SEM SELO DO INMETRO
Cadeiras, brinquedos e lâmpadas são apreendidos em Boa Vista
A fiscalização ocorreu no final da manhã de ontem, 11, em uma loja na zona central da capital
Por Folha Web
Em 12/09/2017 às 00:58
Quase 40 brinquedos foram recolhidos pelos fiscais do Instituto de Pesos e Medidas (Foto:Hione Nunes)

Em fiscalização de rotina, uma equipe do Instituto de Pesos e Medidas de Roraima (IPEM) apreendeu na manhã de ontem, 11, produtos sem o selo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO), comercializados em uma loja na avenida Ville Roy.

Cerca de 760 cadeiras, 37 brinquedos e 27 lâmpadas foram recolhidos pelos fiscais do Instituto de Pesos e Medidas. Conforme o diretor técnico do IPEM, Alfredo Gadelha, a fiscalização da qualidade dos produtos vendidos no comércio local acontece diariamente. Durante todo o ano, a intenção é que todo o comércio de Boa Vista, seja vistoriado. "Fazemos a verificação para dar segurança tanto para os comerciantes como para os consumidores. O Ipem é um órgão delegado do INMETRO, que tem essa atribuição", ressaltou.

Quanto à fiscalização realizada ontem, o comerciante terá, segundo o Ipem, dez dias para apresentar a defesa quanto aos produtos apreendidos, juntamente com a nota fiscal dos itens. Caso isso não ocorra, ele poderá ser multado de R$ 100 a R$ 2.500. Entretanto, se ficar provado que o fabricante forneceu indevidamente o produto, a multa será direcionada ao fornecedor. "O comerciante terá que apresentar a documentação necessária para não ser multado. Os produtos sem selo do Inmetro, que não foram testados, serão destruídos. Para a comercialização dos produtos, é necessário o selo do Inmetro na embalagem do produto e no próprio produto”, explicou Gadelha.

De acordo com a proprietária do estabelecimento comercial, que não quis ser identificada, a fiscalização feita pela equipe do Ipem em sua loja é novidade. Ela disse que não entendeu o procedimento de apreensão dos produtos, que vai em busca de informações para solucionar o caso e ter os produtos de volta na loja para comercialização. “Sou estrangeira. Trabalho no Brasil há alguns anos e, para mim, esse tipo de fiscalização é novidade. Vou procurar me informar sobre o caso para resolver a situação e poder vender os produtos que estão sendo levados por eles”, disse a proprietária. (E.S)

Christhian Rodolfo Torres Dominguez disse: Em 02/10/2017 às 07:31:09

"É CONTRABANDO MESMO.............O SER ESTRANGEIRO NÃO JUSTIFICA P FATO DE NÃO CONHECER AS LEIS , MUITO PELO CONTRARIO É OBRIGAÇÃO CONHECER AS LEIS DO PAIS NO QUAL VEM TRABALHAR............... "

souza disse: Em 12/09/2017 às 08:39:44

"Acho muito bom que essa fiscalização ocorra sempre que puder mas que também seja em todas as lojas de Boa vista bem como aos camelos que também fazem compras e vendas de produtos sem o devido selo do Inmetro e também não emitir nota fiscal quando solicitado do produto."