POLÍTICA
TSE quebra sigilo fiscal de pessoas e empresas ligadas à chapa Dilma-Temer
A decisão deu origem a uma operação realizada nesta terça-feira, 27, pela Polícia Federal
Por Folha Web
Em 27/12/2016 às 13:00
Pessoas e empresas ligadas a chapa Dilma-Temer tiveram sigilos fiscais quebrados pelo TSE (Foto: Chello/Framephoto/Estadão)

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Herman Benjamin, determinou a quebra de sigilo fiscal de 15 pessoas físicas e jurídicas ligadas à chapa de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB).

A decisão deu origem a uma operação realizada nesta terça-feira, 27, pela Polícia Federal, que cumpre mandados de busca em empresas que teriam recebido valores da campanha vitoriosa na eleição presidencial de 2014.

A ação da PF desta terça ocorre em 20 locais de três Estados (Minas Gerais, São Paulo e Santa Catarina) e, por decisão da Justiça, está restrita a "questões eleitorais", isto é, não podem ser coletadas provas para investigações de outra natureza. Participam das diligências 50 policiais federais e técnicos do TSE. Os nomes dos investigados não foram revelados

A Polícia Federal apura se houve desvio de dinheiro a partir da subcontratação de firmas de fachada por parte de três gráficas que receberam valores da chapa Dilma-Temer. São elas a Red Seg Gráfica, a Focal e a Gráfica VTPB. De acordo com o TSE, não foram expedidos mandados de prisão. Além disso, não foram decretadas ordens de condução coercitiva.

A decisão do ministro foi motivada por um relatório feito pela força-tarefa que investiga as contas da campanha de Dilma e Temer. A ação conjunta é formada pela PF, pela Receita Federal, pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e por analistas do próprio TSE. O processo, do qual Benjamin é relator, pode levar à cassação da chapa.

O documento analisa as informações obtidas após a quebra dos sigilos bancários das três gráficas envolvidas e de seus sócios. Os peritos apontam indícios de "desvio de finalidade" dos recursos da chapa. O Ministério Público Eleitoral (MPE) também analisou o relatório e apontou a existência de indícios de "fortes traços de fraude e desvio de recursos" da campanha.

Uma das gráficas que prestaram serviços à chapa, a Focal, recebeu cerca de R$ 24 milhões e já foi alvo da Lava Jato. Segunda maior fornecedora da campanha petista em 2014, a empresa pertence a Carlos Roberto Cortegoso, réu por suposta ocultação de propinas.

Segundo um laudo pericial contábil do TSE, a empresa teria recebido R$ 3,2 milhões de forma irregular da campanha presidencial de 2014 e pode ter sido usada para desvios de recursos eleitorais.

Com informações do UOL.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!