APOCALIPSE POLÍTICO
Parlamentares avaliam que a crise é grave e pedem renúncia de Temer
Empresário entregou gravação de conversa com Temer sobre a compra do silêncio de Eduardo Cunha
Por Folha Web
Em 19/05/2017 às 01:38
Em sua maioria, políticos da bancada roraimense no Congresso dizem que renúncia é a solução

A crise política acentuada a partir da delação premiada dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, repercutiu em Roraima. Tanto no Estado quanto em Brasília, políticos e outras autoridades roraimenses falaram sobre a gravação em que o presidente Michel Temer (PMDB) pede a compra do silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso na Operação Lava Jato.

O senador Telmário Mota (PTB) disse que a crise é profunda e não descarta a possibilidade de eleições diretas. "O momento é muito grave, gravíssimo, com as denúncias envolvendo o presidente, Legislativo e tudo isso, se não for tomada providências, pode haver convulsão social, o que pode levar o Exército para as ruas. Para não perdermos a democracia, que é o melhor sistema em qualquer situação, é preciso muita cautela. Temer não tem apoio popular, vai perder o apoio do Congresso e do mercado. Fica inviável sem governabilidade. Apoio novas eleições diretas para dar um novo norte ao país”, disse.

A senadora Ângela Portela (PDT) afirmou que as delações foram chocantes, mas não surpreendentes. “A gente já sabia que esse grupo queria estancar a sangria da Lava Jato. É um governo de corruptos, que não hesita em usar o poder do Estado para obstruir a Justiça e comprar o silêncio dos delatores. Lamento ver alguém acabar com sua carreira politica dessa forma, que é o caso do Aécio, e lamento que um procurador da República esteja envolvido nesse lamaçal. A permanência desse governo sempre foi ilegítima e agora é imoral e indecente. Temos que lutar por eleições diretas já", avaliou a senadora.

DEPUTADOS – Deputados federais também manifestaram posição sobre a questão. "Nesse momento, me comporto como parlamentar e cidadão, aguardando o desenrolar dos fatos, não por omissão, mas por acreditar piamente no funcionamento das instituições e por crer que na hora certa e, do modo que a legislação pátria preconiza, a sociedade terá todas as respostas que necessita", disse o deputado Jhonatan de Jesus (PRB).

Já a deputada Sheridan (PSDB) foi enfática quanto à posição de que o presidente Temer deve deixar o mandato. "As denúncias são muito graves e deixaram todos perplexos. Mas quem errou tem que pagar e é hora de passar o Brasil a limpo. Essa crise parece que ninguém consegue enxergar o final. É de muito bom tom que o Brasil se permita conseguir seguir em frente e que o presidente renuncie. Esse governo deve sair, pois prejudica o país. É meu ponto de vista como cidadã e parlamentar", pontuou.

“Eu acho que todos têm o direito ao contraditório, mas o que importa é o país e, se existe uma delação confiável expondo o presidente Temer, ele tem que assumir suas responsabilidades, tem que ser apurado e penalizado na forma da lei, como todos os cidadãos. Não apenas o presidente como o senador Aécio e o membro do Ministério Público Federal. As leis têm que ser respeitadas e temos que penalizar quem faz por onde o país não se desenvolver. Todos são iguais perante a lei", avaliou o deputado Abel Galinha, coordenador da bancada federal.

O deputado Carlos Andrade (PHS) afirma que a crise é muito ruim para o país. "Eu penso que tem que ser apurado, pois a demora na verificação continua abalando a Nação. Instabilidade na economia e na política. Precisamos que seja rapidamente apurado para se chegar a um denominador para o Brasil chegar a um rumo. Essa crise que abala o país é muito ruim", comentou.

O deputado Hiran Gonçalves (PP) disse que o clima é de consternação no Congresso e que a crise é profunda. "Eu estou muito triste, pois na semana em que as notícias pareciam mostrar que o país se recuperava economicamente acontece este problema. Nós estamos dentro do devido processo legal e, como nos países democráticos, é o princípio da ampla defesa e do contraditório que deve ser livre para o cidadão. Eu espero que os envolvidos esclareçam e se defendam. Se forem culpados, que sejam punidos. Se não forem culpados, que sejam absolvidos. A crise é profunda e aqui a gente sente um ambiente de consternação, mas o país é maior que isso. Doa a quem doer, todos devem ser submetidos às leis e a democracia deve ser respeitada e os culpados devem ser punidos", frisou.

Comentários
Damiao disse: Em 19/05/2017 às 17:34:32

"Tem que tirar e todos esses politicos , pois sabem apontar o dedo pro outro mais são da mesma laia. Os projetos dos politico aqui em Roraima e colocar altidor com carinha de anjo."

Flavia Bitte disse: Em 19/05/2017 às 12:41:02

"Só meninos e meninas gente boa pedindo a renúncia do Presidente. Eles também poderiam renunciar né? Fazem nada de útil."

Paulinho disse: Em 19/05/2017 às 11:41:01

"Nas eleições indiretas, será eleito alguém do PMDB ou PSDB. É a mesma coisa que limpar o chão com bost..."

Vigilante_RR disse: Em 19/05/2017 às 10:20:01

"A solução é fechar o congresso...pois, desses deputados aí tem até quem votou contra a cassação de Cunha...então, como acreditar que querem o melhor para o País.."

José Antonio disse: Em 19/05/2017 às 09:51:29

"O PMDB é, e sempre foi um péssimo exemplo lamento em ter dado o meu primeiro voto ao PMDB, que na época era MDB, votei por ser o partido que conhecia como oposição da Arena, mas lamento até hoje pela a minha ingenuidade política na época, observe que o PMDB não que saber de candidatura a presidência, se alia a qualquer um que ganha e fica igual hiena comendo vivo, e trabalhado contra o País, espero que os nossos paramentaras que assim como publicaram na matéria realmente passem a trabalhar em defesa do País independente de grupos políticos pois a situação é grave, sigam o exemplo da Senadora Angela Portela, que em todas as situações adversas sabiamente sobe se posicionar em defeso do Brasil e nunca em interesse próprio ou de grupo. "

José Antonio disse: Em 19/05/2017 às 09:48:33

"O PMDB é, e sempre foi um péssimo exemplo lamento em ter dado o meu primeiro voto ao PMDB, que na época era MDB, votei por ser o partido que conhecia como oposição da Arena, mas lamento até hoje pela a minha ingenuidade política na época, observe que o PMDB não que saber de candidatura a presidência, se alia a qualquer um que ganha e fica igual hiena trabalhando comendo vivo, e trabalhado contra o País, espero que os nossos paramentaras que assim como publicaram na matéria realmente passem a trabalhar em defesa do País independente de grupos políticos pois a situação é grave, sigam o exemplo da Senadora Angela Portela, que em todas as situações adversas sabiamente sobe se posicionar em defeso do Brasil e nunca em interesse próprio ou de grupo. "

Henrique Sérgio Nobre disse: Em 19/05/2017 às 08:44:24

"O remédio é amargo, mas cura: Cortar na consciência o tesão arraigado pela corrupção, pensar mais no povo brasileiro que muito tem sofrido das piores mazelas sociais, aprovar leis mais severas contra o descaso com a coisa pública, punir os que se julgam donos do Brasil, aumentar as penas para os que se corrompem e são corrompidos, tudo isso aliado a investimentos em educação para as futuras gerações construirá uma nação não somente respeitada e admirada pelo povo brasileiro, mas também, pelos outros países."