ATAQUE A OFFICE-BOY
Quadrilha que assaltou postos de gasolina tinha ajuda de frentista
Bando contou com a informação de um frentista da rede de postos de combustíveis, que também foi preso na ação policial
Por João Barros
Em 15/11/2017 às 00:57
Dos R$ 35 mil roubados no assalto, R$ 23.309,00 foram recuperados com os elementos que foram presos (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Uma força-tarefa desencadeada por agentes de Polícia Civil do 2º Distrito Policial (DP), 4º DP, Núcleo de Inteligência e Delegacia do Município de Caracaraí, região Centro-Sul do Estado, coordenada pelos delegados Márcio Amorim (2º DP) e Fernando Olegário (4ºDP), desvendou o caso do assalto a uma rede de postos de combustíveis e conseguiu prender, na noite de segunda-feira, 13, quatro indivíduos e apreender dois adolescentes.

No assalto foram levados R$ 35 mil pelo bando, por volta das 7h de segunda-feira, quando um office-boy da rede de postos de gasolina da unidade da Avenida Carlos Pereira de Melo, bairro Caimbé, zona Oeste de Boa Vista, foi atacado. Ele tinha ido buscar os valores arrecadados no final de semana e seguia em direção aos outros postos pela Rua Almério Mota Pereira, no bairro Jardim Floresta, também zona Oeste, quando quatro indivíduos fizeram a abordagem em duas motocicletas de cor preta, no bairro São Francisco, zona Norte. Um deles apontou uma arma de fogo, que foi colocada no pescoço da vítima, obrigando-o a entregar a mochila com o dinheiro, onde também estava um cheque no valor de R$ 850,00.

Um pedestre que passava pelo local testemunhou a ação dos bandidos e anotou a placa de uma das motocicletas, o que possibilitou a localização de um dos elementos em Caracaraí. Este elemento, de 31 anos, já era investigado pelo 4º DP por assalto a uma loja de celulares no bairro Pintolândia, zona Oeste da Capital, e tinha passagens pelo sistema prisional por tráfico de drogas, em 2015. Ele foi preso, confessou a coautoria no crime, entregando parte do dinheiro que estava no bolso de sua bermuda, alegando que a outra parte ele teria perdido na viagem de Boa Vista a Caracaraí.

Ele deu as informações a respeito dos demais envolvidos, sendo eles um homem de 30 anos e dois adolescentes, os quais eram investigados por ligação com a organização criminosa Comando Vermelho (CV). As equipes de investigação deslocaram-se ao bairro 13 de Setembro, zona Sul, e passaram a fazer vigilância nas proximidades da residência de um dos envolvidos, que foi abordado com uma mochila com parte do dinheiro do roubo.

Um dos adolescentes foi apreendido depois que enviou mensagens para o telefone do elemento que foi preso no bairro 13 de Setembro, marcando um encontro no posto Trevo, quando a equipe de policiais fez uma emboscada, ainda na noite do dia 13. O elemento, diante das evidências dos fatos, indicou outro criminoso, onde parte do dinheiro foi deixada, um indivíduo de 20 anos, que também foi preso.

A outra parte do dinheiro foi usada para a aquisição de uma motocicleta comprada pelo valor de R$ 3.500 por um dos envolvidos, no entanto, o proprietário foi localizado e devolveu o montante.

Em continuidade à ação, os policiais foram até a Rua Taperoá, no Conjunto Manaíra, bairro Laura Moreira, zona Oeste, e apreenderam outro menor, o qual confessou ter participado do roubo juntamente com os outros comparsas e entregou uma quantia em dinheiro que estava escondida dentro do vaso sanitário.

A polícia também conseguiu chegar a um frentista de 25 anos, funcionário do posto de gasolina, que havia repassado aos criminosos as informações sobre a rotina e itinerário do office-boy, inclusive trocando mensagens com a quadrilha um dia antes do crime. O frentista foi preso em seu local de trabalho e receberia a quantia de R$ 2 mil.

Após muitas diligências, os policiais apresentaram o caso ao delegado titular do 2º DP, Márcio Amorim, que com o auxílio do escrivão chefe de cartório, Rui Bahia, autuou o grupo criminoso por roubo qualificado, associação criminosa armada e com emprego de menores, além de corrupção de menores. Os presos ficaram na carceragem da Polícia Civil para serem encaminhados para audiência de custódia, enquanto os adolescentes foram recolhidos às dependências do Centro Socioeducativo (CSE). O proprietário dos postos foi ouvido e teve restituída a quantia de R$ 23.309. (J.B)

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!