NO HGR
Homem atira no braço para ser atendido em hospital
Não querendo esperar atendimento, suposto agente disparou contra si mesmo para ser atendido mais rapidamente
Por Folha Web
Em 17/05/2017 às 21:30
(Foto: Divulgação)

Um suposto policial civil atirou no próprio braço, após se aborrecer com a demora do atendimento do trauma do Hospital Geral de Roraima (HGR).

Testemunhas contaram que o suposto policial chegou ao local sentindo fortes dores no braço e quis ser atendido de imediato, mas teve o pedido negado.

Segundo a testemunha, o homem ainda questionou na recepção: “E se eu forçar o atendimento dando um tiro no meu braço?".

Quando recebeu a resposta que teria que entrar pelo Pronto Atendimento e aguardar sua vez na fila, ele caminhou até perto de uma guarita que fica no local, sacou uma arma de fogo, encostou o braço no muro e "após o disparo retornou para o atendimento todo ensangüentado”, contou a testemunha.

Depois do episódio, o cidadão foi atendido rapidamente pelo trauma do hospital.

A reportagem solictou mais informações junto a Assessoria de Comunicação do Governo de Roraima (Secom-RR) que explicou que o HGR (Hospital Geral de Roraima) segue o que normatiza a Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS (Sistema Único de Saúde), com acolhimento e classificação de risco por cores.

As cores variam de acordo com a necessidade do atendimento, onde, o vermelho, por exemplo, identifica atendimento imediato e o azul, de menor urgência. 
 
Contudo, para se definir a cor da pulseira que vai identificar o atendimento, o paciente passa por uma triagem feita pela equipe de enfermagem de plantão, seguindo critérios e normas.
 
"A Sesau lamenta o caso ocorrido na noite desta quarta-feira, 17, no HGR e adianta que o caso será devidamente apurado." concluiu a nota.

Confira o áudio da testemunha:

Comentários
Anselmo Almeida disse: Em 18/05/2017 às 22:37:52

"Infelizmente esse é o plano de saúde que temos. Com os impostos mas altos do mundo. Parabéns pra nós servos ignorante. "

???? disse: Em 18/05/2017 às 14:11:32

"Se a moda pega!"

Adailton Rodrigues disse: Em 18/05/2017 às 09:43:37

"A pessoa para chegar a tomar uma atitude dessas deve estar desesperadamente necessitando de um bom acompanhamento psicológico. Ninguém estando gozando de perfeita saúde atentados contra sua própria integridade física."

Paula Tejando disse: Em 18/05/2017 às 00:40:15

"Alô, Corregedoria da Polícia Civil!!!!!!!"