INTERIOR DO ESTADO
Prefeito do Cantá decreta estado de emergência na Saúde e Educação
Algumas das 32 escolas da região ficaram mais de três meses sem aula pela falta de transporte e merenda escolar
Por Folha Web
Em 19/01/2017 às 00:42
Prefeito Carlos Barbudo, “Com 55 anos, acho que é o maior desafio que já encarei”(Foto: Antônio Carlos)

A Prefeitura do Cantá, município a 32 km de Boa Vista, Centro-Leste do Estado, decretou estado de emergência financeira nas áreas de Saúde e Educação, após constatar várias irregularidades. Há cerca de vinte dias na gestão, o prefeito Carlos José da Silva, o Carlos Barbudo, estima que o rombo financeiro total do município possa chegar a R$ 25 milhões. Os decretos foram publicados hoje no Diário Oficial do Município (DOM).

Falta de medicamentos nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), ambulâncias quebradas e o atraso no pagamento dos cerca de 600 servidores foram as principais situações constatadas na Secretaria de Saúde. Após o vice da ex-prefeita Roseny Araújo (DEM) ter assumido os quinze últimos dias da gestão, o gestor explicou que os servidores efetivos, que já estavam com o salário de novembro atrasado, só receberam o pagamento referente ao mês de dezembro.

“A nova gestão assumiu a responsabilidade do pagamento atrasado aos efetivos, mas os comissionados estão com atraso de seis meses. Vamos ter que mudar, porque os funcionários públicos precisam trabalhar para o povo. Mas como, sem medicamento?”, questionou. Na Secretaria de Educação, além do atraso no salário, algumas das 32 escolas da região ficaram mais de três meses sem aula pela falta de transporte e merenda escolar.

Com o decreto implantado, o prefeito ressaltou que vai comprar medicamentos, contratar médicos, enfermeiros e dentistas, além de garantir transporte escolar para o encerramento do ano letivo e resolver o problema de limpeza urbana. Ele esclareceu que o município recebeu um laudo de alerta sobre o risco de epidemias, já que, pela falta de limpeza, há inúmeros criadouros do Aedes aegypti.

Apesar da situação, o prefeito declarou que nos seis primeiro meses, período estipulado no decreto, pretende sanar o crítico: saúde, educação e limpeza urbana. Em relação aos convênios, reformas de escola e UBS (Unidade Básica de Saúde) que foram iniciados e não houve conclusão, os processos serão encaminhados para Tomadas de Conta Especial, conforme o secretário de Planejamento, Finanças e Administração, Ronaldo Lemos.

Diante da situação em que encontrou a gestão, o prefeito está sendo alvo de críticas pela população. “Só peço paciência. Estamos correndo atrás de recursos e só vai dar certo com trabalho. Não adianta falar mal do prefeito que assumiu há 20 dias. Se daqui a seis meses não tiver melhorado, pode falar, mas agora eu só peço paciência. Não vamos correr, só pra cima da bronca”, destacou.

MAIS PROBLEMAS - O secretário Ronaldo Lemos explicou que toda a estrutura administrativa se encontra debilitada, mas, pela necessidade, os dois setores foram priorizados. Além dos problemas citados, o município está com a iluminação precária.

Lemos informou que a Secretaria de Assistência Social precisa realizar o recadastramento da Bolsa Família, mas não há carro, combustível e profissionais para isso. A Secretaria do Meio Ambiente está embargada, o que impede qualquer emissão de uma certidão de exploração ambiental.

DOCUMENTOS - Quando assumiu o cargo, Barbudo informou que não encontrou nenhum tipo de documentação, como convênios e folha de pagamento das secretarias. Após a busca e o levantamento realizado, foi decidido então que o decreto emergencial seria a saída enquanto os documentos são procurados pela prefeitura junto ao Ministério Público do Estado de Roraima (MPRR) e demais órgãos da Justiça.

“Só temos o número de funcionários. Decidimos fazer um cadastro e verificamos que tem escola com nove merendeiras e até servidor falecido, vamos ter que transferir servidores para o melhor funcionamento de outras escolas”, relatou. O prefeito salientou que os órgãos estaduais estão colaborando na busca da documentação do município, a fim de ajudar a população, que é a atingida.

REUNIÃO - O prefeito do Cantá informou que no dia 24 deste mês, estará realizando uma reunião com todos os servidores do município, para mostrar o que a nova gestão encontrou e apresentar o plano de trabalho a ser executado. Na oportunidade, também vão abordar a criação do calendário de pagamento. A reunião será realizada no Grêmio Recreativo do Cantá, às 17h.

LIBERTATEM - Em relação à Libertatem, operação em andamento da Polícia Federal, o prefeito informou que já se colocou à disposição solicitando os processos necessários. “É um interesse nosso para que a gestão se inicie às claras. Vamos colaborar 100%”, pontuou. (A.G.G)

Comentários
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!