PRIMEIRO ESCALÃO
Governadora troca comando da Sefaz
Gostei (33) Não gostei (2465)
Para o lugar de Ronaldo Marcílio, foi nomeada a então secretária-adjunta do Tesouro Estadual, Aline Karla Oliveira
Por Paola Carvalho
Em 10/01/2018 às 01:08
Ronaldo Marcílio estava à frente da Secretaria da Fazenda desde novembro de 2016 (Foto: Arquivo/Folha)

Governo do Estado definiu grandes alterações na estrutura organizacional da administração pública. A principal delas foi a exoneração de Ronaldo Marcílio e nomeação de Aline Karla Lira de Oliveira para a Secretaria estadual da Fazenda (Sefaz).

Segundo o decreto nº 1314-P, de 29 de dezembro de 2017, o titular foi exonerado do cargo e em seu lugar foi nomeada a então secretária-adjunta do Tesouro Estadual, Aline Karla Lira de Oliveira. Para assumir o posto de adjunto do Tesouro Estadual foi designado Valdeildo Menezes, que até então ocupava o cargo de Chefe de Divisão de Dívida Pública da Sefaz.

Ronaldo Marcílio, servidor efetivo da Justiça Federal, respondia pela Sefaz desde novembro de 2016 e já atuou na presidência do Instituto de Previdência (Iper), na Secretaria Municipal de Planejamento e pela Superintendência do Banco do Brasil.

Até o momento, Marcílio não foi realocado em outra pasta do poder Executivo estadual. A Folha também tentou entrar em contato com o mesmo para obter informações sobre a exoneração, porém não conseguiu retorno até o fechamento da matéria.

GESTÃO INTERNACIONAL – Conforme já anunciado pela Folha, o titular da Secretaria de Estado Extraordinária de Gestão Internacional (Seegi), Rondinele Tambasa (PTN) foi exonerado do cargo a pedido e retornou às suas atividades como vereador na Câmara Municipal desde 5 de janeiro deste ano. A secretária-adjunta da Seegi, Verônica Caro, assumiu o posto de titular da pasta e, em seu lugar, foi nomeada Maria de Fátima Araújo como adjunta.

AJUSTES – Questionado sobre as mudanças, o Governo do Estado informou que “se deram por ajuste técnico de rotina”. (P.C.)

Flavia Bitte disse: Em 10/01/2018 às 08:08:06

"É um troca troca que nada resolve! O que deve ser trocado é esse governo de gestão incompetente. Não há 1 secretário ou adjunto que se salve. Todos puxas sacos, sem voz e sem a menos capacidade de gerir!"

Mohammed Pataxó disse: Em 10/01/2018 às 01:34:46

"O orgão que mais arrecada no estado tem um probleminha crônico: apadrinhamento! Aê troca 6 por meia dúzia. "