FRONTEIRA
Pedidos de refúgio no Brasil triplicam em 2017
Venezuela completa 100 dias de protestos
Por Folha Web
Em 10/07/2017 às 23:00
(Foto: Pesquisa por imagem)

Um sotaque espanhol está ganhando as ruas do Rio de Janeiro a cada dia. Vem de venezuelanos, que, fugindo de perseguições políticas— sobretudo imposta pelo ditador Nicolás Maduro— e da crise econômica do país, estão chegando em grande escala à capital carioca em busca de melhores condições de vida.

De acordo com o Comitê Nacional de Refugiados (Conare), do Ministério da Justiça, as solicitações para refúgios por parte de pessoas oriundas da Venezuela quase quintuplicaram neste ano, até maio, liderando o ranking de nacionalidades estrangeiras com essa finalidade.

Enquanto em 2015, o número de refugiados venezuelanos no Brasil não passou de 829, nos cinco primeiros meses deste ano, o total já chegou a 3.971 (em média 794 por mês). Até maio, o índice já tinha superado todo o ano passado, quando 3.375 solicitações (em média 281 por mês) de estadias foram efetuadas. O Conare alega que, como os imigrantes têm livre trânsito, não há como saber quantos vivem atualmente no Rio de Janeiro.

Representantes de venezuelanos, porém, estimam que há uns 300 na cidade. “Só no meu whatsapp tenho 150 conterrâneos na Cidade Maravilhosa”, ressaltou a professora universitária de matemática, Cristina Lizana, de 39 anos, que chegou ao Rio em abril. “A violência ficou incontrolável no meu país”, justifica.

Mas como os venezuelanos estão vivendo no Rio? O DIA conversou com vários deles na útlima semana. A exemplo da Venezuela, os refugiados estão enfrentando dias difíceis na capital fluminense. A maioria mora de aluguel nas zonas Norte e Oeste. Sofrendo com a falta de emprego— muitos trabalham como camelôs— e sem apoio adequado, alguns estão passando até fome.

É o caso do cozinheiro Eudri Gonzales, 41, e do garçon Darwin Lopez, 22. Ambos moram há sete meses na Paróquia São João Batista da Lagoa, em Botafogo, num abrigo nos fundos da igreja, onde a Cáritas, uma das poucas entidades que prestam acolhimento a refugiados, dá assistência a 40 pessoas de várias nacionalidades. Constrangido, Eudri revelou que ele e os demais abrigados só têm recebido café da manhã e almoço.

“Não temos janta. Ficamos com fome à noite”, revela Eudri, que, assim como Darwin, busca emprego nos restaurantes da Zona Sul. “Só recebemos promessas por enquanto”, afirma Darwin.

Cristina conseguiu emprego numa universidade, mas revela que um amigo desistiu do Brasil e foi para o Chile na quinta-feira, após perambular atrás de trabalho no Rio por um ano.

Violência também é o desafio - Se Cristina Lizana alega ter saído do país vizinho por conta da violência, no Rio, os venezuelanos também têm sofrido com o problema. O administrador de empresas, Rosenaldo Pabon, de 27 anos, por exemplo, deixou a família em sua terra natal e veio morar na Favela Babilônia, no Leme, em companhia do primo, o chapeiro Luiz Daniel, 22, há dois meses.

“Logo no primeiro mês, enfrentamos dois intensos tiroteios, justamente numa comunidade dita pacificada. Ficamos muito assustados, afinal, buscamos paz”, desabafou Rosenaldo, que, depois do susto, se mudou para um quarto em Laranjeiras, com aluguel de R$ 850 por mês.

Além de Cristina, a jornalista Laura Paraddas, 39, da organização internacional ‘Sem Mordaça’, e o cientista político William Clavijo, 27, que faz doutoradao na UFRJ, tentam reunir e ajudar seus conterrâneos.

“Percebemos que muitas das nossas lutas são também as dos brasileiros. Nos identificamos e estamos dispostos a unir nossos esforços por dias melhores”, resumiu Willian.

Plebiscito simbólico na Lagoa - Estudante de desenho, Daniela Mendes, 24, veio morar na casa de uma parente no Rio, há sete meses, depois de, segundo ela, sofrer perseguição política. Ela tem participado de movimentos no Rio para chamar a atenção dos dois países em relação aos refugiados. No dia 16, eles farão um plebiscito na Lagoa, paralelo ao da Venezuela, sobre a proposta de Nicolás Maduro de estabelecer uma Assembleia Nacional para reescrever a Constituição.

A assessoria da Cáritas informou que até abril haviam sete venezuelanos no Rio no Programa de Atendimento a Refugiados (Pares) e que questões como alimentação e gestão do abrigo na Igreja São João Batista são de responsabilidade da paróquia. A secretaria da igreja informou que o pároco Alex Sampaio está de férias e só ele pode falar sobre o assunto.

Com informações do Portal Mídia News

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!