OCIOFOBIA
Medo de ficar sem fazer nada pode ser doença
Gostei (0) Não gostei (0)
A doença foi citada pela primeira vez pelo psicólogo espanhol Rafael Sandreu que relatou que pessoas com ociofobia sentem pavor diante da possibilidade de ficarem entediadas
Por Folha Web
Em 14/05/2018 às 07:17
De acordo com o psiquiatra Alberto Iglesias, esta alteração psicológica tem se mostrado cada vez mais comum (Foto: Arquivo Folha)

Ansiedade, angústia e o sentimento de medo só de pensar em ter um dia monótono ou ficar um tempo sem fazer nada. Esses fenômenos podem ser sintomas de uma doença pouco conhecida, a ociofobia, no caso, o medo exagerado do ócio. A doença foi citada pela primeira vez pelo psicólogo espanhol Rafael Sandreu que relatou que pessoas com ociofobia sentem pavor diante da possibilidade de ficarem entediadas.

Essa sensação ocorre quando se passa por um período sem atividades, como ficar esperando, ou passar muito tempo na fila de um supermercado, estar no trânsito ou, até, ao tirar férias, por exemplo.

De acordo com o psiquiatra Alberto Iglesias, esta alteração psicológica tem se mostrado cada vez mais comum, já que as pessoas estão sendo muito expostas a estímulos, principalmente vindos da internet, televisão e videogames, o que acontece mais a cada dia, e cada vez mais cedo ao longo da vida. Nesses casos, os pacientes veem o tempo livre como uma poderosa ameaça.

“O principal sintoma demonstrado é o da ansiedade generalizada. Quando o indivíduo sente pânico em passar por um período de tédio. Geralmente, a pessoa tem o costume de ter um dia atarefado e quando precisa parar um pouco até mesmo para o descanso sente uma preocupação exagerada e apreensiva”, explica o médico que reforça que os sintomas podem ser tratados.

Outra preocupação, é quando a pessoa, por ter o medo de ficar sem fazer nada, inclui nos seus afazeres diários tarefas intensas podendo causar cansaço excessivo e estresse. Além de fazer isso a si mesma, os pacientes podem exigir dos filhos agendas intensas de tarefas e poucos períodos de lazer e descanso.

Segundo o médico, os pacientes se tornam obcecados por trabalhar, mas que na realidade transformam a vida laboral numa fuga de seus reais conflitos interiores.

“O ideal seria desfrutar dos momentos de tédio, dirigir um carro admirando a paisagem, ler um livro sobre coisas banais sem se preocupar em perder tempo. Se a pessoa observa esses sintomas, deve procurar orientação do psiquiatra, pois pode piorar e causar quadros de depressão e síndrome do pânico, por exemplo”, informa.

Sintomas

Os principais sintomas que uma pessoa com ociofobia apresenta são ansiedade, angústia e sensação de medo. A ansiedade pode vir acompanhada de outros sintomas, como tremedeiras, suor intenso, mãos frias, batimentos cardíacos acelerados, inquietação, cansaço, dificuldade de concentração, irritabilidade, tensão muscular, insônia e enjoo.

Para as pessoas com esse conflito, o ócio é para ser temido, pois estabelece que algo de muito ruim pode acontecer, algo desconhecido, sem precedentes e assustador.

Arnold & Suas Negas disse: Em 14/05/2018 às 15:14:44

"Gostaria muito que esse medo atingisse os Vereadores, Deputados Estaduais, Federais, Senadores, Governadores, Presidentes. Etc."

Fernando disse: Em 21/05/2018 às 08:03:16

"O ruim é que eles não passam por esse problema, tendo em vista que usam todo o tempo para descobrir novas formas de tirar nosso rico dinheirinho."