MORTE EM PRESÍDIOS
Após comentário, secretário do governo Temer pede demissão
Bruno Júlio teria sugerido ‘uma chacina por semana’, referindo-se a problemas ocorridos em presídios do Amazonas e Roraima
Por Folha Web
Em 07/01/2017 às 13:00
Após declaração sobre problemas em presídios do Norte, secretário nacional da Juventude, Bruno Júlio entregou o cargo (Foto: Reprodução)

Bruno Júlio, nomeado em junho pelo presidente Michel Temer (PMDB) para o cargo de secretário nacional de Juventude, pediu demissão na tarde de ontem, 06, após declarações feitas por ele a uma coluna do jornal O Globo.

Na publicação, Júlio disse que “tinha que matar mais [presos], tinha que fazer uma chacina por semana”, referindo-se as chacinas no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), no Amazonas, e Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (Pamc), em Roraima, ocorridas nesta semana.

Segundo a assessoria do Palácio do Planalto, o pedido já foi aceito e a demissão deverá ser publicada no Diário Oficial da União (DOU) nos próximos dias. A secretaria é diretamente vinculada à Presidência da República.

Bruno Júlio também é presidente licenciado da Juventude Nacional do PMDB. Em nota, ele disse ter falado “em caráter pessoal” ao jornalista, após a entrevista. De acordo com ele, está havendo “uma valorização muito grande da morte de condenados, muito maior do que quando um bandido mata um pai de família que está saindo ou voltando do trabalho”.

“O que eu quis dizer foi que, embora o presidiário também mereça respeito e consideração, temos que valorizar mais o combate à violência com mecanismos que o Estado não tem conseguido colocar a disposição da população plenamente”, completou o secretário na nota.

Com informações da Agência Brasil.

Comentários
Fernando disse: Em 08/01/2017 às 12:43:32

"Cidadão, você tem meu apoio e se for mesmo o seu pensamento em prol da sociedade, você me representa. Temos mesmo que valorizar o cidadão de bem, aquele que dá o suor do seu trabalho para a sociedade buscando o seu sustento, não em dar valor maior para quem afronta o Estado e não está nem aí para as Leis, só para os Direitos. Infelizmente os valores estão invertidos. O que ele quis dizer não é que é a favor da violência e de mortes, o que ele quis dizer é que maus (filhos do capeta mesmo) estão matando outros maus, à margem das Leis e da sociedade de bem, como se vivessem em outro Estado, em outra Nação no caos total. Disso não temos controle mesmo. Mas para você ver, alguém que bem representa o que clamamos, só mostrar que é atuante e rapidinho mandam embora."

rnuj disse: Em 08/01/2017 às 06:21:52

"ESSE TEM MEU VOTO PARA PRESIDENTE! "

ANTONIO DE OLIVEIRA disse: Em 07/01/2017 às 13:43:02

"KKKK! Provavelmente esse vai ser convidado a fazer parte do governo Filipino,ou melhor, já pensou se o Presidente do Brasil fosse o Rodrigo Duterte..."