“50”
Jaime Brasil e Márcio Paixão Jr. lançam livro de xilogravuras
A obra é composta por um dos últimos ateliês tipográficos em funcionamento no Brasil
Por Folha Web
Em 03/08/2017 às 00:29
50: duas poéticas que caminham de mãos dadas: os versos de Jaime Brasil e os traços de Márcio Paixão Jr. (Foto Divulgação)

“50” é um livro que nasce raro. Composto tipograficamente em Linotipo e impresso em uma Original Heidelberg Cylinder, imagens geradas a partir de matrizes entalhadas em madeira, a obra tem tiragem limitada de 300 exemplares e faz o encontro da poesia de Jaime Brasil com as xilogravuras de Márcio Jr.
 
Mas, atenção. “50” não é um livro de haicais ilustrados, é um livro de duas poéticas que caminham de mãos dadas: os versos de Jaime Brasil e os traços de Márcio Paixão Jr.
 
Com prefácio do Professor Antón Corbacho Quintela, presidente do Conselho Editorial da Impressa Universitária/CEGRAF da UFG, “50” carrega no título uma homenagem. Há exatos 50 anos, a Imprensa Universitária/CEGRAF publicava seu primeiro, e até agora único, livro de haicais: “Borboletas Brancas”, escrito pelo poeta Monsenhor Primo Vieira e com capa em xilografia pela artista plástica Maria Guilhermina.
 
“A publicação do segundo livro de haicais da editora não poderia passar despercebida. Então decidimos, junto com os autores, marcar esse meio século de intervalo no próprio título”, afirma Antón.
 
Nestes tempos em que o mundo parece cada vez mais tomar o caminho virtual, “50” navega pelos prazeres esquecidos da artesania material. Tato, texturas, cheiro, sensações que só o velho e bom papel ainda é capaz de trazer aos leitores.
 
O lançamento em Goiânia integra o circuito 2017 de apresentação do livro ao mercado. “50” já foi lançado em São Paulo durante o Ugra Fest – um dos principais eventos de quadrinhos e publicações independentes do Brasil, e em Brasília, pela feira Raio Laser – produzida por um dos mais importantes sites sobre quadrinhos do país.
 
Jaime Brasil

Nasceu em Boa Vista, Roraima, em 1971. Defensor Público, é graduado em Direito pela UFG. Militante político e ambientalista, foi presidente do DCE/UFG em 1992; criou e foi o primeiro presidente da Comissão de Meio Ambiente da OAB/RR. Articulista do jornal Folha de Boa Vista há 10 anos, lançou em 2014 o livro de antipoemas “Não” pela Editora da Casa de Santa Catarina. Participou da coletânea de poemas que se intitulou 70 Poemas para Adorno, compilado por Vítor Sousa e lançado no Festival Literário da Madeira, na Ilha da Madeira/ Portugal. Publicou inúmeros poemas em blogs, a exemplo do blog coordenado pela editora Nega Lilu de Goiânia.
 
Márcio Paixão

Nasceu em Goiânia, em 1972. Produtor cultural, Mestre em Comunicação pela UnB e doutorando em Arte e Cultura Visual pela UFG, foi sócio-fundador da Monstro Discos, MMarte Produções e Escola Goiana de Desenho Animado. Criou o Goiânia Noise Festival e a TRASH – Mostra Internacional de Cinema Fantástico. Dirigiu “O Ogro” e “Rascunho da Bíblia” e produziu “Faroeste: um autêntico western”, entre outras animações. Editou as revistas Into, Voodoo! e Macaco. Desde 2007 realiza o Dia Internacional da Animação em Goiânia. Lançou, em 2015, o livro “COMICZZZT!: Rock e quadrinhos - possibilidades de interface”. Quadrinista bissexto, é também vocalista da banda Mechanics.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!