SISTEMA PRISIONAL
Governadora autoriza concurso e anuncia construção de presídio
Serão 300 vagas para agentes penitenciários, de forma imediata, e um novo presídio que será construído com recursos próprios
Por Cyneida Correia
Em 11/01/2017 às 01:00
Governadora Suely Campos diz que não vai esperar somente pelo apoio do Governo Federal (Foto: Divulgação)

A governadora Suely Campos (PP) autorizou ontem a realização de concurso público com 300 vagas para agentes penitenciários e a construção de um presídio com recursos próprios do Estado. “Essa é uma resposta efetiva do governo a essa crise no sistema carcerário. Não vamos apenas esperar apoio do Governo Federal, mas estamos implementando ações efetivas dentro da estrutura do Estado”, disse.

O concurso deve ocorrer de forma imediata, segundo o governo. O novo presídio com 380 vagas vai ajudar a desafogar o sistema carcerário em Boa Vista. Além desse presídio, Roraima também vai ganhar uma penitenciária federal, pois o Ministério da Justiça liberou R$ 46 milhões para o Estado. Deste total, R$ 31 milhões serão destinados para a construção da unidade que deve estar concluía em oito meses.

O novo presídio será construído em um terreno atrás da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, na zona rural de Boa Vista, com acesso pelo trecho norte da BR-14, o qual terá capacidade para 393 vagas. A unidade deverá abrigar detentos que cumprem pena em regime fechado. O restante do recurso será utilizado para o aparelhamento do sistema prisional.

OUTRAS UNIDADES - Suely Campos informou que as obras do anexo da Cadeia Pública de Boa Vista, no bairro de São Vicente, zona Sul da Capital, e do presídio de Rorainópolis, no Sul do Estado, estão sendo retomadas. “Somando com as vagas do presídio de Rorainópolis, cujas obras estão sendo reiniciadas agora, após abandono na gestão passada, e do anexo da Cadeia Pública, que as obras também foram abandonadas na gestão passada, serão mais de mil novas vagas no sistema”, disse a governadora.

SUPERLOTAÇÃO - O sistema prisional do Estado de Roraima tem hoje um déficit de 942 vagas. Segundo informações da própria Secretaria de Justiça e Cidadania de Roraima (Sejuc), a Penitenciária Agrícola contava com uma população carcerária de 1.475 pessoas (antes da tragédia do dia 06, quando 33 foram mortos), o dobro da capacidade recomendada, já que o local foi construído para abrigar 700 pessoas.

Por ser uma construção antiga, de 1989, a prisão permite que os internos derrubem as paredes com facilidade, bastando molhar a estrutura para conseguir abrir buracos entre as alas, pois não existe malha de aço ou placa de concreto nas celas. E todas as paredes são feitas com tijolos de barro. O último relatório do CNJ, divulgado em 2014, classificou de "péssimas" da Pamc.

Vandemberg Oliveira Rodrigues disse: Em 14/01/2017 às 12:05:30

"Esse concurso vai ser só pra nivel superior?"

Luiz Junior disse: Em 13/01/2017 às 20:10:07

"Márcio ... ninguém é obrigado. Se você não aguenta, deixa que tem cabra macho que arrocha "

medeiros & cia disse: Em 11/01/2017 às 12:49:24

"Pena de morte, o CIDADÃO DE BEM assina todo dia,ao sair pra trabalhar e não sabe se vai voltar vivo pra casa.pois,se duvidar corremos mais risco de morrer aqui fora com toda essa marginalidade, que pode matar só pra roubar um celular;uma moto...Nem mesmo dentro de casa estamos seguros."

MARCIO MARCELO MUNIZ disse: Em 11/01/2017 às 08:48:39

"Além de ser o pior emprego do Brasil (carcereiro), o governo de RR não esta pagando nem os que estão no quadro nesse momento, imaginem como ficará as remunerações desses novos carcereiros (coitados), caso consiga esta vivo pra desfrutarem de suas remunerações."

Luiz Junior disse: Em 13/01/2017 às 20:07:55

"Amigo, até hoje não conheço um que pediu pra sair. Como diria seu Madruga, não existe trabalho ruim, o ruim é ter que trabalhar"

MARCIO MARCELO MUNIZ disse: Em 11/01/2017 às 08:39:55

"Rum....tu é doido, ser Agente penitenciário (carcereiro) é assinar pena de morte, esse realmente será um concurso que pelo menos 90% da população não quer. quem quer trabalhar, andar, e se arriscar todos os dias onde dezenas de pessoas foram mutiladas, despedaçadas, tirado do seu peito os corações, suas cabeças e olhos, sem falar dos outros crimes, tipo os 11 que foram mortos na chacina passada, e as dezenas de presos que foram, mortos de forma trágica ou enforcada naquele local. Como trabalhar em local desses, onde se fazem isso com os companheiros, imaginem quem esta ali pra prende-los, trancafia-los, como trabalhar sobre o olhar de centenas de almas penadas que devem correr e esta presas naquele presídio, pois foram arrancadas de forma cruel e inesperadas de seus corpos. Infelizmente, é a verdade, infelizmente, hoje ser carcereiro e ter o pior emprego no Brasil. Deus me livre, tem muitas outras opções."

Arnold & Suas Negas disse: Em 11/01/2017 às 08:04:20

"Se a educação fosse levada a sério desde o começo, com certeza esse presídio não precisaria ser construido!"

ANTONIA CLEIDE ALVES PEREIRA disse: Em 11/01/2017 às 16:56:31

"Arnold, a construção desse presídio não tem nada a ver com educação e sim ,uma necessidade, e quem precisa dele é quem está lá dentro passando todo tempo ocioso sem trabalho, sem acomodação, sem assistência, e com a melhoria da unidade prisional, poderá surgir um novo conceito de educação prisional , assim também, com esse concurso muita gente vai ter uma oportunidade de uma estabilidade no emprego, com essa crise que o Brasil está enfrentando. Devíamos apoiar a governadora que quer melhorar e mudar e não criticar. Feliz é, aquele que tem oportunidades de viver bem, mas não condene quem do bem necessita para viver. "