DORMIR BEM
Conheça alguns transtornos do sono e saiba como tratá-los
Insônia, narcolepsia e apneia do sono são alguns dos transtornos que atrapalham na hora de ter uma boa noite de sono
Por Raisa Carvalho
Em 12/10/2017 às 00:33
O psiquiatra Alberto Iglesias listou alguns dos sintomas e tratamentos.

Pelo menos 40 milhões de pessoas sofrem de transtornos do sono crônico de longo prazo, e mais 20 milhões experimentam problemas de sono ocasionais. Esses transtornos e sua consequente privação de sono interferem no trabalho, condução de veículos e atividades sociais. Eles também são responsáveis por em torno de US$ 16 bilhões de custos médicos por ano, enquanto os custos indiretos decorrentes de perda de produtividade e outros fatores sejam provavelmente muito maiores. 

Os médicos já descreveram mais de 70 transtornos do sono, dos quais a maioria pode ser controlada eficientemente uma vez diagnosticada. De acordo com o psiquiatra Alberto Iglesias, os transtornos do sono mais comuns incluem insônia, apneia do sono, e narcolepsia. O psiquiatra listou alguns dos sintomas e tratamentos. Confira:

Insônia

Quase todos ocasionalmente sofrem de insônia de curto prazo. Esse problema pode ser decorrente de estresse, "jet lag", dieta ou muitos outros fatores. Insônia quase sempre afeta o desempenho no trabalho e bem-estar no dia seguinte.

"A insônia tende a aumentar com a idade e afeta em torno de 40% das mulheres e 30% dos homens. Ela é frequentemente o principal sintoma debilitante decorrente de outros problemas médicos. Para insônia de curto prazo os médicos podem prescrever remédios para dormir. Porém, a maioria desses remédios perde a eficiência depois de algumas semanas de uso, sendo que a utilização de longo prazo pode acabar interferindo com o bom sono".

A insônia leve frequentemente pode ser prevenida ou curada com bons hábitos de sono. Para casos mais sérios de insônia, pesquisadores estão testando terapia de luz e outras formas de alterar os ciclos circadianos.

Narcolepsia

Pessoas com narcolepsia têm frequentes "ataques de sono" durante o dia, mesmo quando tiveram uma quantidade normal de sono à noite. Esses ataques duram de alguns segundos a mais de 30 minutos. Pessoas com narcolepsia também podem experimentar cataplexia (perda de controle muscular durante situações emocionais), alucinações, paralisia temporária quando acordam, e sono noturno perturbado.

"Esses sintomas de narcolepsia geralmente aparecem durante a adolescência, porém frequentemente leva-se anos até obter o diagnóstico correto. Esse transtorno, ou pelo menos a predisposição a ele, é geralmente hereditário, mas ocasionalmente está ligado a dano cerebral decorrente de lesão na cabeça ou doença neurológica" disse o especialista.

Uma vez que a narcolepsia é diagnosticada, estimulantes, antidepressivos e outros medicamentos podem ajudar a controlar os sintomas e prevenir os efeitos perigosos e embaraçadores de cair no sono em horário inadequado. Sonecas em certas horas do dia podem ajudar a reduzir o sono diurno excessivo.

Apneia do sono

A apneia do sono é um transtorno no qual há interrupção da respiração quando a pessoa dorme. Ela geralmente ocorre em associação com acúmulo de gordura, ou com perda de tônus muscular decorrente do envelhecimento. Essas mudanças permitem que a traqueia colapse durante a respiração quando os músculos relaxam ao dormir.

"Esse problema, chamado apneia obstrutiva do sono, é geralmente associado com ronco alto (embora nem todos com esse transtorno ronquem). Apneia do sono também pode ocorrer se neurônios que controlam a respiração não funcionarem direito durante o sono. Durante um episódio de apneia obstrutiva o esforço de a pessoa inalar ar cria uma sucção que colapsa a traqueia. Isso bloqueia o fluxo de ar de 10 segundos a 1 minuto, enquanto a pessoa luta para respirar. Quando o nível de oxigênio no sangue diminui, o cérebro responde acordando a pessoa de modo a tencionar os músculos das vias aéreas superiores e abrir a traqueia. A pessoa pode bufar ou arfar e então voltar a roncar. Esse ciclo pode ser repetido centenas de vezes durante a noite. As muitas vezes que a pessoa acorda a deixa continuamente sonolenta e pode ocasionar alterações na personalidade, como irritabilidade ou depressão", conta

Apneia do sono também diminui a oxigenação, o que pode ocasionar dor de cabeça pela manhã, perda de libido ou declínio da função mental. Ela também está relacionada com pressão alta, arritmia cardíaca, e risco aumentado para ataque cardíaco e AVC.

Pacientes com apneia do sono severa sem tratamento possuem de 2 a 3 vezes mais probabilidade de se envolver em acidentes ao dirigir. "Em algumas pessoas de alto risco, apneia do sono pode até ocasionar morte súbita durante o sono. Pessoas com os principais sinais de apneia do sono, como ronco alto, obesidade e sonolência diurna excessiva, devem procurar um médico para provavelmente fazer um teste chamado polissonografia".

Esse teste registra as ondas cerebrais, batimentos cardíacos, e respiração durante toda uma noite. Se apneia do sono for diagnosticada, há vários tratamentos disponíveis. "Apneia do sono moderada pode frequentemente ser superada com perda de peso ou prevenindo que a pessoa durma de costas. Outros pacientes podem precisar de aparelhos especiais ou cirurgia para corrigir a obstrução". Pessoas com apneia do sono nunca devem tomar sedativos ou remédios para dormir, os quais podem impedi-las de acordar para respirar.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!