EXPOFERR
Femarh já doou mais de mil mudas durante o evento
Visitantes podem procurar o estande da Femarh, das 16h às 22h, e levar sua muda para casa
Por Folha Web
Em 12/10/2017 às 20:00
(Texto e fotos: CÍNTIA SCHULZE)

Com foco na preservação ambiental e recuperação de áreas degradadas, a Femarh (Fundação Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos) já entregou mais de mil mudas de plantas, das variedades nativas, frutíferas, ornamentais e madeiráveis, ao público que tem frequentado a 40ª edição da Expoferr (Exposição Feira Agropecuária de Roraima), que prossegue até o próximo domingo, 15, no Parque de Exposições Dandãezinho.

Os interessados podem procurar o estande da Femarh na Feira, das 16h às 22h, e levar sua muda para casa.
A roraimense Mayra Dias foi uma das visitantes do estande da Femarh. Ela recebeu muda de ipê rosa e aprovou a ação. “Muito boa a iniciativa do Governo do Estado, através da Femarh, em disponibilizar estas mudas à população”, disse.

Outra visitante do estande foi a comerciante Maria do Rosário Silva, que saiu feliz com duas mudas de figueira branca para arborizar seu quintal. “A Femarh está de parabéns pelo trabalho na disponibilização dessas mudas à população. Essas vão trazer uma sombra para o meu quintal quando crescerem”, destacou.

As mudas são produzidas no Viveiro Agroflorestal Claudio Delai, localizado na Usina Termelétrica Oliveira, região de Monte Cristo, zona rural de Boa Vista. O Viveiro, que tem capacidade de produção é de mais de um milhão de mudas, é fruto de uma compensação ambiental, definida em acordo entre a Femarh e a Termelétrica para construção da unidade, que fornece energia ao Estado.

Segundo o presidente da Femarh, Gilberto Uemura, são cultivadas dezenas de espécies nativas, frutíferas, ornamentais e madeiráveis no local. As mudas são distribuídas para a população em eventos, como a Expoferr, e também para recuperação de Áreas de Preservação Permanente, Áreas de Reserva Legal e para produtores da agricultura familiar, a fim de apoiar o setor gerando renda.

“Toda atividade gera impacto ambiental. Alguns são possíveis sanar, mas os que não são possíveis tentamos diminuir com a compensação ambiental, trabalho desenvolvido através do Viveiro hoje. Para ter acesso às mudas em maior quantidade, é preciso que o produtor procure o Setor de Agricultura Familiar da Fundação e faça um requerimento, que será analisado em estudo pelos agrônomos. Após a conclusão da análise do pedido, se a resposta for positiva, as mudas são liberadas para doação ao interessado”, enfatizou.

No local, são produzidas atualmente mudas de maracujá, açaí, caju, ipê, figueira branca, andiroba, cupuaçu e copaíba, dentre outras.

COMPENSAÇÃO AMBIENTAL – Compensação ambiental ocorre quando a empresa faz algum trabalho que envolve o meio ambiente, como forma de compensar os impactos causados pela ação. No caso do Viveiro Agroflorestal Cláudio Delai, a compensação foi uma exigência da Femarh para liberar o Licenciamento Ambiental da usina termelétrica.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!