CONTRATAÇÃO DE VENEZUELANOS
Professores brasileiros reclamam de anúncio de contratação
Após reclamação, Prefeitura diz que estrangeiros e brasileiros que falem espanhol fluente, poderão participar do edital
Por Folha Web
Em 02/08/2017 às 17:00
Proposta é diminuir a taxa de desemprego dos venezuelanos (Foto: Divulgação)

Após a reclamação, a prefeitura informou que poderão participar do edital estrangeiros e brasileiros que falem espanhol fluente. Os professores terão que ter obrigatoriamente diploma.

Por meio de suas redes sociais, a prefeita de Boa Vista Teresa Surita (PMDB) anunciou que irá inserir a língua espanhola na grade curricular de todas as escolas da prefeitura do ensino fundamental e contratar professores e assistentes de alunos venezuelanos para o trabalho formal.

A proposta é diminuir a taxa de desemprego dos venezuelanos refugiados que muitas vezes possuem no currículo, o ensino superior.

Ainda não há previsão para o lançamento do Edital.

A notícia não agradou a todos, professores formados fizeram reclamações nas redes sociais.

Segundo um deles, que preferiu não se identificar, apesar da notícia de incluir o ensino de espanhol nas escolas municipais ser boa, o edital também deveria incluir professores brasileiros.

“Ela fez o anúncio e revoltou alguns professores brasileiros que estão desempregados. Creio que abrir uma oportunidade para os venezuelanos ser de grande valia, mas o edital não deve ser exclusivo para eles. Muito interessante só que deveriam dar oportunidade para os brasileiros também, temos vários professores capacitados precisando de oportunidade” explicou.

Outro questionamento feito pelos professores é quanto a formação desses profissionais. “Nós passamos quatro anos aqui nos matando na graduação. E nós quando fazemos qualquer coisa de pós, mestrado, temos uma dificuldade enorme pra reconhecer esse diploma aqui. E eu espero que essa análise seja feita levando em conta tudo o que é cobrado da gente em um seletivo” ressalta outra professora que também preferiu não ser identificada.

Outro lado - A Prefeitura de Boa Vista, por meio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura informou que irá viabilizar a inserção do espanhol na rede de municipal ensino, devido ao crescente número de alunos venezuelanos matriculados nas escolas municipais.

Atualmente 460 alunos são atendidos na rede municipal de ensino.

A prefeita Teresa Surita destacou que a inserção dessa disciplina irá ajudar muito os professores venezuelanos que chegam a Boa Vista, que uma vez estando em situação regular no Brasil poderão trabalhar e recomeçar suas vidas, além disso, os alunos brasileiros terão a oportunidade de aprender um novo idioma.

“A crise na Venezuela se agrava mais a cada dia.

Muitas pessoas vêm do país vizinho em busca de uma vida melhor e não é fácil recomeçar. Cuidar das pessoas é o sentimento que move a nossa gestão. Sempre buscamos o bem comum. Por isso, vamos inserir a língua espanhola na grade curricular de todas as escolas da prefeitura do ensino fundamental e contratar professores e assistentes de alunos fluente em espanhol para o trabalho formal”, destacou.

Seletivo - A contratação será feita por meio de processo seletivo. Poderão participar estrangeiros e brasileiros que falem espanhol fluente.

Os professores terão que ter obrigatoriamente diploma. O mesmo ocorre com cargo de assistente de aluno, pois o processo será específico para pessoas que falem o espanhol fluentemente e possam garantir que os alunos tanto brasileiros como estrangeiros não sofram com a perda de ensino por conta do idioma, além de promover a interação e fazer com que as aulas fluam de forma positiva para todos.

Será feito um levantamento para avaliar a necessidade de cada escola e assim, poder estabelecer o quantitativo de profissionais e a carga horária, dentro das possibilidades orçamentárias do município.

Também serão contemplados os servidores municipais com aulas de espanhol para que possam oferecer um atendimento mais humanizado e acolhedor aos estrangeiros que buscam os serviços do município diariamente.

Fernando disse: Em 02/08/2017 às 22:55:39

"Muitos dos que decidem tudo, nossos gestores, pagam planos de saúde, escolas privadas, frequentam outros lugares que não os mais pobres, e assim, não sofrem o que o povo brasileiro, em especial os roraimenses estão vivendo. Não devemos virar as costas para os outros, mas tudo deve ser sopesado, estão em vários campos diminuindo e dificultando os direitos dos brasileiros, que já tinham à sua disposição falta de vagas e serviços ruins. Agora, com a disputa, tem menos vagas nos hospitais, sofrem de problemas nas escolas, enre outros diversos problemas, a criminalidade aumentando, enquanto os mais abastados, que decidem tudo com superproteção de suas vidas, não sofrem na mesma medida."

samuel macedo souza disse: Em 02/08/2017 às 20:22:11

"providencias para diminuir a taxa de desemprego entre os brasileiros que se foda...nada contra a população venezuelana..mas eles colocaram maduro no poder, então que arquem com as consequencias....a cise lá é politica e interna do país..."

Damiao disse: Em 02/08/2017 às 19:40:37

"sou contra colocar estrageiros para tomar a vaga de pessoas que nasceram e moram aqui. e melhor treinar e capacitar nossos proficionais da educação. Mais uma bola fora da Prefeitura."

Prof. RN disse: Em 02/08/2017 às 18:13:00

"A ideia é necessária, porém, insuficiente, pois quem fica as 4h/aulas com os alunos estrangeiros é o professor de sala de aula. Portanto, eu penso q/seja este profissional que precise ser capacidade em línguas estrangeiras (espanhol e inglês), principalmente aqui neste estado que faz uma tríplice fronteira. Mas sou apenas um cidadão e não entendo nada de política. "