IML
Instituto de Criminalística pode colocar rabecão no sul do Estado
O rabecão atenderia as demandas de retiradas de corpos de vítimas de acidentes de trânsito daquela região, demanda específica que representa cerca de 90% dos casos solicitados
Por Folha Web
Em 07/08/2017 às 17:00
Sobre o caso específico do motociclista, o Instituto de Criminalística e o Instituto Médico Legal da Polícia Civil de Roraima explicaram que foram acionados pela manhã, às 7h (Foto: Divulgação)

Após denúncia de moradores de São João da Baliza que o corpo de um rapaz morto em acidente de moto ficou mais de cinco horas esperando remoção, a Sesp (Secretaria Estadual de Segurança Pública) estuda a possibilidade de dispor de um rabecão no município de Rorainópolis.

O rabecão atenderia as demandas de retiradas de corpos de vítimas de acidentes de trânsito daquela região, demanda específica que representa cerca de 90% dos casos solicitados.

“Vale ressaltar que somente os corpos vitimas de acidente de transito poderão ser retirados antes da realização da perícia do local. Outras mortes violentas precisam aguardar demais procedimentos. ”

Sobre o caso específico do motociclista, o Instituto de Criminalística e o Instituto Médico Legal da Polícia Civil de Roraima explicaram que foram acionados pela manhã, às 7h.

“Após a comunicação dos fatos pelas autoridades policiais, os peritos acionados se deslocaram prontamente para realizar os procedimentos e liberar o corpo para autópsia no IML, chegando ao local as 11h55”.

Segundo os peritos, a demora se deu devido à distância entre a capital e o município de São João da Baliza, que fica a quase 300 quilômetros de Boa Vista.

“É importante levar em consideração o tempo de deslocamento do esquife da Criminalística e do IML ao local, contando com toda a minúcia do caso. Havia também outros casos no interior”

Segundo a Segurança Pública, com a autorização da realização do concurso público a estrutura da Polícia Civil deve contar com mais profissionais da área de Polícia Técnica, como peritos e médicos legistas.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!