FRONTEIRA COM A VENEZUELA
Roraima pede reforço das Forças Armadas e da Polícia Federal
Relatórios das forças de segurança de Roraima apontam a existência de rotas de tráfico de drogas e armas pesadas facilitadas pela falta de patrulhamento
Por Folha Web
Em 08/08/2017 às 15:00
A governadora Suely Campos se reuniu os chefes das Forças de Segurança do Estado para definir um plano para prevenir a criminalidade na fronteira (Foto: Marcelo Rodrigues)

A governadora de Roraima, Suely Campos (PP) solicitou ao presidente da República, Michel Temer, reforço das Forças Armadas e da Polícia Federal na fronteira com a Venezuela. Na manhã desta terça-feira, 8, a chefe do Executivo telefonou para Temer e para o ministro da Defesa, Raul Jungmann, manifestando sua preocupação com o agravamento da crise no país vizinho e o aumento dos casos de crimes transfronteiriços na região.

“Além de telefonar para o presidente, enviamos dois ofícios ao Palácio do Planalto expondo a gravosa situação que passa a segurança pública do Estado. O presidente foi bastante sensível ao nosso pleito e disse que se reuniria com o ministro da Defesa para tratar dessa questão”, destacou Suely.

No documento, a governadora de Roraima solicita a expedição de decreto para garantia da lei e da ordem, com o emprego das Forças Armadas no patrulhamento de toda a extensão da faixa de fronteira do município de Pacaraima com a Venezuela, onde existem diversas vias de acesso clandestinas utilizadas como rota de tráfico de drogas, de pessoas e de armas pesadas, conforme apontam as estatísticas da criminalidade e os relatórios da inteligência da Polícia Civil do Estado.

Pede, ainda, o envio de maior efetivo de agentes e delegados para atuar na Delegacia de Polícia Federal situada no município de Pacaraima, para dar celeridade ao encaminhamento dos pedidos de refúgio e aos procedimentos criminais abertos para investigar crimes praticados por imigrantes na faixa de fronteira.

No segundo ofício, Suely Campos solicita a reativação do Programa Sentinela, que mantinha agentes federais no Posto de Fiscalização de Jundiá, na divisa com o Estado do Amazonas, para se somar às forças de segurança do Estado na repressão à criminalidade, uma vez que a BR-174, que liga os dois estados, é utilizada como verdadeiro corredor do tráfico de drogas e de armas que entram pela fronteira.

A decisão de recorrer ao governo federal para intensificar a segurança na fronteira ocorreu após reunião com os chefes das forças de segurança do Estado, que apresentaram relatórios da inteligência e estatísticas que apontam para o aumento da incidência desses ilícitos e de crimes comuns na cidade de Pacaraima, localizada na linha de fronteira com a Venezuela, a 260 quilômetros de Boa Vista; na capital do Estado e em diversos municípios.

“Temos dois mil quilômetros de fronteira seca, com diversas vias de acesso clandestinas, transformadas em rotas de tráfico de drogas, de pessoas e de armas pesadas por organizações criminosas. Queremos uma atuação preventiva das Forças Armadas para coibir a entrada desses criminosos e evitar que Roraima se transforme em corredor de passagem para esses ilícitos”, explicou Suely Campos.

A governadora esclareceu que o Estado vem reforçando o policiamento nas ruas de Boa Vista e de Pacaraima, mas não tem meios para controlar a fronteira, que é atribuição do governo federal.

EXÉRCITO – A governadora se reuniu também com o general Gustavo Dutra, comandante da 1ª Brigada de Infantaria de Selva, preocupada com a fronteira desguarnecida. “O general compartilha dessa nossa preocupação e informou que o Pelotão Especial de Fronteira, situado em Pacaraima, tem auxiliado a Polícia Militar no patrulhamento da cidade”, disse Suely Campos.

Dutra esclareceu que em Roraima o efetivo do Exército é de 3.500 homens e que esse grupamento está de prontidão para fazer o patrulhamento da fronteira, caso haja a determinação presidencial.

Saúde Caburai disse: Em 08/08/2017 às 17:46:24

"guerra civil se aproxima "