REIVINDICAÇÃO
Servidores do TJ cobram realização de concurso público
Gostei (1) Não gostei (0)
Por Folha Web
Em 13/07/2018 às 01:19
Mobilização aconteceu em frente ao Fórum Advogado Sobral Pinto, no Centro Cívico (Foto: Nilzete Franco)

Servidores do Tribunal de Justiça de Roraima paralisaram as atividades ontem, 12, para reivindicar, dentre vários itens, a realização de concurso público. Os servidores de comarcas da capital e do interior se concentraram em frente ao Fórum Advogado Sobral Pinto, no Centro de Boa Vista.

Segundo o presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Roraima (Sintjurr), Luiz Cláudio de Jesus Silva, desde a mobilização realizada no dia 13 de junho, não houve negociação por parte do Tribunal de Justiça e por isso uma nova paralisação foi realizada. Caso o diálogo não seja iniciado, o Sintjurr promete uma nova paralisação no dia 19 de julho e não descarta a possibilidade de greve geral por tempo indeterminado.

Trinta por cento do quadro de servidores manteve o atendimento nas comarcas e nos setores administrativos, conforme determina a lei. Segundo Luiz Cláudio, apesar da redução no número de servidores, todas as unidades funcionaram ontem, com pelo menos um funcionário em cada setor. “A nossa intenção não é prejudicar a população, nem o Poder Judiciário.É apenas dar um alerta ao Tribunal de que nós vamos continuar o nosso movimento e declararemos greve por tempo indeterminado se não houver atendimento às nossas reivindicações”, frisou.

O cumprimento de mandados judiciais ficou comprometido, pois os oficiais de justiça cruzaram os braços. “Como são os oficiais que fazem a justiça se encaminhar, os mandados precisam ser entregues para que haja audiências, então esses serviços são os mais prejudicados, no entanto as urgências continuaram funcionando”, assegurou Luiz Cláudio.

A oficial de justiça Eunice Machado Moreira, que trabalha na comarca de Mucajaí, comentou que os servidores que trabalham no interior estão sobrecarregados e há desigualdade salarial. “Estamos muito descontentes com esta administração por ela não atender nenhum ponto de reivindicação nossa”, lamentou.

OUTRO LADO - Sobre os questionamentos feitos em relação à paralisação dos servidores, o Tribunal de Justiça de Roraima esclareceu, por meio de nota, que a Administração do Judiciário estadual entende não haver motivo para greve.

“Os servidores do Poder Judiciário de Roraima têm vencimentos, direitos e vantagens em média muito superiores à realidade dos servidores municipais, estaduais e federais, sendo que o TJRR jamais atrasou ou parcelou os salários dos servidores e paga aos servidores benefícios como auxílio-alimentação, plano de saúde e progressão vertical bienal de 10%”, alegou.

Segundo a assessoria de comunicação, todos os 13 pleitos apresentados pelo sindicato, como a realização de concurso público, “dependem de estudos e de normatização que já estavam em andamento antes mesmo do atual movimento”. (G.L)

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!