Por Fabiano de Cristo
Em 02/04/2018

Editorial

A segunda edição do Digital Shopper Relevancy Report (Relatório Sobre a Relevância dos Compradores Digitais), que pesquisou mais de 18 mil compradores digitais de 18 países para desvendar a mudança ocorrida nos hábitos dos consumidores, aponta que os mercados de alto crescimento, incluindo o Brasil, dão uma importância muito maior na obtenção de informações sobre produtos por meio de dispositivos móveis e mídias sociais.

A pesquisa também aponta que, globalmente, a Internet passou a ser o canal preferido para ajudar na decisão de compra (mais do que todos os outros canais, inclusive as lojas físicas), sendo que 75% dos consumidores afirmaram que esse era um canal importante ou muito importante para pesquisar informações antes da aquisição. Em termos de rastreamento e entrega, a Internet é o canal mais importante para os mercados emergentes (especialmente no Brasil, México e Índia), ao mesmo tempo em que a loja física continua a ser procurada e o e-mail é relevante.

Para 43% dos brasileiros que responderam à pesquisa é fundamental acompanhar a entrega do produto utilizando a tecnologia, em contraste com o comportamento de consumidores em mercados maduros, que não têm esse interesse. As compras feitas por meio de smartphones também cresceram em importância no mesmo período.

Fabiano de Cristo
Consultor Empresarial
atuallisconsultoriarr@gmail.com


MOBILE MARKETING E O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

Se você ainda é daqueles que não acredita que as mídias sociais não influenciam no poder de compra do consumidor, é melhor repensar a sua visão enquanto ainda dá tempo. De acordo com a pesquisa Digital Shopper Relevancy Report (Relatório Sobre a Relevância dos Compradores Digitais), mais da metade dos consumidores nos mercados emergentes acredita que é extremamente importante poder escolher a partir de uma gama de opções de pagamento (on-line, paypal, cartão de crédito, entre outros). No Brasil, 66% dos consumidores classificam como extremamente importante. Outro hábito de 51% dos consumidores brasileiros é pesquisar preços de empresas concorrentes.

Tanto nos mercados maduros como nos emergentes, a possibilidade de escolher entre várias opções de entrega foi o fator mais relevante apontado. No Brasil, 35% dos consumidores preferem escolher entre opções com prazos e preços diferentes, 22% fazem o rastreamento da entrega, 13% consideram a opção de receber o produto no mesmo dia da compra e 5% aprovam a solicitação de um horário determinado para receber a encomenda.

De acordo com o estudo, seguir empresas de varejo nas mídias sociais (como Twitter e Facebook), saber mais sobre novos produtos por meio de blogs e participar de comunidades de compras on-line tornou-se menos importante do que em 2012. As respostas de compradores do mundo inteiro não somente indicam um declínio, quando comparadas às do estudo realizado dois anos atrás, mas também mostram que as mídias sociais são menos relevantes durante a compra do que experiências na loja, pela Internet, por smartphone, e-mail ou tecnologias disponíveis nos estabelecimentos.

Apesar do aumento da receita com anúncios no Facebook e nas inovações de marketing, como o botão ‘Comprar’ do Twitter, as mídias sociais são mais relevantes nas fases de conscientização e escolha do processo de compras, principalmente no setor de moda, mas bem menos representativas durante a transação, a entrega e a pós-venda. O relatório indica que as empresas de varejo ainda precisam se esforçar em cada estágio da experiência de compras para que as mídias sociais desempenhem um papel útil e valioso na aquisição de um produto ou serviço. Embora tenha havido o crescimento do e-commerce, a loja física ainda é o destino preferido dos compradores no mundo inteiro, mas a Internet vem logo atrás. Quando compram no varejo, 72% dos consumidores veem as lojas como importantes ou muito importantes e 67% preferem a Internet. Apenas 14% dos consumidores indicam fortemente que as lojas físicas se tornaram menos relevantes para eles.

No entanto, a maioria dos compradores (51%) afirma que, no futuro, passará mais tempo on-line do que em uma loja. Além do crescimento inquestionável do uso do celular, as interações digitais nas lojas são populares entre os compradores, o que sugere que a implementação de novas tecnologias nas lojas de varejo seria bem recebida pelos clientes.

O estudo revela que todos os mercados de alto crescimento mostram uma preferência maior por tecnologias digitais do que os mercados maduros. Por exemplo, quando se trata de encontrar informações sobre um produto, fazer pesquisas de preço e compras, o Brasil, o México, a Índia e a China atribuem uma importância muito maior aos dispositivos móveis, mídias sociais e tecnologias dentro das lojas do que todos os mercados maduros juntos. Isso representa uma grande oportunidade para as marcas que estão presentes ou ingressando nessas regiões. Pense nisso e até a próxima semana.

RESENHANDO

Em termos de setor, o segmento de moda registrou um crescimento de 9% na preferência por compras on-line, o que sugere que as lojas de roupas progrediram muito em seus esforços de se relacionarem com os consumidores por meio de canais digitais. As pessoas acreditam que os preços on-line são menores do que nas lojas e mesmo em catálogos: 72% dos entrevistados “concordam” ou “concordam firmemente” com essa afirmação. Isso ocorre em todos os mercados, 65% acreditam que a opção de comprar diretamente dos fabricantes aumentará nos próximos anos e 53% também acreditam que haverá crescimento da compra direta do fabricante por meio de um aplicativo.

Fabiano de Cristo
jornalista@teste.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Visão de negócios
+ Ler mais artigos de Visão de negócios