ENXUGANDO A FOLHA
Eletrobras anuncia demissão de 70 servidores de RR para conter gastos
Sindicato dos Urbanitários afirmou que medida trará prejuízos aos trabalhadores e que irá recorrer judicialmente das demissões
Por Luan Guilherme Correia
Em 12/10/2017 às 02:09
Servidores que devem ser demitidos são os que trabalham há mais de 30 anos na Eletrobras (Foto: Divulgação)

O Sindicato dos Urbanitários de Roraima (STIURR) informou à Folha a demissão em massa de quase 70 funcionários da Eletrobras Distribuição Roraima, anunciada pela empresa na terça-feira, 10. Atualmente, a empresa conta com cerca de 70 servidores incorporados da Companhia Energética de Roraima (Cerr).

Conforme o sindicato, a demissão deve afetar trabalhadores aposentados e os que estão prestes a se aposentar. A alegação dada pela estatal em Roraima, conforme a entidade, é que há a necessidade de enxugar a folha de pagamento, tendo em vista que os funcionários que devem ser demitidos são os que estão há mais de 30 anos na empresa e recebem os maiores salários.

O vice-presidente do sindicato, Roberto Rivelino, afirmou que a medida trará prejuízos para os trabalhadores e suas famílias. “São pessoas com idade avançada, com mais de 30 anos de contribuição com a empresa e que têm aposentadoria irrisória. Perdendo o emprego, vão sobreviver de maneira precária, com a perda de vantagens como planos de saúde”, disse.

Para o sindicalista, a Eletrobras comete grave equívoco ao anunciar a demissão dos servidores. “Nós temos hoje quatro assistentes de diretoria contratados por meio do artigo 37 da Constituição. Pessoas que não moram em Roraima e nunca exerceram qualquer atividade dentro da Eletrobras, mas que recebem salários altos e estão aposentados. Dissemos que, se é para demitir, que comece por essas pessoas”, afirmou.

Rivelino informou que, caso a Eletrobras concretize a demissão em massa, o sindicato entrará com ação judicial contra a decisão. “Estivemos reunidos e vamos apresentar ação judicial imediata para barrar essa situação, porque administrativamente a empresa não se propõe a acordos e está decidida a demitir”, frisou.

Após o anúncio por parte da Eletrobras, uma funcionária que está na lista dos demitidos procurou a Folha para criticar a postura da empresa. “Eles querem diminuir o pessoal dizendo que é alto o custo, mas se fosse alto, não fariam contrato com a usina do Monte Cristo, que custa quase R$ 11 milhões por mês e nem dariam altos salários aos de fora”, reclamou.

ELETROBRAS – A Folha enviou demanda para a Eletrobras Distribuição Roraima, para saber o motivo da demissão em massa dos servidores. Em nota, a empresa se limitou a responder que a questão é um assunto interno que está sendo discutido. (L.G.C)

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!