DEFESA FITOSSANITÁRIA
Roraima e Amazonas firmam parceria para desenvolver ação de combate a pragas
Segundo a Aderr, o treinamento das equipes está previsto para iniciar no dia 24 de julho
Por Folha Web
Em 16/07/2017 às 13:40
Ações da parceria entre Aderr e Adaf iniciam com treinamento de agentes no dia 24 (Foto: Pesquisa por imagem)

A Agência de Defesa Agropecuária de Roraima (Aderr) anunciou neste domingo, 16, uma parceria com a Agência de Defesa Agroflorestal do Amazonas (Adaf) para o desenvolvimento de ações conjuntas no combate de pragas nos dois Estado.

Entre as iniciativas previstas no acordo está o reforço das atividades de fiscalização fitossanitária na barreira instalada na vila Jundiá, município de Rorainópolis, na região Sul do Estado. Os trabalhos terão início no dia 24 deste mês.

As equipes, com 30 membros cada, passarão por treinamento dado por agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), da Receita Federal e do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Segundo o diretor de Defesa Vegetal da Aderr, Luís Cláudio Estrella, os técnicos trabalharão com a finalidade de dificultar o trânsito de cargas contaminadas. “As cargas só podem ser transportadas se possuírem a permissão de trânsito vegetal, que só é dada para produtores que possuem o certificado fitossanitário de origem, comprovando que a produção está livre de pragas”, disse.

Ainda de acordo com Estrella, Roraima aguarda a publicação da Instrução Normativa do Mapa, liberando a exportação de mais de 30 tipos de frutos, que atualmente estão proibidos de ser exportados.

“Essa Instrução conterá uma série de exigências, uma delas, que já temos conhecimento, é que as Unidades Produtoras sejam cadastradas e tenham seu responsável técnico. Sabemos também da rede de monitoramento. Ainda não tivemos acesso a outros detalhes e aguardamos a publicação do texto”, explicou.

FRONTEIRA – Recentemente, o Ministério das Relações Exteriores firmou um acordo de cooperação com a Guiana, para que o país volte a atuar no combate à Mosca da Carambola na fronteira com o Brasil.

“Tínhamos um grande problema quanto a isso, pois, mesmo que atuássemos de forma rígida no combate à praga, ela acabava entrando no país pela fronteira, mas, com esse acordo firmado, poderemos ter mais tranquilidade nesse trabalho fitossanitário”, concluiu o diretor.

Com informações do Governo do Estado.

ESTAMOS DE OLHO RR disse: Em 16/07/2017 às 18:07:50

"Tem que firmar uma parceria para combater os mosquitos que assolam a cidade inteira com surto de vírus."