AVENIDA CAP. JÚLIO BEZERRA
Obras sem planejamento provocam transtornos e prejuízos, diz Sindicon
Na Avenida Capitão Júlio Bezerra, um conjunto de obras referentes a três projetos começou a ser executado há um ano
Por Folha Web
Em 20/09/2017 às 01:00
Obra de ciclovia teve que ser paralisada para que drenagem seja feita (Foto: Nilziane Franco)

 

A falta de planejamento na execução de três projetos de infraestrutura na Avenida Capitão Júlio Bezerra, que liga o Centro às zonas leste e norte da Capital, tem sido questionada por moradores, condutores de veículos e empresários. Trata-se da construção da ciclovia, do asfaltamento e drenagem, obras que geraram despesas consideradas desnecessárias aos cofres públicos, além de transtorno à população e prejuízos a comerciantes. A execução das obras já dura aproximadamente um ano.

Segundo o empresário Luiz Brito, presidente do Sindicato da Indústria de Construção de Estradas, Terraplenagem e Obras do Estado de Roraima (Sindicon-RR), a origem desse prejuízo está no cronograma dos estudos e das obras, ações que foram e estão sendo realizadas sem nenhum tipo de planejamento. Para realizar obras de drenagem, foi necessário paralisar a construção da ciclovia.

“Não se coloca asfalto em uma avenida para depois drená-la. É uma questão lógica, é notável, sem muito esforço, ver o gasto de dinheiro desnecessário. Como você faz asfalto se meses à frente vai fazer drenagem? O prejuízo fica para os cofres públicos e, consequentemente, para a população que paga seus impostos para ter bem-estar”, afirmou o empresário.

Ele comentou que a demora na execução das obras é consequência da irresponsabilidade das empresas ganhadoras das licitações que não cumprem o contrato com afinco que deveriam, o que causa transtornos. “Quem ganha a licitação geralmente é a empresa de fora, sem compromisso, que não está nem aí para o desenvolvimento da cidade, muito menos para o dinheiro da população”, complementou.

Uma moradora da avenida disse à Folha que, apesar de residir naquele setor da cidade, evita trafegar de automóvel para casa por conta das obras, pois, além de perder tempo, aumenta o risco de acidentes. “Eu evito trafegar pela Júlio Bezerra, apesar de morar nela. É muito complicado conviver com essas obras que se estendem há cerca de um ano, além de o risco de acidente ficar maior”, salientou.

Segundo o microempresário Milanum Júnior, proprietário de salão de beleza, as obras dificultam o acesso dos clientes ao estabelecimento. Ele disse que, anteriormente, atendia diariamente dez pessoas, no mínimo. Com o início das obras, o máximo que ele consegue são três, o que significa um prejuízo considerável. “Meu rendimento caiu muito. Antes eu faturava bastante, atendia várias pessoas por dia. Não tenho como calcular o valor de prejuízo que já tive”.

PREFEITURA – A Secretaria Municipal de Obras informou que as chuvas dos últimos dias prejudicaram o andamento dos trabalhos, mas frisou que a obra na Avenida Capitão Júlio Bezerra está em plena execução. “A obra foi feita por etapas, primeiramente no sentido Centro-bairro, e agora no sentido contrário, para que só um dos lados da via ficasse interrompido, justamente para não prejudicar por completo o movimento na avenida”, frisou.

Conforme a prefeitura, a obra contempla a implantação da rede de drenagem e outros serviços como meio-fio, sarjetas e recomposição asfáltica em diversas ruas e avenidas dos bairros Aparecida, Paraviana e Caçari. No total, cerca de 50 ruas e avenidas receberão os serviços.

Com relação à obra da ciclovia, destacou que se trata de dois convênios diferentes, um que executa a obra de drenagem e outro do projeto de mobilidade urbana, que foi paralisado antes da conclusão da ciclovia justamente para que não houvesse dano à estrutura da mesma. “Assim que a drenagem terminar, a ciclovia será concluída”, informou.

A Prefeitura frisou que trabalha com planejamento, procurando adequar o cronograma de uma obra a outra, evitando prejuízos e desperdícios. “Infelizmente, os convênios não são celebrados na mesma época, fazendo com que uma obra tenha que aguardar a outra ser concluída para ser finalizada. A Prefeitura pede a paciência da população e reforça que em obras desse porte os transtornos são inevitáveis, mas logo os benefícios ficarão”.(E.S)

ESTAMOS DE OLHO RR disse: Em 20/09/2017 às 10:30:57

"Todas as obras feitas na capital que envolve avenidas movimentadas parecem que são feitas sem planejamento minimo, isso já é fato, aqui em boa vista interditam avenidas principais de auto fluxo nos horários de pico para apenas pintar uma faixa ou ate mesmo para uma obra, sendo que esse mesmo serviço poderia ser feito em horários noturnos e no verão evitando transtornos,lama e prejuízos para os comerciantes que dependem desse fluxo diário. Isso poderia ser corrigido ou melhorado. Outra situação é a ações da prefeitura ou governo de tapa buracos, se vão tampar os buracos que façam bem feito, ao invés de tampar um buraco e deixar nivelado com asfalto eles criam um buraco de asfalto ou uma elevação de 5cm em cada buraco tampado, podendo causar acidentes e mais prejuízo para o erário."

Rpd disse: Em 20/09/2017 às 07:55:08

"Vale salientar que a drenagem da Avenida Capitão Júlio Bezerra, será lançada no igarapé Mirandinha, e que o mesmo possui um trecho que não é canalizado, aproximadamente 300mts, que passa dentro do condomínio Alphaville, o qual sofrerá danos de erosão devido a quantidade e volume da agua. "