18 DE MAIO
Estudantes de psicologia fazem ato contra instituições manicomiais
Gostei (0) Não gostei (0)
Ação ocorre para lembrar Dia Nacional de Luta Antimanicomial. Evento terá apresentações culturais
Por Folha Web
Em 17/05/2017 às 00:10
Foto: Divulgação

Para debater sobre o assunto e conscientizar a população sobre o problema de saúde pública, o Centro Acadêmico de Psicologia da UFRR em parceria com os CAPS (II, III e AD) e outros colaboradores estão organizando mesa de debate, Fórum de Saúde Mental e um ato público no Parque Anauá nesta quinta-feira, (18).

Evento lembra o Dia da Luta Antimanicomial. O movimento nacional luta pela substituição de hospitais psiquiátricos por serviços de atendimentos abertos e que envolvam a família e a comunidade de um modo geral.

Na quinta-feira, (18) das 8h às 12h, no auditório Alexandre Borges, os debates vão girar em torno da saúde mental e como lutar por mais atendimento abertos. O tema em questão será o cuidado em redes: perspectivas e problematizações. A mesa será composta por representantes e usuários da Rede CAPS, comunidade acadêmica e do psiquiatra do HGR (Hospital Geral de Roraima), Christiano Caldas Nery Alves.

A partir das 15h, no Parque Anauá, o ato público terá apresentações de bandas, dança do parixara, capoeira, oficinas de pintura, exposição de telas, desenhos, artesanatos, e intervenção do público com microfone aberto.

De acordo com a acadêmica de Psicologia, Tamires Barros, os dois eventos são abertos e gratuitos para todos os coletivos de resistência e pessoas interessadas em compor a resistência.

“Queremos também reforçar a bandeira nacional que é lutar pelo rompimento de todas as formas de opressão e práticas manicomiais que estão presentes em nossa sociedade e ir além das instituições”, ressaltou Tamires.

Em relação aos debates pela manhã, a proposta, conforme a acadêmica, é pensar a saúde mental dentro das redes de cuidado, criando um espaço para entender o funcionamento e melhorar a comunicação.

“Precisamos pensar as articulações. Os CAPS têm como eixo um funcionamento em redes e sobre isto, que estaremos tratando de que forma tem funcionado essa rede de cuidados. Para isso, estará compondo a mesa funcionários e usuário para que digam como estão e o que precisam ainda repensar na política pública de saúde”, reforçou.

FÓRUM SAÚDE MENTAL – Na sexta-feira, dia 19, das 8h às 12h, no auditório do Colégio de aplicação da UFRR, acontece o II Fórum de Saúde Mental da UFRR. Representantes dos professores e dos alunos estarão presentes para pensarmos a saúde mental, mas no âmbito da UFRR.

“A ideia é que possamos nos expressar, protestar, dialogar, conhecer, divulgar e principalmente enfatizar que as nossas loucuras não podem ser combatidas com prisão! Não aos manicômios e toda forma de opressão e reprodução da lógica manicomial”, finalizou.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!