TRÂNSITO
Pesquisador sugere implantação de faixas de pedestres em 3D
Gostei (0) Não gostei (0)
Técnica cria uma ilusão de ótica para alertar os condutores de que há pedestres na pista
Por Paola Carvalho
Em 14/03/2018 às 01:20
O projeto é de autoria de duas artistas indianas, e utiliza a tinta para criar uma ilusão de ótica, que pode ser percebida à distância pelos motoristas (Foto: Divulgação)

Impedir o aumento dos índices de acidentes e mortes no trânsito é um dos objetivos da proposta de implantação de faixas de pedestres em 3D no Estado. A técnica foi desenvolvida por duas artistas da Índia, e utiliza as tintas no asfalto para criar uma ilusão de ótica e alertar os condutores.

Em Roraima, a recomendação é do pesquisador e perito odontolegista do Instituto de Medicina Legal (IML), Antonio Medeiros. O profissional explica que o projeto foi motivado por uma experiência pessoal sua, ocorrida em março deste ano, quando quase presenciou um idoso ser atropelado na faixa de pedestre na Rua Bacabeira com a Rua Jaqueira, no bairro Caçari, em frente à Igreja São Mateus.

Antonio contou que a faixa de pedestre do bairro só estava pintada no asfalto e não tinha uma placa informando para o motorista reduzir a velocidade. Segundo o pesquisador, a Organização Mundial de Saúde (OMS) diz que se o pedestre for atropelado a 30 km/h, tem 90% de chance de sobreviver. Por conta disto, o correto é ter uma placa de diminuição de velocidade a 100 metros das faixas de pedestre para que o motorista seja alertado, algo que não ocorreu.

O odontolegista alertou ainda para as características do bairro Caçari, criado há muitos anos e com um número expressivo de residentes que se instalaram há muito tempo com seus familiares. "Deve-se lembrar que, via de regra, o idoso enxerga pouco e se locomove com dificuldade. A vítima ia ser atropelada. Isso me sensibilizou muito. Ia ser mais um caso para o IML. Um registro quantitativo na estatística, mas a família ia ter um profundo sofrimento", avaliou.

Depois do acontecido, o pesquisador elaborou um pedido ao poder público solicitando a implantação da sinalização adequada e sugeriu a colocação de uma faixa de pedestre 3D, tendo como base o trabalho das artistas Saumya Pandya Thakkar e Shakuntala Pandya, na cidade de Ahmedabad, na Índia.

"A experiência multiplica-se no mundo, inclusive no Brasil. A referida faixa 3D cria uma ilusão de ótica com o objetivo de promover melhor visualização pelos motoristas, contribui para diminuir a velocidade quando se aproximam da faixa de pedestres e assim, salvam vidas", justificou. "Uma vida humana por uma placa, por um pouco de tinta e criatividade", completou.

As solicitações foram encaminhas para a Prefeitura de Boa Vista, Governo do Estado, Assembleia Legislativa de Roraima, Tribunal de Justiça (TJRR), Ministério Público Estadual, Câmara dos Vereadores, Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Roraima e Departamento Estadual de Trânsito (Detran-RR). O encaminhamento do pedido a tantos órgãos de controle foi pensado por conta do impacto que um acidente de trânsito causa à sociedade em geral.

"O Governo do Estado pode até citar que compete ao município estabelecer a sinalização, mas quando o cidadão é acidentado, é o Samu, é o Hospital Geral, Grande Trauma, Centro Cirúrgico, UTI que recebe essa pessoa, ou seja, há um envolvimento. A mesma coisa para quem faz as leis e a quem cabe fiscalizar. A gente não pode se furtar", acrescentou.

EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO - Para Medeiros, o que falta é um processo educativo de segurança no trânsito, com ampla participação da população. "O IML completou 15 anos vendo o sofrimento humano de receber a população sequelada, sem conseguir regressar às suas atividades habituais ou então as pessoas evoluem ao óbito. É um sofrimento. Esse é o nosso dia a dia, mas apesar de ser o dia a dia, a gente não se conforma com isso", afirmou.

A diretora do IML-RR, Marcela Campelo, completou que a melhor forma de contribuir é dar valor às pesquisas que são feitas pelos peritos e profissionais do instituto. "A gente incentiva a pesquisa de todos os nossos colegas e também de quem está vindo de fora e queira trabalhar com os nossos dados. O IML é um fornecedor de informações e estamos nos aprimorando. A gente sabe que dessa forma a gente pode contribuir para as políticas públicas", avaliou.

PESQUISA - Além das contribuições com a sugestão da implantação da faixa de pedestre 3D, Antônio Medeiros elaborou uma série de estudos e pesquisas, tendo como foco o trânsito em Roraima. Os assuntos serão abordados pela Folha em um especial sobre o tema ao longo da semana.

As abordagens terão como tema os efeitos da redução do limite de velocidade no perímetro urbano da Capital, proposta de alteração e projeto de lei do seguro DPVAT, avaliação dos efeitos da Lei Seca e a abordagem da tese de doutorado de Medeiros com o título "Aspectos éticos, legais e epidemiológicos da mortalidade no trânsito em Roraima", realizada na Faculdade São Leopoldo Mandic (SLM), em Campinas (SP) sob a orientação da Profa. Dra. Flávia Flório. (P.C)

Foto: Nilzete Franco
O perito odontolegista do IML, Antonio Medeiros, acredita que a instalação das faixas pode auxiliar na redução de acidentes em Roraima
bonifacio disse: Em 14/03/2018 às 19:37:54

"os motoristas aqui em boa vista nao respeitam nem radares de transito, vao respitar desenho no chao..."

José Alves disse: Em 14/03/2018 às 11:03:11

"Muito bom a ideia de implantação da faixa de pedestre 3d e a instalação da placa de redução de velocidade a 100 metros da faixa, concerteza irá reduzir consideravelmente os acidentes com pedestres, cabe agora o município, governo, detran e todos os órgãos envolvidos se unirem e abraçarem essa causa, parabens pela iniciativa do pesquisador e pela ideia das duas artistas indianas."

BadBoy disse: Em 14/03/2018 às 08:52:58

"Pode criar até faixa de pedestre 10D que não vai adiantar nada, a prefeitura pinta com Doril, choveu sumiu."

Castro disse: Em 14/03/2018 às 07:09:27

"Essa técnica causará mais acidentes entre os veículos"