organizando meus livros encontrei um de William Ury, um dos maiores especialistas do mundo em resolução de conflitos. Seu livro "The power of Positive No" (Bantam Books, NY 2007) “O Poder do não Positivo”, que traz conceitos importantes, apresentados de modo tão prático que resolvi organizá-lo no artigo desta semana.

O principal desafio: como conseguir o que queremos, com pessoas difíceis ou em situações complicadas e, mesmo assim, cuidar do relacionamento? Muitas pessoas acham difícil dizer "Não". Por quê? Quando nos acomodamos, somos dominados pelo medo ou pela culpa; quando atacamos com críticas ou explosões, somos dominados pela raiva. Ou então evitamos a questão: nada dizemos, nem sim, nem não. São as três armadilhas mais comuns quando achamos difícil lidar com o "Não".

A saída é aprender a usar o "Não Positivo": exercer nosso poder e cuidar da relação. O "Não" comum começa e termina com "Não"; o "Não positivo" começa e termina com "Sim". O primeiro "Sim" é para proteger o que é importante para nós, expressar o que queremos; o "Não" afirma nosso poder ao colocar limites claros e o "Sim" final é para melhorar o relacionamento. Vou mostrar como é possível fazer esta estratégia no artigo desta semana.

Fabiano de Cristo
Consultor Empresarial
atuallisconsultoriarr@gmail.com


COMO DIZER NÃO E AINDA CHEGAR AO SIM

O "Não Positivo" equilibra poder e relacionamento a serviço dos nossos interesses. Sua base é o respeito, por nós mesmos e pelo outro.

A principal dificuldade ao dizer "Não" é começar por ele, em vez de focar o "Sim" aos nossos princípios e ao que é realmente importante para nós. O poder do "Não" surge do poder do "Sim". Isso significa passar de uma postura reativa para uma proativa, perguntando a nós mesmos o que é realmente importante, quais são as prioridades, o que é certo para nós.

Em que valores, necessidades e interesses se enraíza nosso "Sim", que dará força ao "Não"? A que estamos dizendo esse "Não"? Essa reflexão nos ajuda a tomar conta dos nossos sentimentos e "subir para a montanha", para ter uma visão mais clara e calma da situação. Assim, conseguiremos ver melhor o "Sim" que está na raiz do "Não" que queremos dizer.

Não é bom deixar que os sentimentos nos dominem: o medo nos paralisa, a raiva nos cega, a culpa nos enfraquece. É essencial ouvir o que dizem nossos sentimentos e aprender a lidar com eles, nesse encontro conosco mesmos, antes de dizer "Não" ao outro. De Ghandi: nossa raiva pode ser transformada em poder que consegue mudar o mundo. Em vez de explodir de raiva de modo impulsivo, vale conservar essa energia preciosa como combustível para ações eficazes. Na verdade, a ansiedade, o medo e a raiva são energias que podem ser transformadas para agir a nosso favor, e não para reagir de modo intempestivo e destrutivo.

Ao buscar as raízes mais profundas desse primeiro "Sim", nosso "Não" será a favor de nossas necessidades, em vez de ser contra o outro. O poder do "Não" é positivo quando se fundamenta em proteger nossas necessidades, em vez de querer frustrar ou punir o outro.

Dizer "Não" de modo eficaz revela a decisão de buscar a satisfação de nossas necessidades, independentemente da cooperação do outro. Para isso, precisamos de um Plano B: caso o outro não colabore, o que faremos? Na linguagem de negociação, essa é a BATNA ("Best alternative to negotiated agreement").

Por exemplo, se estamos dizendo "Não" para uma conduta abusiva do chefe, nosso Plano B é tentar uma transferência para outro setor da empresa. O Plano B, portanto, é nosso último recurso, uma alternativa de ação que poderemos adotar caso o outro não coopere. Ao elaborar o Plano B, é importante suspender a crítica às ideias que surgem, porque isso inibe a criatividade: inventar primeiro, avaliar depois. É importante deixar as ideias surgirem livremente, mesmo que pareçam loucas.

Depois de se preparar para dizer "Não", o desafio seguinte é preparar o outro para dizer "Sim" para seu "Não". Para isso, é fundamental adotar uma atitude positiva de respeito que se traduz em: ouvir atentamente o outro, reconhecer seus pontos de vista e seus sentimentos. Não significa gostar do outro, concordar com suas ideias ou aceitar suas posturas, apenas valorizá-lo como ser humano. Quanto mais intenso for o "Não", mais respeito pelo outro será necessário transmitir. É o que abre a mente e o coração do oponente.

O reconhecimento dá o tom construtivo para a conversa difícil. É um convite para transformar a conversa difícil em diálogo construtivo, que beneficiará ambos os lados. Por exemplo: "Quero entender melhor seu ponto de vista para que possamos trabalhar juntos de modo mais eficaz". Com isso, explicitamos uma visão otimista do futuro da relação. Portanto, o "Não Positivo" começa com uma afirmação do seu "Sim", coloca o limite e termina com uma proposta positiva para o relacionamento. Pense nisso e até aproxima semana.

RESENHANDO

O "Sim" inicial tem como objetivos afirmar suas intenções e explicar ao outro a razão do seu "Não". A essência do "Não Positivo" é afirmar sem rejeitar: explicitar nossos interesses sem rejeitar o outro como pessoa. O "Sim" inicial é essencial para alcançar esse equilíbrio delicado. No decorrer desse processo, é importante não acusar nem humilhar o outro; falar com sinceridade, não com crueldade. Atacar o problema, não a pessoa. Fazer afirmações do tipo "eu estou certo, você está errado" não produz bons resultados nos relacionamentos. Mesmo quando pensamos que o outro está completamente errado, afirmar isso não será produtivo, só aumentará resistências e defesas. O que importa é explicitar o que necessitamos, sentimos e queremos, além de reconhecer o que o outro necessita, sente e quer.

Fabiano de Cristo
jornalista@teste.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Visão de negócios
+ Ler mais artigos de Visão de negócios