Por Gildo Júnior
Em 15/06/2019

EDITORIAL

Este mês de junho preparamos uma matéria repleta de informações sobre um pouco de cada região de Roraima, suas belezas, peculiaridades, lendas e histórias. Conheça Roraima ao Extremo.

CONHECENDO COM SEGURANÇA

Ao chegar numa determinada região, com guias de turismo local ou por agência de turismo, procure conhecer o local, sua cultura, seu povo, seu artesanato, sua culinária, suas lendas e histórias.

Caso viaje para um determinado local, para conhecer, com amigos e/ou família, ao chegar na região, procure o Centro de Atendimento ao Turista – CAT, ou por grupos de guias locais, para te levarem a conhecer a região de uma forma que ainda não conhece.

Nunca se aventure sem segurança, não vá a locais sem pessoas qualificadas para te guiar até lá. lembre sempre de avisar às pessoas que estão lhe acompanhando em viagem, que está indo para determinado rumo e delimite um tempo para retorno.

Lembre que existem locais como cachoeiras e/ou encostas de paredões que podem ser escorregadios, ou que em um deslize, venha a cair, causando um acidente que dependendo a situação, pode levar a óbito, todo cuidado é pouco.

Ao viajar, faça revisão em seu veículo, verifique seu estepe, leve seus medicamentos, informe às pessoas que viajam contigo sobre algum tipo de alergia, mantenha-se hidratado e curta bastante a região.

CONHECENDO RORAIMA

Roraima é uma terra de muitas belezas, muitas ainda inexploradas e outras com um potencial gigantesco para o turismo, só que ainda faltam estudos para o desenvolvimento destas regiões.

Em Roraima temos no Cantá a Fazenda Castanhal para receber turistas que amam o conforto e belas fotografias e a Serra Grande para aqueles que curtem atividades mais aventureiras, como o trekking, camping, e até mesmo o rapel na cachoeira do Urubu Rei, além é claro da observação da fauna e flora. E, vale lembrar que no Cantá, podemos tomar o conhecido caxiri e experimentar da deliciosa e ardente damorida, na Comunidade Indígena da Malacaxeta.

No Bonfim, temos o Buritizal Grosso, um lago com uma pequena ilha no meio, além de alguns igarapés que são ótimos para refrescar o corpo, e também o turismo de compras na cidade de Lethen, no lado da Guiana, fronteira do Brasil.

Já em Normandia, podemos aproveitar o belíssimo Lago Caracaranã (que faz parte da reserva indigena Raposa Serra do Sol), com lendas fantásticas e águas deliciosas e cristalinas, perfeitas. A cidade de Normandia nos reporta a uma história que parecem contadas em filmes, além de seu rio caudaloso.

Mais ao norte, temos a cidade de Pacaraima, fronteiriça com a Venezuela, levando muitos turistas a conhecerem as belezas da Gran Sabana e de lá, quem sabe seguir para o Monte Roraima e, ainda em Pacaraima, temos a comunidade de Nova Esperança que cuida das cachoeiras da Onça e do Macaco, também do Caminho das pedras pintadas, lembrando que além destas cachoeiras existem muitas outras, mas para todas, é necessário a solicitação das comunidades indígenas para acesso às mesmas.

Já o município com acesso mais difícil, o Uiramutã, com águas que regem o acesso a estrada, temos as mais belas paisagens de nosso Estado, como dizem, tudo que é mais difícil é mais bonito, o Uiramutã é a realidade desta frase, com cachoeiras sensacionais (que ficam em área de reserva indígena), animais, inclusive os cavalos lavradeiros, os conhecidos cavalos selvagens, a região da Água Fria, a serra do Sol e ainda os 10% brasileiro do Monte Roraima, pois é onde fica localizado o Parque Nacional do Monte Roraima.

Não poderíamos deixar de lado o Sul do Estado, com os municípios de Caroebe, São João do Baliza, São Luiz do Anauá, que compreendem zonas de fazendas que escoam alimentos para nosso Estado e fora, além da represa de Jatapú, a região também tem ótimos rios para a pesca, cachoeiras e uma fauna e flora riquíssima.

Rorainópolis, um dos maiores municípios de Roraima, faz divisa com o estado do Amazonas, comporta a reserva indígena Uaimiri-atroari, grandes rios, muitas cachoeiras e é com certeza uma região que tem um potencial gigantesco para absorver o turismo regional, além de comportar a Floresta Nacional do Anauá e o Marco Zero, da linha do Equador.

Já a região de Caracaraí comporta diversos Parques e Unidades de Conservação, entre eles está o Parque Nacional do Viruá, da Serra da Mocidade, do Niquiá. Faz divisa com o Estado do Amazonas e com a Guiana Inglesa. O município de Caracaraí também é conhecido mundialmente pela pesca esportiva de tucunaré na área do Água Boa do Univini.

Boa Vista, maior município e também capital de Roraima, conhecida por suas praças e rotatórias, tem lindos lugares a se visitar, entre eles o Parque Anauá, Bosque dos Papagaios, Praça das Águas, Praça do Mirandinha e Orla Taumanã, ótimos locais para encontrar com sua turma e fazer lindas fotos para recordação.

Hoje em dia é tomada por atividades esportivas noturnas como a bike e corrida, o ponto mais visitado para prática dessas atividades é a Avenida Ville Roy.

Há também os que aproveitam as águas do Rio Branco para a prática de Wind Surf, com nosso amigo Babazinho, que também aluga caiaques. Outra atividade muito praticada aqui em Boa Vista, um bom roteiro é fazer com quem sabe a descida por baixo da ponte sobre o rio Cauamé, até o porto do Babazinho e também há nossos amigos que fazem o wake surf. Sem falar nos que apenas curtem um delicioso banho em nosso Rio Branco, pela praia grande ou até mesmo na região do Água Boa, lembrando também do Igarapé Murupú (não esqueça do repelente) e do Lagoa Azul, região do Monte Cristo e Lago Azul, na vicinal do Limão a uns 40km de nossa capital, vale ressaltar que os lagos estão dentro de áreas particulares.

Outra atividade muito praticada é o rapel, a tirolesa e o pêndulo sobre a ponte dos Macuxis ou até mesmo sobre a ponte do rio Cauamé, para iniciantes.

O paraquedismo, na área do Água Boa, sítio Barra do Vento, onde além dos saltos feitos por profissionais, também sempre ministram cursos, a todos que desejem aprender.

Saindo de Boa Vista, que ainda temos muitas outras atividades para citar, que trabalharemos em outras matérias, seguimos rumo ao Alto Alegre, começando pelo Eco Parque, um parque das águas ótimo para a família e para o descanso, com chalés que acomodam bem seus visitantes e um ótimo local para a pesca. Tem também o conhecido igarapé do Au Au, com suas águas deliciosas e transparentes além de uma praia de areia fina e branca. Seguindo ainda pela região do Alto Alegre, conhecemos o Paredão, um local, com algumas cachoeiras, é uma região que com certeza tem um grande potencial turístico.

Já o município de Mucajaí é conhecido pelo evento cultural Paixão de Cristo, que aproveita a formação rochosa da região para a encenação da crucificação. Além do rio, violento em algumas áreas, ainda pouco utilizado para práticas de caiaque extremo e em outras áreas mais calmo, tido como bom para a pesca. Tem na região do Tamandaré o Adventure Parque, um parque repleto de atividades radicais, como o rapel, a tirolesa, o arvorismo e muitas outras. Na região do Apiau, com algumas das mais lindas cachoeiras da região.

De Mucajaí descemos para Iracema, que comporta a região de Campos Novos, outro local com um potencial gigantesco para o turismo em nosso Estado, devido a Serras e Cachoeiras presentes na região. O município também apresenta outro potencial turístico, ainda pouco explorado, que é o turismo rural.

E para completar os 15 municípios de Roraima, deixei para finalizar com Amajarí, seguindo para o Tepequém, para mim, uma das mais belas regiões de nosso país e com tudo próximo, aconchego, hotelaria, restaurantes, guias de turismo, lendas, histórias e tudo podendo ser contado ao redor de uma fogueira na pousada de nossos amigos Japão e Gisele, um pouco antes da ponte, que liga a vila do Paiva, e uma comida deliciosa no restaurante da Irmã Regina, além de mais de oito atrativos, entre cachoeiras, igarapés, enseadas e platô. No Amajarí ainda nos reporta a Estação Ecológica de Maracá, uma região conservada e protegida pelo ICMBio, Instituto Chico Mendes da Biodiversidade, com animais fantásticos, mais parece um zoológico ao céu aberto, vale lembrar, que somente estudantes e pesquisadores são permitidos na Estação Ecológica, e com prévia solicitação. Também tem como atração a Pedra Pintada, dentro da Reserva São Marcos.

Vale ressaltar que a visitação em área de reserva indígena ainda está sendo elaborada para algumas regiões do Estado, pelo Departamento de Turismo (Detur) da Seplan (Secretaria Estadual de Planejamento de Desenvolvimento)com algumas comunidades indígenas, Funai e Ministério Público Federal (fonte FolhaBV).

Bom meus amigos, queria poder escrever mais, mas por hoje, é o que temos para vocês. Espero que tenham gostado e aproveitem para ir logo se preparando para sua próxima viagem com seu Roraima ao Extremo.

BÓRA VIAJAR?

A Clube Native está com o pacote Gran Sabana – O Retorno, para os dias 1 e 2 de junho, um final de semana que promete muitas cachoeiras e muita adrenalina. O pacote está custando R$ 210,00 e inclui: translado de Boa Vista à Gran Sabana e retorno, hospedagem e os melhores guias locais. Contato 98102-0913 e 98120-9459, ou pelo Instagram @clubenative.

INSTAGRAM RORAIMA

A foto selecionada da semana foi a da @_lanemooreira, publicada no Instangram @roraimaaoextremo e obtida por meio da hashtag #roraima. Uma foto mostrando o prazer de estar na Serra Grande. Quer que sua foto seja a próxima a estar aqui na coluna Roraima ao Extremo? Faça uma com o tema belezas naturais, turismo, esporte ou aventura em nossa região e, ao publicá-la no Instagram, adicione a hashtag #roraima. Assim, nossa equipe selecionará a melhor foto da semana. Quem sabe não será a sua a próxima a estar aqui!
 
Entre em contato com nossa equipe pelo e-mail roraimaextremo@gmail.com ou visite nossa Fan Page www.facebook.com/roraimaaoextremo, enviando-nos suas sugestões. Um grande abraço e até a semana que vem, com muito mais turismo e aventura aqui no seu Roraima ao Extremo.

Gildo Júnior
Desde: 2000-01-01
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Roraima ao Extremo
+ Ler mais artigos de Roraima ao Extremo