ANSIEDADE EM CRIANÇAS
Psiquiatra explica como funciona o tratamento
Uma certa quantidade de ansiedade é normal e pode até ser motivador. Porém os pais devem ficar atentos aos sinais
Por Raisa Carvalho
Em 07/08/2017 às 00:10
Médico psiquiatra explica como os pais devem lidar com o transtorno (Foto Divulgação)

Todo mundo experimenta sentimentos de ansiedade ao longo do tempo, incluindo as crianças. Estes sentimentos podem variar de uma leve sensação de desconforto para um pânico, dependendo da pessoa e da situação.

De acordo com o psiquiatra Alberto Iglesias, é natural que situações desconhecidas ou desafiadoras possam trazer à tona sentimentos de ansiedade ou nervosismo em pessoas de todas as idades. “Você pode sentir isso quando você tem uma grande apresentação no trabalho, por exemplo, ou quando a vida fica muito agitado”, explica o médico.

Ele explica que crianças podem se sentir, também, em situações semelhantes - quando enfrenta um teste importante ou mudar de escola, por exemplo. “Estas experiências podem desencadear ansiedade normal, porque eles nos levam a concentrar-se e nos questionar: E se eu fracassar? E se as coisas não saírem como eu planejei?”, conta.

Certa quantidade de ansiedade é normal e pode até ser motivador. Ela nos ajuda a permanecer alerta, focado, e pronto para nós fazermos o nosso melhor. Mas a ansiedade que é muito forte ou muito frequente pode tornar-se paralisante e interfere na capacidade de fazer as coisas e, em casos graves, pode dificultar a realização de diversas coisas boas e agradáveis da vida.

Transtornos que as crianças podem obter incluem:

  • Transtorno de Ansiedade Generalizada: Com este transtorno de ansiedade comum, as crianças se preocupam excessivamente com muitas coisas, como a escola, a saúde ou segurança dos membros da família, ou o futuro em geral. Eles podem sempre pensar o pior que poderia acontecer. Junto com a preocupação e o medo, as crianças podem ter sintomas físicos, como dores de cabeça, dores de estômago, tensão muscular ou cansaço. Suas preocupações poderiam causar-lhes a faltar à escola ou evitar atividades sociais. Com ansiedade generalizada, as preocupações podem se sentir como um fardo, tornando a vida esmagadora ou fora de controle.
  • Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC): Para uma pessoa com TOC, ansiedade toma a forma de obsessões (pensamentos excessivamente preocupantes) e compulsões (ações repetitivas para tentar aliviar a ansiedade).
  • Fobias: Estes são medos intensos de coisas ou situações específicas que não são inerentemente perigosos, tais como altura, cães, ou voando em um avião. Fobias geralmente levam as pessoas a evitar as coisas que eles temem.
  • Fobia Social (ansiedade social): Essa ansiedade é desencadeada por situações sociais ou falar na frente dos outros. Uma forma menos comum chamado mutismo seletivo faz com que algumas crianças e adolescentes sentem medo de falar em determinadas situações.
  • Ataques de Pânico: Estes episódios de ansiedade pode ocorrer sem nenhuma razão aparente. Durante um ataque de pânico, uma criança geralmente tem súbitos e intensos de sintomas físicos que podem incluir um coração acelerado, falta de ar, tontura, dormência, formigamento ou outros sentimentos. A agora fobia é um medo intenso de ataques de pânico que faz com que uma pessoa vai a lugar nenhum, para evitar uma ataque de pânico poderia ocorrer.
  • Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT): o transtorno de ansiedade de uma experiência traumática passado. Os sintomas incluem flashbacks, pesadelos, medo e fuga do evento traumático que causou a ansiedade.

Causas
Especialistas não sabem exatamente o que causa transtornos de ansiedade. Várias coisas parecem desempenhar um papel, incluindo a genética, a bioquímica cerebral, uma resposta de luta-fuga hiperativa, as circunstâncias estressantes da vida e comportamento aprendido.
Uma criança com um membro da família que tem um transtorno de ansiedade tem uma chance maior de desenvolver um também. Isso pode estar relacionado a genes que podem afetar a química do cérebro e regulação dos neurotransmissores. Mas nem todo mundo com um membro da família que tem um transtorno de ansiedade desenvolverão problemas com ansiedade.
Para o especialista, coisas que acontecem na vida de uma criança podem definir o cenário para transtornos de ansiedade na infância ou mais tarde na vida. Entre os exemplos, Perda (como a morte de um ente querido ou separação dos pais) e transições importantes da vida (como se mudar para uma nova cidade) são gatilhos comuns. Crianças com histórico de abuso também são mais vulneráveis à ansiedade.
 “Crescer em uma família onde os outros estão com medo ou ansiosos também pode "ensinar" a criança a ver o mundo como um lugar perigoso. Da mesma forma, uma criança que cresce num ambiente que é realmente perigoso (se houver violência na família da criança ou da comunidade, por exemplo) pode aprender a ser medroso ou esperar o pior”, explica o médico.

Tratamento
Uma criança com ansiedade pode ser tratada por um psiquiatra. Um terapeuta pode olhar para os sintomas, diagnosticar o transtorno de ansiedade específico, e criar um plano para ajudar a criança a lidar com a ansiedade.
Um tipo de terapia da conversa chamada terapia cognitivo-comportamental (TCC) é frequentemente utilizado.
“No TCC, as crianças experimentar novas maneiras de pensar e agir em situações que podem causar ansiedade, e para gerir e lidar com o estresse. O terapeuta oferece apoio e orientação e ensina novas habilidades de enfrentamento, como técnicas de relaxamento ou exercícios respiratórios. Às vezes, mas nem sempre, a medicação é usado como parte do tratamento para a ansiedade”, explica o médico.

Ajudando seu filho a lidar

A melhor maneira de ajudar o seu filho é reconhecer o problema, sem julgamento de apoio. Falar abertamente sobre os sintomas do seu filho e realmente tentar entender como eles estão afetando a vida cotidiana. Ela também pode ajudar a falar com outros adultos que participam da vida de seu filho, como professores e treinadores.
“Seja paciente e positivo como o seu filho. Às vezes ajudar a falar com ele sobre suas próprias preocupações e como você foi capaz de superá-los pode auxiliar. Tenha certeza de que com o cuidado certo, seu filho pode superar a ansiedade e aprender a encarar o futuro”, finaliza Iglesias.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!