ENSINO SUPERIOR
Aulas do curso de Medicina da Uerr devem iniciar em março de 2018
O edital do vestibular da Universidade está previsto para ser publicado nesta quarta-feira, dia 11, já com a oferta de 30 vagas para o novo curso
Por Paola Carvalho
Em 09/10/2017 às 01:18
Segundo Regys Freitas, os acadêmicos de Medicina terão aulas práticas no HGR, Maternidade e Hospital das Clínicas (Foto: Wenderson_de_Jesus)

A governadora Suely Campos (PP) anunciou recentemente implantação de 10 medidas para o fortalecimento da Educação em Roraima, entre elas, a criação do curso de Medicina da Uerr (Universidade Estadual de Roraima). Segundo o reitor da instituição, Regys Freitas, a previsão é que o início das aulas ocorra no primeiro semestre do ano que vem, em março de 2018.

O reitor informou que o projeto do curso de Medicina já estava sendo trabalhado há quase um ano. “Estávamos atuando para que nós tivéssemos a maturidade necessária para que a Uerr pudesse lançar esse curso já em 2018”, informou o reitor ao programa Agenda da Semana da Rádio Folha AM 1020, deste domingo, dia 8.

Segundo ele, serão ofertadas 30 vagas para o curso já no edital do Vestibular da Uerr, previsto para ser publicado nesta quarta-feira, dia 11. “Serão mais de 700 vagas em nossos 23 cursos, já incluso o de Medicina, com as provas sendo realizadas em dezembro”, detalhou.

Ele esclareceu ainda que as instituições estaduais de ensino superior têm autonomia administrativa, o que faz com que a implantação dos cursos independa da autorização do Ministério da Educação, porém, passará posteriormente por avaliação do Conselho Estadual de Educação que segue as diretrizes nacionais.

VAGAS – Quanto à entrada dos alunos, Freitas informou que, no primeiro momento, ainda não haverá a regionalização do número de vagas, mas a instituição resolveu não utilizar o Sisu (Sistema Unificado de Seleção) que leva em consideração as notas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) para a seleção de acadêmicos.

“Muitas vezes os profissionais que vão entrar nesse mercado de trabalho se evadem do estado em que cursaram as graduações. Então, uma das formas da Uerr contribuir para que esses profissionais sejam formados e fiquem aqui é que as vagas sejam concorridas aqui em Roraima”, explicou.

Sobre o corpo docente necessário para implantação do curso, o reitor Regys Freitas informou que o Núcleo Básico de Saúde, que contempla os três a quatro primeiros semestres, já está formado pelos próprios professores da UERR.

“Contudo, a gente já abriu na semana passada, concurso para professor médico, então, vai ser feita a contratação e acredito que no prazo máximo de 60 dias, já com provas para compor o nosso quadro”, informou.

Com relação à infraestrutura laboratorial, o reitor acrescentou que a fundação do curso será promovida de forma diferenciada. A ideia é seguir os parâmetros nacionais de implantação, devendo o curso ser montado em um tripé de diretrizes institucionais do MEC que se trata de preservar a assistência, gestão e educação em saúde.

“Significa dizer que o profissional médico deverá ser voltado para o atendimento humanizado, o que faz com que o graduado tenha muito contato com o SUS [Sistema Único de Saúde], ou seja, o laboratório é o hospital, ou seja, própria infraestrutura do Estado vai servir para os alunos, incluindo de Enfermagem, de Educação Física, Serviço Social, Química e Ciências Biológicas”, explicou.

Com a implantação do Núcleo de Saúde, os estudantes dessas áreas verão as mesmas disciplinas nos primeiros semestres, para depois se aprofundar nas matérias específicas. “A gente também pretende implementar um programa de ensino-aprendizagem, que não seja somente a ideia do professor e o quadro na sala de aula. Que o aluno desenvolva o caso clínico nas unidades de saúde após o conhecimento teórico”, declarou.

OUTRAS MEDIDAS – Além da criação do curso de Medicina, a governadora Suely Campos também anunciou outras ações de expansão de ensino, entre elas, a oferta de cursos tecnólogos e de graduação na modalidade de ensino a distância, por meio de uma parceria com a Univirr (Universidade Virtual de Roraima) e o projeto de lei que cria a FAP (Fundação de Amparo à Pesquisa), que visa a evolução e desenvolvimento socioeconômico do Estado. O projeto de lei está previsto para ser encaminhado esta semana para a Assembleia Legislativa de Roraima.

Por fim, a instituição do Campus de Excelência Aplicada à Educação e a criação da Escola de Aplicação da Uerr, na Escola Severino Cavalcante, zona oeste da Capital. “A gente sabe que o nosso sistema de rede básica de formação de professores ainda é deficitário, então, a Universidade decidiu fortalecer as licenciaturas. A ideia da Escola de Aplicação é que possa ter nos alunos do ensino médio trabalho em um projeto de ensino pedagógico diferenciado. Além disso, as 11 licenciaturas vão para lá, para funcionar no período noturno e todos os acadêmicos das licenciaturas voltarão no outro horário para serem estagiários na escola”, explicou.

O reitor acredita que o maior ganho será na adoção do processo de formação continuada, em que os professores da rede básica terão a oportunidade de fazerem os mestrados e doutorados junto aos professores da Uerr. “Então será um regime de colaboração mútua, de gestão compartilhada e que a Universidade Estadual cria o Campus de Excelência Aplicado à Educação com a colaboração da Secretaria Estadual de Educação”, destacou. (P.C.)

falei disse: Em 09/10/2017 às 11:43:48

"Como bom brasileiro que já vi tantas coisas sendo prometidas em época de pré campanha e que em pouco tempo foi sumindo,porque quem prometeu não conseguiu dar continuidade ou se não ganhou as eleições quem foi eleito muito menos.Os esperançosos foram mais uma vez enganados. E viva as promesas e sofram os que ainda acreditam nelas. Falei e disse. "

Christhian Rodolfo Torres Dominguez disse: Em 09/10/2017 às 07:41:50

"A campanha esta forte .................................o Ministério Público tem que ficar de olho"