ELEIÇÕES 2018
“É decisão embasada e justificada”, diz Mecias ao deixar base do governo
Em entrevista à Folha, o deputado afirmou que o seu Partido não teve garantias de que seria tratado como um aliado
Por Folha Web
Em 17/05/2018 às 01:17
Deputado Mecias de Jesus é pré-candidato ao Senado (Foto: Divulgação)

Em entrevista à Folha, o deputado estadual Mecias de Jesus (PRB) disse que sua decisão de deixar a base aliada do governo Suely Campos foi uma decisão madura, pensada, embasada e justificada. “Assim como têm sido todas as decisões que tenho tomado ao longo de minha vida pública e que minha história política e de vida estão aí para servirem de testemunhas”, frisou.

Mecias reafirmou sua determinação de apenas concorrer a uma das duas cadeiras de Roraima no Senado. “Não concorrerei a nenhum outro cargo que não seja o de senador. Com fé em Deus e muita confiança no povo de Roraima”, disse.

O deputado explicou que, embora seja certo que não apoiará a reeleição da governadora Suely Campos, disse que até o dia 31 de dezembro de 2018 estará na Assembleia Legislativa para analisar e aprovar todas as medidas que forem do interesse do Estado. “Da mesma maneira que manterei minha postura de criticar algo que não concorde, como convém a todo aliado que busca servir e não subservir ao Executivo estadual”, anunciou.

Ele explicou ainda que a decisão do PRB de romper com o governo e publicar nota oficial tem como base duas vertentes. “A primeira seria de cunho partidário, pois precisamos buscar aliados que nos deem condições para que minha pré-candidatura ao Senado se torne ainda mais competitiva. A outra vertente é o fato de, em nenhum momento, termos a garantia de que o PRB seria recebido e tratado como um aliado pelo governo e que a ele seria garantido às coligações, proporcional e majoritária, assumindo todos os ônus e bônus disso decorrente”, disse.

“Nunca é simples tomar decisões, mas quando você tem a convicção de que faz as coisas com a intenção de acertar, isso gera tranquilidade. Acredito em um futuro melhor para Roraima e vamos sempre nos posicionar em busca desse objetivo”, concluiu.

NOTA – A executiva estadual do Partido Republicano Brasileiro (PRB) publicou nota oficial sobre a saída da base aliada, afirmando que não foi dada ao PRB nenhuma garantia mínima de participação na coligação (proporcional e majoritária) liderada pelo Progressistas, partido da governadora.

“Dessa forma, fica impossível manter qualquer tipo de aliança, uma vez que o partido não abre mão da [pré] candidatura do deputado estadual Mecias de Jesus ao Senado Federal e do melhor cenário possível para a disputa de seus candidatos às vagas de deputados federais e estaduais. A decisão de buscar um ambiente político onde o PRB possa ser um dos protagonistas tem o objetivo de garantir ao partido a possibilidade de disputar as eleições de 2018 em igualdade de condições com qualquer partido político, concorrendo aos diversos cargos que considerar de relevância para os seus quadros”, diz a nota.

CRISE – As dificuldades começaram quando o presidente estadual do Progressistas, deputado federal Hiran Gonçalves, afirmou em entrevista à Folha que não tinha pretensão de coligar na proporcional com o PRB, que tem na reeleição de Jhonatan de Jesus, filho de Mecias, sua principal aposta. Sem essa coligação, o tempo de TV para o partido ficaria reduzido.

Suely ainda tentou convidar Mecias para ser vice, o que foi negado pelo pré-candidato ao Senado que afirmou que se não fosse apoiado pelo governo lançaria candidatura independente.

Rafael disse: Em 17/05/2018 às 14:13:18

"Esse politico é do PP(Partido do Poder), desfrutou de tudo no atual governo e já se prepara para o quem dá mais. Vamos melhorar a qualidade dos nossos políticos eleitor roraimense."

Cruel disse: Em 17/05/2018 às 11:22:49

"Já chega né!!! Tantos mandatos e ficando rico e o povo que elege esse ser humano ficando mais pobre. Vamos Renovar tudo"

Gher disse: Em 17/05/2018 às 09:55:07

"deixou o governo faltando meses para encerrar o mandato,incrivél1"

Gil disse: Em 17/05/2018 às 08:05:03

"Mais uma vez Deputado, o senhor e sua turma pulando do barco? Esse não é mesmo de confiança, pois na outra eleição já abandonou o seu candidato no segundo turno quando viu que ele não tinha chances de ganhar. Quem não tem a confiança nem do seu grupo político, não merece a confiança do povo! "