GRUPO RECONSTRUIR
Projeto atende homens envolvidos com violência doméstica e familiar
Gostei (3) Não gostei (1)
Grupo atendeu desde julho, como forma de tratamento, 40 homens que se apresentaram espontaneamente ou foram encaminhados pela Justiça
Por Ana Gabriela Gomes
Em 14/11/2017 às 00:30
Reuniões do Reconstruir ocorrem todas as quintas-feiras, das 9h às 11h (Foto: Nilzete Franco)

O Grupo Reflexivo Reconstruir, do Centro Humanitário de Apoio à Mulher (Chame), entidade ligada à Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR), foi implantado em julho do ano passado para atuar como uma forma de tratamento junto aos homens envolvidos com violência doméstica e familiar no Estado. Este ano, cerca de 40 homens já foram atendidos.

A coordenadora do Reconstruir, Monique Dias, considera o número de atendimentos alto em razão dos problemas de preconceito dos próprios homens. Ao saber que o projeto atende a homens agressores, ela disse que há uma rejeição relevante por parte do público. Além disso, muitos ficam assustados ao serem chamados ou tratados como agressores. Dessa forma, a equipe se refere aos participantes como assistidos.

Os assistidos pelo Reconstruir chegam ao grupo por meio de convites após a denúncia feita junto ao Chame, de forma espontânea, ou são encaminhados pelo Tribunal de Justiça do Estado de Roraima (TJRR) a partir da determinação do juiz da Vara de Execuções Penais e Medidas Alternativas à Pena Privativa de Liberdade (Vepema). A maioria dos participantes chegou de forma espontânea.

De acordo com a coordenadora, como as reuniões funcionam por ciclos, a presença dos que foram convidados não é obrigatória. Há ciclos que chegam a ter cinco homens presentes. “É aberto ao público, aos homens que nunca tiveram nenhuma atitude agressiva junto à parceira ou dentro de casa, aos que se sentem impulsivos e os que apenas querem acompanhar um amigo. Basta ser homem para participar”, disse.

Monique destacou que uma parcela dos homens que participam acha a situação de violência normal por conta de outros casos na família. Diante da situação, ela informou que as equipes vão mostrando outras opções e oportunidades nas reuniões, que são conduzidas no sentido de sensibilizar os homens de que a violência doméstica é devastadora para toda a família e mostrar que há outras soluções para um conflito.

Segundo a coordenadora, as reuniões abordam temas como família, álcool e drogas, estresse e agressividade, machismo, Lei Maria da Penha e outros temas relevantes para as situações de agressão. Dentro do contexto, ela apontou que a equipe multidisciplinar formada por psicólogos, assistentes sociais e advogados conduzem a reunião como conversa, a fim de que todos possam participar dando opiniões ou fazendo intervenções.

REUNIÕES – As reuniões do Reconstruir acontecem às quintas-feiras, das 9h às 11h, com exceção dos feriados, em um prédio anexo ao Chame, na Avenida Ville Roy, no Centro. Monique ressaltou que as reuniões vão acontecer no anexo até o novo prédio receber os equipamentos necessários. (A.G.G)

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!