BEM ESTAR
Veja dicas para combater a insônia e melhorar a qualidade do seu sono
Por Raisa Carvalho
Em 15/03/2017 às 01:09
Dr. Alberto Iglesias

Dormir bem é uma necessidade física, assim como comer e beber água. Porém, os distúrbios do sono atingem de 30 a 45% da população ao redor do planeta, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Na próxima sexta-feira (17) é comemorado o Dia Mundial do Sono, a data tem como objetivo dar visibilidade aos benefícios de uma noite bem dormida.

De acordo com o psicólogo Alberto Iglesias, insônia é a dificuldade de iniciar ou manter o sono ou ainda a percepção de um sono não reparador, com prejuízo na atividade social ou profissional.

“Devido ao grande número de pessoas atingidas e às suas repercussões, a insônia torna-se um problema de saúde pública. Na maioria das vezes a insônia está relacionada a uma redução da quantidade de horas necessárias para um sono satisfatório”, explica.

Sabemos que não existe apenas um tipo de insônia, mas vários tipos de "insônias". Elas geralmente decorrem da interação de diversos fatores como predisposição genética, fatores físicos, biológicos, mentais, psicológicos e sociais.

“Podem ser agravadas por outros distúrbios do sono como Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono, Síndrome das Pernas Inquietas, entre outras”, conta.

Segundo ele, a falta de sono pode ser causada ou agravada por outras condições como Depressão, Transtorno da Ansiedade, Fibromialgia, Dor Crônica, Distúrbios Metabólicos Hormonais (por exemplo, doenças da tireóide), algumas medicações e substâncias (estimulantes, benzodiazepínicos, bebidas alcoólicas).

“Em algumas situações a insônia é primária. Muitos pacientes com Insônia Idiopática (sem causa aparente) relatam dificuldade para dormir de início ainda na infância”.

Na maioria dos casos a insônia é do tipo psicofisiológica, na qual estão envolvidos fatores predisponentes, como um nível aumentado de alerta e vigilância, mesmo durante a noite; fatores desencadeantes como mudança de trabalho, perda de ente querido, situações familiares e pessoais de conflito.

“Além de fatores perpetuadores como a manutenção de hábitos inadequados em relação ao sono (horário irregular de ir deitar, ficar assistindo TV ou usar computador e celular até tarde da noite)”.
Existe também a insônia paradoxal, que consiste em uma má percepção do estado de sono, ou seja, a pessoa queixa-se de dormir pouco, mas a polissonografia não constata anormalidades.

Características e Sintomas
A grande maioria dos casos de insônia pode ser caracterizada como inicial, que se caracteriza pelo aumento da latência do sono, ou seja, aumento do tempo que o indivíduo demora para iniciar o sono. Também é muito frequente a insônia de manutenção, em que ocorre o aumento dos despertares durante a noite.


“A insônia terminal é um pouco menos comum e se caracteriza pelo despertar precoce, quando o indivíduo acorda muito antes do horário que desejaria, mas não consegue voltar a dormir. Alguns pacientes com insônia se queixam, na realidade, da qualidade de seu sono, ou seja, mesmo dormindo uma quantidade de horas considerada satisfatória, estes indivíduos têm a sensação de que o sono não foi reparador”, comenta o especialista.

A quantidade ideal de horas de sono é uma característica individual. A maioria das pessoas sente-se satisfeita após cerca de 7 a 8 horas de sono, porém o que define se a pessoa dormiu satisfatoriamente é o estado em que ela se encontra no dia seguinte.

“Geralmente, os pacientes com insônia apresentam-se cansados, mal-humorados, sonolentos ou com sensação de "atordoamento". Muitos, mesmo sonolentos, não conseguem dormir durante o dia”, relata.

Consequências da Insônia Crônica não tratada

A insônia crônica pode resultar em distúrbios da memória e concentração, ansiedade, depressão, irritabilidade, sentimento de insatisfação constante, baixo rendimento profissional, prejuízo do convívio social e aumento do risco de acidentes com veículos automotores.

Tratamento

Nem todo paciente com queixa de insônia precisará passar por um exame de polissonografia, entretanto, a insônia pode ser um sintoma de outro transtorno. Por exemplo, alguns pacientes com apneia do sono ou com narcolepsia podem interpretar seus despertares frequentes como insônia quando, na verdade, fazem parte de outro problema.

“Na correta interpretação da queixa de insônia são fundamentais a história clínica e o exame físico detalhados, procurando estabelecer relação da insônia com outros achados clínicos para chegar ao diagnóstico do problema”, diz.

O especialista explica que, caso exista suspeita de algum distúrbio primário do sono, pode ser solicitada polissonografia onde serão monitorizados os parâmetros do sono, quantidade de horas dormidas, eficiência do sono e se há alguma causa que leve o paciente a despertar durante a noite.

“Uma vez estabelecido o diagnóstico existem várias opções de tratamento, seja medicamentoso, seja através de terapias cognitivo-comportamentais, sendo indispensável o acompanhamento médico adequado. No tocante aos medicamentos, atualmente dá-se preferência aos medicamentos que não provocam dependência e poderiam ser reduzidos ou retirados futuramente”, finalizou.

Alberto Iglesias é médico Psiquiatra e Membro Titular da Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP

 

Dormir bem é uma necessidade física
De acordo com o psicólogo Alberto Iglesias, insônia é a dificuldade de iniciar ou manter o sono
Segundo ele, a falta de sono pode ser causada ou agravada por outras condições como Depressão, Transtorno da Ansiedade.
Comentários
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!