EPIDEMIA
Casos confirmados de sarampo aumentam 33% em uma semana
Gostei (0) Não gostei (0)
Dados da Sesau apontam aumento de 59 para 79 confirmados até ontem; número de casos suspeitos também aumentou de 234 para 279
Por Paola Carvalho
Em 17/04/2018 às 00:53
A população pode se confundir avaliando o documento e achar que está imune, afirma Rodrigo Danin, do Núcleo Estadual de Imunização (Foto: Hione Nunes)

Desde a confirmação da epidemia de sarampo em Roraima, há uma semana, houve o aumento de 33% do número de casos confirmados. Até ontem, 16, o número de casos confirmados passou de 59 para 79, informou a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau).

No mesmo período, também houve aumento de 19% do número de casos notificados, passando de 234 para 279. Também foram repassados os dados em investigação, que teve um aumento de 10%, saindo de 166 para 184 casos; e descartados, que teve um aumento positivo de 77%, saindo de nove para 16. Não houve mais nenhuma confirmação de óbito causado pela doença desde as duas mortes comprovadas no fim de março.

MUNICÍPIOS – A novidade com relação às localidades é a confirmação do primeiro caso no Cantá. Até então, o município contava apenas com suspeitas. Agora, há casos confirmados em Boa Vista (59), Pacaraima (18), Uiramutã (1) e Cantá (1).

Quanto às notificações, são 10 municípios no total: Alto Alegre (2), Amajari (30), Boa Vista (171), Cantá (10), Caroebe (1), Mucajaí (1), Pacaraima (56), Rorainópolis (6), São João da Baliza (1) e Uiramutã (1).

90 mil doses da vacina já foram aplicadas

Conforme dados da Sesau, Roraima teve o total de 90.215 doses aplicadas até o momento. A maioria delas foi aplicada em Boa Vista (58.950 doses), localidade onde se concentra a maior parte da população do Estado. Em seguida, aparece Pacaraima, com 10.569 e, em terceiro lugar, Bonfim com 5.206 doses aplicadas.

Na casa dos milhares, aparece Caracaraí com 2.503 doses, Rorainópolis com 1.991, Mucajaí com 1.723, Alto Alegre com 1.438, Uiramutã com 1.159, Cantá com 1.131, Caroebe com 1.129 e São Luiz com 1.087. Por fim, Iracema com 970 doses, São João da Baliza com 940 doses, Amajari com 836 doses e por último, Normandia, com apenas 583 doses aplicadas.

O número de doses aplicadas não corresponde ao número de atendimentos promovidos. A Sesau fez um levantamento do público-alvo da vacina: a população na faixa etária de seis meses a 49 anos de idade. O total somado é de 409.639 pessoas, que precisariam ser analisadas para obter um levantamento do estado vacinal.
Desses mais de 400 mil, até o momento foram entrevistadas 139.202 pessoas. Desse total, 64.592 não haviam se vacinado ou não tinham comprovação de vacinação; 52.121 tinham a vacinação completa e 22.489 tinham o estado vacinal incompleto.


Carteiras de vacina devem ser avaliadas
por profissionais da Saúde, alerta Sesau

O gerente do Núcleo Estadual do Programa Nacional de Imunização da Sesau, Rodrigo Danin, explicou que, com a prorrogação da campanha de enfrentamento ao surto de sarampo, até o dia 21 de abril, é importante que a população procure as unidades de saúde.

Danin alertou que, até o momento já houve a aplicação de 90 mil doses, mas a campanha não visa somente aplicar a vacina. “A intenção também é verificar o estado vacinal da população de seis meses a 49 anos de idade, que é o nosso público-alvo. Essa campanha é diferente das demais, em que a gente tem uma meta para atingir. A nossa meta é entrevistar as pessoas para saber o estado vacinal delas”, afirmou.

Por isso, o gerente do Núcleo Estadual de Imunização recomendou que a população se dirija para uma unidade de saúde ou um ponto de vacinação e apresente a carteirinha de vacinação. Assim, o profissional de saúde responsável poderá avaliar se a pessoa está ou não imunizada.

Danin acredita que nem todo mundo tem a capacidade de avaliar o seu cartão de vacina e saber se aquela vacina que está contida no cartão é a do sarampo ou não. “Às vezes o cartão está preenchido e a pessoa pode achar que é a vacina contra o sarampo, mas às vezes não é. Pode ser contra a febre amarela, tétano, hepatite. O ideal é que a pessoa leve o cartão para um profissional qualificado, para que este profissional faça a avaliação”, reforçou.

“A partir daí a gente descobre se a pessoa precisa ou não tomar vacina. Se a pessoa chega na unidade de saúde e não tem a comprovação, não tem a carteirinha, ela toma a vacina. Dentro da faixa etária de doze meses a 29 anos, são duas doses. De 29 até 49 anos, somente uma dose”, completou o gerente.

Além das unidades de saúde e do funcionamento em horário diferenciado em alguns postos de saúde, a Sesau também prevê a realização de microprogramações voltadas para o atendimento vacinal da população, em empresas e em locais de grande circulação de pessoas.

A próxima está prevista para ocorrer na quarta-feira, 18, na sede da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Na sexta-feira, 20, a programação acontece na edição da Caravana do Povo, em local ainda a ser determinado, podendo acontecer tanto em Boa Vista, quanto no interior do Estado. (P.C.)

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!