PRIVATIZAÇÃO
Justiça suspende leilão da Eletrobras
Leilão estava marcado para o dia 26 de julho; Funcionários das seis distribuidoras a serem leiloadas, incluindo a de Roraima, paralisarão na terça
Por Folha Web
Em 13/07/2018 às 01:25
Dentre as seis distribuidoras a ser leiloadas, está a de Roraima (Foto: Nilzete Franco)

A Justiça Federal no Rio de Janeiro suspendeu o leilão das seis distribuidoras da Eletrobras, incluindo a de Roraima. Em seu despacho, a juíza Maria do Carmo Freitas Ribeiro citou a liminar concedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que proibiu a privatização de empresas públicas, sociedades de economia mista, subsidiárias e controladas sem aval do Congresso.

A Advocacia-Geral da União (AGU) informou que vai recorrer da decisão judicial que suspendeu o leilão das seis distribuidoras da Eletrobrás, que atuam no Acre, Roraima, Rondônia, Amazonas, Alagoas e Piauí. O leilão estava marcado para o dia 26 de julho.

Lideranças sindicais de Roraima têm viajado à Brasília todas as semanas para buscar apoio político. Nesta semana, foi aprovado na Câmara Federal o Projeto de Lei nº 10.332/18, que viabiliza a privatização das distribuidoras. E agora os sindicalistas tentam reverter a situação no Senado Federal.

Outra forma de chamar atenção para a situação é uma nova paralisação nacional de 24horas que os funcionários estão organizando para ocorrer na terça-feira, dia 17. De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Urbanitários de Roraima (STIU-RR), Gissélio Cunha, caso o projeto seja aprovado no Senado Federal, os funcionários irão organizar outras paralisações.

Entre as reivindicações dos funcionários, está também o pedido para saída do presidente da estatal, Wilson Ferreira Júnior, e a possível suspensão de pagamentos de Participações no Lucro e Resultados (PLR) deste ano. “Aqui nós não estamos preocupados com a questão de pagamento, o grande ponto da questão é a privatização. O presidente [Wilson Ferreira Júnior] era para ter saído há muito tempo, ele já cometeu bastantes erros, inclusive tem até ações na Justiça contra ele”, afirmou o presidente do sindicato.

Gissélio esclareceu também que os senadores estão fazendo o possível para que o projeto seja votado antes do recesso parlamentar, que acontece dia 18. Segundo ele, caso o projeto não seja votado, o leilão não será atrativo para os possíveis compradores e acreditam que, dessa forma, o leilão pode ser cancelado. “Nossa ideia é segurar o Projeto de Lei até as eleições, para que o novo presidente desista da ideia de privatizar a empresa. Com isso vamos continuar mandando representantes para Brasília e fazer pressão para que não votem”, completou.

POSSÍVEL MULTA – Em junho, funcionários deflagraram uma paralisação nacional de 72h, mas a Eletrobras entrou com uma ação para determinar a manifestação ilegal, porém a Justiça do Trabalho permitiu o ato somente se 75% dos funcionários mantivessem os serviços essenciais funcionando. Caso o número de empregados paralisados fosse superior a 25%, haveria a aplicação de multa diária no valor de R$ 100 mil. Após perceber a grande adesão dos funcionários, os sindicatos decidiram suspender a paralisação por receio da cobrança.

Por aqui, o presidente do STIU-RR afirmou que o Sindicato foi multado e tenta recorrer até o momento da aplicação da multa pelo dia paralisado. Com a nova possibilidade de paralisação na semana que vem, Gissélio afirma que já é esperado que a Eletrobras faça a mesma manobra para tentar evitar a mobilização. (A.P.L)

Luiz Almeida disse: Em 13/07/2018 às 14:29:12

"Vamos desmistificar algumas coisas. A nossa tarifa e uma das mais baratas do país. Dentre as 94 empresas listadas pela ANEEL http://www.aneel.gov.br/ranking-das-tarifas a distribuidora de RR aparece como a 14a tarifa mais barata. 31% mais cara que a nossa e a tarifa praticada pela CELPA no Para. CELPA e a distribuidora pertencente ao grupo Equatorial, que aparece na mídia como sendo a forte candidata a comprar as empresas da regiao Norte. http://www.gsnoticias.com.br/noticia-detalhe/gestao-e-trabalho/empresas-eletricas-ja-se-movimentam-leilao-distri#.W0eEJXvcOBY.whatsapp Uma nova distribuidora não vai melhorar a qualidade da nossa energia. O maior problema do nosso sistema é de geração e transmissão, não de distribuição. Precisamos ser interligados ao sistema nacional e acabar com a dependência da Venezuela. Mas quem faz esse trabalho NÃO é a distribuidora, mas empresas responsáveis pela TRANSMISSAO da energia. No nosso caso a ELETRONORTE que é uma empresa diferente da Eletrobras Distribuição, iniciou os trabalhos mas foi impedida de finalizar por uma decisão judicial, que até agora permanece vigente. Assim, uma privatização agora elevaria as tarifas sem melhorar a qualidade que tanto desejamos. Para mim não parece um bom negócio. "

GISSELIO disse: Em 13/07/2018 às 13:45:14

"Lamenta-se pela ausência de compromisso do Governo e de alguns políticos do Estado de Roraima que, por interesses desalinhados do interesse coletivo... Roraima é o único Estado da Federação com sistema energético isolado do restante do País. A privatização não custará apenas a demissão direta de mais de 1000 pais e mães de famílias das Empresas do setor energético de Roraima (CERR e EDRR); A privatização não atingirá diretamente apenas umas 5000 pessoas (empregados e seus respectivos dependentes); A privatização também pode ter como consequência no sistema isolado de Roraima: aumento do contingente de mendigos diante da crise socioeconômica que vive o Estado de Roraima; diversos municípios e vilas serão abandonados pela iniciativa privada em função do alto custo operacional e baixa arrecadação (e que atualmente conta com subsídio na tarifa); diversos segmentos produtivos que dependem de energia elétrica como essencial, podem ser afetados por ausência da disponibilidade de energia elétrica nas áreas mais afastadas dos grandes centros urbanos ou pelo elevado custo da tarifa em função da inclusão dos custos operacionais do setor energético privado num sistema isolado. Diante do exposto, torço pela manutenção pública da ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO RORAIMA e que o mais breve possível o Governo cumpra a sua responsabilidade quanto à interligação de Roraima ao Sistema Interligado Nacional ?SIN, medida que pode atrair investidores ao Estado de Roraima mediante um sistema elétrico de qualidade e confiável. Att, Gisselio Cunha Costa - Presidente do STIU/RR - Economista concursado da Eletrobras Distribuição Roraima - EDRR - ex-Conselheiro representante dos empregados no Conselho de Administração da EDRR "

Pablo disse: Em 13/07/2018 às 08:26:02

"Privatização já!!!! Essa empresa na mão do governo dá essa lambança toda que conhecemos, principalmente aqui no nosso Estado! Energia de pior qualidade e uma das mais caras do País! Tem muito porco mamando e não quer perder a mamata.... Avante Brasil!"

Bruno Lima disse: Em 13/07/2018 às 11:57:47

"Essa empresa tem funcionários concursados que se dedicaram com muito empenho para conseguir seus trabalhos e o governo quer despedi -los acabando com suas carreiras.os que mamam são os indicados pelo governo como testa de ferro e não os concursados que se profissionalizaram na área de elétrica. "