ALIMENTAÇÃO
Energéticos são mais perigosos que outras bebidas cafeinadas
O excesso desse produto prejudica o coração — e não adianta botar a culpa só na cafeína
Por Folha Web
Em 10/05/2017 às 00:13
Foto: Divulgação

Na base do exército americano onde trabalha, a farmacêutica Emily Fletcher notou que boa parte dos militares consome energéticos com frequência. De olho nisso, resolveu analisar o impacto da ingestão excessiva dessa bebida no coração. E mais: verificar se a altíssima concentração de cafeína era a única responsável por eventuais problemas.

Para a pesquisa, 18 jovens saudáveis foram recrutados e divididos em duas turmas. Os integrantes do primeiro grupo tomaram cerca de 950 mililitros (ml) do produto por dia, equivalente a 320 miligramas (mg) de cafeína e 108 gramas de açúcar. Aos demais, foi oferecida outra bebida com as mesmas 320 mg de cafeína — mas com 40 ml de suco de limão e 140 ml de xarope de cereja misturados em água com gás.

Em seguida, os voluntários passaram por um eletrocardiograma e tiveram a pressão arterial avaliada uma, duas, quatro, seis e 24 horas depois de engolirem suas respectivas doses. Não deu outra: a pressão de todo mundo subiu, mesmo permanecendo no padrão considerado seguro.

No entanto, quem ingeriu o energético apresentou um intervalo QT (tempo que o coração leva para realizar os batimentos) 10 mil segundos mais alto em comparação a outra turma. E daí? Essa diferença aumenta o risco de arritmia, por exemplo. O tempo necessário para o organismo se recuperar também foi maior no primeiro grupo.

Na opinião de Emily e sua equipe, o resultado da experiência mostra que outros componentes da bebida — substâncias energizantes e estimulantes como o guaraná e o ginseng — demandam maior atenção, sobretudo entre quem tem doenças cardiovasculares. A especialista ressalta que novos trabalhos precisam ser feitos, com um número maior de participantes, para confirmar essa relação. Entretanto, as evidências até o momento deixam claro que as latinhas de energético (com tudo o que carregam) devem ser incorporadas com bastante moderação no dia a dia.

Cafeína

A cafeína é classificada pela bioquímica como um alcalóide do grupo das xantinas trimetiladas e encontrada em aproximadamente 60 tipos de plantas como as folhas de diversos chás, noz de cola (Cola acuminata), frutos do guaraná (Paullinia cupana), grãos de café (Coffea arabica) e no cacau (Theobroma cacao). A cafeína atua nas plantas como pesticidas naturais protegendo-as de insetos que se alimentam destas plantas.

A capacidade da cafeína de potencialização do estado de alerta e a atenção prolongada está mais do que comprovada por estudos, porém alguns indivíduos relatam a ausência desses efeitos em seus organismos. Isso se dá por conta de variações nas taxas de metabolização da cafeína pelo fígado.

Fonte: Saúde Abril

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!