ENERGIA ELÉTRICA
Funcionários da Eletrobras paralisam em protesto a privatização
Gostei (1) Não gostei (1)
Ao contrário do que divulga o governo federal, os funcionários da Eletrobras afirmam que haverá aumento na conta da energia com a privatização
Por Folha Web
Em 16/04/2018 às 10:57
Servidores protestam contra decisão do Governo de privatizar a empresa (Foto: Nilzete Franco)

Cerca de 150 funcionários da Boa Vista Energia paralisaram suas atividades, na manhã desta segunda-feira (16), em protesto as tratativas do governo federal para privatizar seis distribuidoras da Eletrobrás das regiões Norte e Nordeste.

Além da Boa Vista Energia, funcionários da Eletrobras de todo país pararam para protestar contra o leilão das distribuidoras que está prestes a ser lançado edital de venda. Estão na lista da privatização as distribuidoras de Roraima, Amazonas, Rondônia, Acre, Alagoas e Piauí. O lance inicial será de R$ 50 mil para cada distribuidoras.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas do Estado de Roraima (Stiurr), Gissélio Cunha Costa, afirma que ao contrário do que o governo tem divulgado, a privatização trará um aumento na conta de energia, além uma demissão em massa de servidores.

Em Roraima, segundo ele, são 353 empregados concursados da Eletrobras, mais 55 funcionários atuando em cooperação técnica, e mais o pessoal que é serviço terceirizado.
“Um dos efeitos que queremos reforçar para a população é questão da conta de luz que vai aumentar, por conta do custo operacional. A gente sabe que as áreas com baixa densidade demográfica ou onde o pessoal tem baixa, por ser empresa pública, os custos são subsidiados pelo governo federal. Então se virar da iniciativa privada ela não vai investir nessas áreas em função do retorno financeiro”, explica Cunha.

Ele informou ainda que após a divulgação do edital do leilão, a previsão do governo é que dentro de 45 dias deve acontecer a privatização. “Se houver mais avanços na negociação para a privatização do sistema elétrico no Norte e Nordeste, vai haver greve por tempo indeterminado”, informou.

Com informações do repórter Minervaldo Lopes

GISSELIO disse: Em 17/04/2018 às 11:45:08

"Lamenta-se pela ausência de compromisso do Governo e de alguns políticos do Estado de Roraima que, por interesses desalinhados do interesse coletivo... Roraima é o único Estado da Federação com sistema energético isolado do restante do País. A privatização não custará apenas a demissão direta de mais de 1000 pais e mães de famílias das Empresas do setor energético de Roraima (CERR e EDRR); A privatização não atingirá diretamente apenas umas 5000 pessoas (empregados e seus respectivos dependentes); A privatização também pode ter como consequência no sistema isolado de Roraima: ?aumento do contingente de mendigos diante da crise socioeconômica que vive o Estado de Roraima; ?diversos municípios e vilas serão abandonados pela iniciativa privada em função do alto custo operacional e baixa arrecadação (e que atualmente conta com subsídio na tarifa). ?diversos segmentos produtivos que dependem de energia elétrica como essencial, podem ser afetados por ausência da disponibilidade de energia elétrica nas áreas mais afastadas dos grandes centros urbanos ou pelo elevado custo da tarifa em função da inclusão dos custos operacionais do setor energético privado num sistema isolado. Diante do exposto, torço pela manutenção pública da ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO RORAIMA e que o mais breve possível o Governo cumpra a sua responsabilidade quanto à interligação de Roraima ao Sistema Interligado Nacional -SIN. Att, Gisselio Cunha Costa Economista e Presidente do STIU/RR "

Meirivan disse: Em 16/04/2018 às 13:04:37

"Não é justo estudar para fazer um concurso, passar e depois ver seu esforço e sonho escorrer pelo ralo, seu sonho da estabilidade financeira especialmente na esfera federal.É fácil falar quando não somos nós e nossos empregos e famílias que estão em jogo!! "

Rio Branco disse: Em 16/04/2018 às 11:24:44

"Tem que privatizar mesmo este cabide de emprego, curral eleitoral que está com um débito de mais de 800 milhões, os profissionais realmente capacitados, não ficarão desempregados, pois serão contratados pela empresa privada."

GISSELIO disse: Em 17/04/2018 às 11:35:39

"Um posicionamento equivocado e infeliz para não dizer irracional ou de má-fé. És pau-mandado de algum político que conspira contra o patrimônio público? IDENTIFIQUE-SE!!! Att, Gisselio Cunha Costa Presidente do Sindicato dos Urbanitários de Roraima - STIU/RR Economista Analista financeiro da Eletrobras Distribuição Roraima (concursado) Membro do Conselho Regional de Economia de Roraima ? CORECON/RR Conselheiro representante dos empregados no Conselho de Administração da EDRR (2015-2017) "