INTERINO
Marcos Jorge assume Ministério da Indústria
Gostei (14) Não gostei (6)
O secretário executivo é do PRB em Roraima e já passou por outras secretarias no governo Temer
Por Folha Web
Em 04/01/2018 às 01:18
Marcos Jorge de Lima não deve continuar no Ministério da Indústria, pois pretende ser candidato nas eleições (Foto: Divulgação)

Após o presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, entregar carta de demissão ao presidente Michel Temer, o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços divulgou nota informando que Marcos Jorge de Lima, que é secretário-executivo do Minc, é quem irá comandar a pasta interinamente até que haja uma definição por parte do Palácio do Planalto.

Antes de sair, Pereira teria indicado Marcos Jorge para ficar interinamente à frente da pasta. No entanto, nem mesmo o próprio secretário executivo estava preparado para a mudança. Marcos Jorge estava em recesso, pois veio para Roraima passar as festas de fim de ano com a família. Nesta quarta-feira, foi convocado às pressas para assumir o posto. Também filiado ao PRB, o ministro interino será candidato nas próximas eleições. Por isso, deve permanecer no máximo até o fim do primeiro trimestre à frente da pasta.

Em entrevista exclusiva à Folha, Marcos Jorge explicou que assumiu o cargo e confirmou que não ficará até o final do governo Temer por conta das eleições 2018. “Ficarei no Ministério até março ou abril de 2018 no máximo, pois no prazo de desincompatibilização estarei em Roraima para ajudar na campanha do meu partido e é possível que eu saia pré-candidato a deputado estadual. Até lá ou até o governo definir quem fica em definitivo, eu ficarei na condição de ministro interino”, disse.

Além do lançamento da pré-candidatura a deputado estadual, Marcos Jorge falou também sobre o PRB e a disputa majoritária. “Meu foco principal é a eleição do partido ao Senado e a disputa majoritária. Vou colocar meu nome à disposição e, se verificar que tenho condição de concorrer, vou concorrer. Mas meu foco é ajudar na campanha dos candidatos do Partido, Mecias e Jhonatan de Jesus”, assegurou.

O ministro elogiou o antecessor e afirmou que ele teve um papel importante na pasta. “Tivemos um período em que havia necessidade de atuação mais forte. Batemos recorde na balança comercial com 66 milhões de dólares de saldo positivo. A atuação do ministro Marcos Pereira foi muito forte nesses meses, um período de muita dedicação. Darei continuidade ao seu trabalho”, frisou.

Marcos Jorge foi o "presidente estadual mais longínquo" do PRB, no cargo em Roraima desde 2007. Possui graduação em Administração Legislativa pela Universidade do Sul de Santa Catarina e mestrado em Administração Pública pela Escola de Administração do Instituto de Direito Público de Brasília.

Dentre outras funções, foi superintendente federal do Ministério da Pesca e Aquicultura, coordenador do Fórum de Gestores Federais da Presidência da República e secretário de Estado da Cultura, todas em Roraima. Foi ainda vice-presidente/Norte do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Cultura e secretário-executivo do Ministério do Esporte. É membro titular do Conselho Fiscal da Agência Especial de Financiamento Industrial (Finame) e membro efetivo do Conselho Fiscal do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Mecias destaca atuação do PRB no fortalecimento econômico do país

"As mudanças estruturais na economia brasileira são o maior legado construído ao longo de um ano e oito meses em que o Partido Republicano Brasileiro esteve muito bem representado no Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Marcos Pereira, sem dúvida alguma, transformou a história da economia do Brasil".

Desta forma, o deputado estadual Mecias de Jesus, presidente regional do PRB/RR, avaliou a saída do ministro Marcos Pereira do primeiro escalão do Governo Federal. Jesus enfatizou o empenho de Pereira para colocar o país nos trilhos no que diz respeito à política de exportação, buscando e fortalecendo parcerias que devolvessem no Brasil seu espaço junto a outros mercados.

Ele destacou ainda os recordes da balança comercial brasileira em 2016 e 2017 que - conforme o próprio ministro pontuou em seu pedido de exoneração - fortaleceu a indústria e, consequentemente, o mercado de trabalho 'gerando emprego e novos investimentos'.

O ministro Marcos Pereira será substituído interinamente pelo também republicano, o secretário executivo do MDIC, Marcos Jorge de Lima, a quem o presidente regional fez questão de enaltecer o trabalho realizado. "Marcos Jorge traz consigo uma bagagem de conhecimento adquirido pelas vezes em que esteve à frente do Ministério de forma interina, ou representando-o em reuniões importantes para a economia brasileira e tenho certeza que ele dará continuidade ao legado de Marcos Pereira", finalizou.

Ex-ministro promete que PRB continuará no governo Temer

Marcos Pereira enviou uma carta ao Presidente da República, Michel Temer, para comunicar o seu afastamento do cargo de ministro por questões pessoais e partidárias. Prometeu, entretanto, que ele e seu partido, o PRB, continuarão comprometidos com as reformas. Marcos Pereira é um dos ministros investigados na Operação Lava-Jato.

“Senhor presidente, agradeço imensamente a confiança e fico lisonjeado pelo convite para continuar no cargo até 31 de dezembro, porém preciso deixar o Ministério para poder me dedicar a questões pessoais e partidárias”, disse o ministro na carta enviada ao presidente Temer. “Eu e meu partido, PRB, apoiamos as reformas e continuaremos apoiando tudo aquilo que for bom para o país”, reforçou.

Não foi apenas a equipe do Ministério da Indústria que foi pega de surpresa com o pedido de demissão do ministro Marcos Pereira, o próprio presidente Michel Temer teria se surpreendido. Na conversa que os dois tiveram nesta quarta-feira, ele teria dito que precisa cuidar do partido porque pretende aumentar o número de senadores e deputados nas próximas eleições.

concurseiro disse: Em 04/01/2018 às 12:37:45

"Mecias tem quase trinta anos que é deputado e nunca fez nada em prol do povo de Roraima. A única coisa que faz é mandar entregar 1 panetone por família em véspera de natal como se estivéssemos morrendo de fome. antes de ser servidor efetivo morei na roça e aprendi a trabalhar desde 7 anos de idade. suma com seu panetone e não me peça voto nunca mais, pois não voto em ninguém mais há algum tempo e aguardo com ansiedade e urgentemente que as forças armadas por ordem nessa bagunça que virou o brasil. cansei da democracia. hurra!!!!!"

concurseiro disse: Em 04/01/2018 às 12:27:22

"não deu conta de gerir decentemente nem a Secult RR rssssssss. Na política tudo pode. credo!. o brasil nunca passará disso, aliás pode ser pior"