EDUCAÇÃO SUPERIOR
Universidade Federal abre seleção para mestrado em Antropologia Social
São 16 vagas no total; Inscrições para o processo seletivo seguem até o dia 15 de maio e o valor da taxa é de R$ 25
Por Folha Web
Em 26/04/2017 às 01:14
Sandra Rodrigues e Karolyne Mota iniciaram o mestrado em Antropologia Social na UFRR em 2016 (Foto: Wenderson de Jesus)

Fazer mestrado é o sonho de muitos profissionais que já conquistaram o diploma de Ensino Superior. Para quem desejar se aprofundar na área de Humanas, estão abertas as inscrições para o Processo Seletivo destinado ao ingresso de candidatos ao Curso de Mestrado em Antropologia Social da Universidade Federal de Roraima (UFRR) para o ano de 2017. São ofertadas 16 vagas ao todo, e as inscrições seguem até o dia 15 de maio.

O título de mestre abre portas para quem deseja desenvolver pesquisas acadêmicas ou seguir carreira como docente em universidades. Sandra Rodrigues veio do Ceará, no ano passado, em busca desse título em Roraima. Atualmente, graduada em Ciências Sociais, a acadêmica está iniciando o segundo ano do mestrado em Antropologia Social na UFRR.

“Vim de Fortaleza só para essa seleção, porque era um mestrado que eu tinha muito interesse. No Ceará, não existe para Antropologia. Hoje fixei residência em Roraima por conta do curso, que é muito bom. Está atendendo às minhas expectativas. A mudança para mim não foi muito grande, uma vez que já morei por 12 anos na Amazônia”, disse Sandra, afirmando ainda que a seleção 2017 para o mestrado está melhor, no seu ponto de vista.

“Eu precisei ficar quase dois meses em Roraima por conta do processo de seleção. Era todo presencial. Esse ano melhorou, porque o candidato precisa estar aqui apenas para a prova presencial. As outras etapas podem ser realizadas pelo Skype. Ficou bem mais interessante e abre precedentes para quem mora fora”, explicou.

Além de Sandra, mais sete pessoas ingressaram para o mestrado em Antropologia na UFRR em 2016. Uma delas é Karolyne Mota, graduada no curso na própria instituição. “Moro em Roraima e sou uma cria da UFRR. Comecei a minha trajetória profissional aqui no estado e é onde pretendo continuar e terminar. Já conhecia os professores e abordagens e isso facilitou de modo geral. Quero terminar o mestrado para dar aula na própria UFRR. Minha vontade é produzir conhecimento para e sobre Roraima. O intuito é unicamente contribuir. A UFRR me deu esse conhecimento e quero passar adiante”, contou.

MESTRADO - As inscrições para o Processo Seletivo destinado ao ingresso de candidatos ao Curso de Mestrado em Antropologia Social da UFRR seguem até o dia 15 de maio. O valor da taxa é de R$ 25 e os interessados podem se inscrever na Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Instituto de Antropologia (INAN) da UFRR, das 8h às 12h e das 14h às 18h, no campus Paricarana.

De acordo com o edital publicado no site da instituição, o mestrado possui duas linhas de pesquisa: a primeira é a de processos indentitários e direitos diferenciados; e a segunda é etnografia contemporânea, patrimonialização e urbanidades.

O processo de seleção seguirá um cronograma com as seguintes etapas: prova escrita dissertativa sobre conhecimentos na área de Antropologia (caráter eliminatório e classificatório), avaliação do Pré-Projeto de Pesquisa (caráter eliminatório e classificatório), prova de proficiência em língua estrangeira (caráter classificatório), currículo (caráter classificatório) e entrevista (caráter classificatório).

Os candidatos aprovados ocuparão as vagas em ordem decrescente de pontuação, conforme a classificação, asseguradas as vagas destinadas as cotas para indígenas e afrodescendentes. O resultado final deve ser publicado no dia 10 de julho. Mais informações podem ser obtidas no edital, disponível no site da instituição www.ufrr.br/antropologia. (C.C)

concurseiro disse: Em 26/04/2017 às 10:00:37

"desperdício de dinheiro público, não vejo utilidade nisso. temos que melhorar a pecuária, a agricultura, a indústria, o comércio, a mineração, a tecnologia industrial. esses cursos teóricos é um blá blá blá do kct sem efetividade para o progresso econômico, pelo contrário é um entrave só serve para fazer laudos para funai de demarcação de terras para índios preguiçosos"