SAÚDE PÚBLICA
Temer lança programa “menos médicos”
"O Brasil precisa cair na real", disse o ministro Ricardo Barros
Por Folha Web
Em 22/01/2017 às 16:00
Ricardo Barros, ministro da Saúde de Temer (Foto: Pesquisa por imagem)

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, criou uma regra que diminui o número mínimo exigido de médicos a serem contratados para atuar em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Tais equipamentos públicos recebem grande parte das urgências e emergências da população, como pressão e febre altas, fraturas, cortes, infarto e outras.

Com a mudança, sob orientação de Temer, as unidades que atendem 24 horas terão obrigatoriamente apenas dois médicos para atendimento por dia – em vez de quatro, como era o mínimo exigido no governo anterior –, em turnos de 12 horas cada.

De acordo com levantamento publicado no portal de notícias UOL, atualmente há 165 unidades que funcionam em tempo integral no país.

Há ainda outras 275 que tinham as obras em andamento até o afastamento da presidenta Dilma, das quais, 170 já com mais de 90% das obras finalizadas, de acordo com o portal do Ministério da Saúde na internet.

Questionado se a redução do total de médicos não poderia trazer redução na qualidade de atendimento, Barros disse:

“É melhor dois do que nenhum. O Brasil precisa cair na real. Não tem mais capacidade de contratar pessoal. É melhor ter essa UPA funcionando com um médico de dia e um de noite do que fechada”. Simples assim, só que não.

Com as novas regras, prefeitos e demais gestores responsáveis por UPAs 24 Horas terão de optar por um entre oito tipos diferentes de equipes, que variam em número de médicos e em custos, arcados por repasses do Ministério da Saúde.

O modelo varia entre equipes com dois médicos por dia – um durante o dia e um durante a noite – e que devem realizar no mínimo 2.250 atendimentos por mês, a até nove médicos e ao menos 13.500 atendimentos mensais.

No governo anterior, a regra previa três tipos de equipes, com regras mínimas que previam quatro, seis ou nove médicos cada. O número de outros profissionais de saúde que devem fazer parte das equipes não foi divulgado.

Questionado se a redução no número mínimo de profissionais exigidos não poderia trazer custos maiores ou deixar equipamentos ociosos, o ministro disse que o modelo prevê compartilhamento desses serviços dentro da rede de saúde.

Ou seja, a ideia é que o paciente que antes tinha certeza de encontrar atendimento em uma UPA, agora pode ter que se deslocar a outra (ou outras) unidades(s), para encontrar um profissional ou um exame que precise.

Com informações do Portal Vermelho

Marquês gica disse: Em 22/01/2017 às 18:08:15

"Legal, é melhor 2 que nenhum! Mais de 2000 atendimentos por mês realiazados! Bem capaz que não fique é nenhum. Virar robô pra dar conta de tanta demanda, brincadeira um negócio desse. O fato é: qnt maior o número de procedimentos com equipe reduzida, menor a qualidade do serviço, maior a evasão de profissionais, maior a rejeição de td. Tendendo entender o não entendido das coisas nesse nosso Brasil, onde politico corrupto trabalha contra a corrupção. Meu pai do céu, os bandidos estão errando em atacar a população, fariam um favor exterminando outras coisas. Chamo de coisa mesmo um negócio desse."

Sousa disse: Em 22/01/2017 às 17:04:51

"Se pagamos os impostos pra ter os benefícios de saude, educação e segurança, se não temos, então também não devemos contribuir. Quero ver como vão se manter. Um politico sem vergonha deste, esquece que nem todo o tempo ele vai estar no poder. Quero ver se a mãe dele estivesse agonizando e ter apenas um medico no hospital para atender. Mas, Deus é pai e não padrasto. O que se faz nesta terra aqui se paga. É pra frente que se anda. Agora os médicos devem se manifestar, fazer este ladrão de poder aprender a respeitá-los, senão vão acabar sendo escravos."