Por Parabólica
Em 17/01/2020

Bom dia,

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) presidiu ontem, quinta-feira (16.01), no Palácio do Planalto a solenidade de passagem de comando da Operação Acolhida, criada no governo de Michel Temer (MDB), para acolher humanitariamente os imigrantes venezuelanos que fogem da miséria criada por Hugo Chávez e ampliada pela sua criatura, o ditador Nicolás Maduro. Levar uma solenidade, aparentemente comum para a sede do governo federal e torná-la presidida pelo próprio mandatário máximo do país não é coisa pouca e deve ser vista também com muito simbolismo.

Tomara a grandiosidade concebida e executada para essa passagem de comando da Operação Acolhida também seja acompanhada de total remodelação, de concepção e execução, desse programa cujos resultados; após mais de um ano de existência, e do dispêndio de recursos públicos que beira a meio bilhão de reais; revelou-se flagrantemente insuficiente para produzir os resultados que dele se esperavam. Números revelados pelos próprios executores dela em Roraima mostram que apenas cerca de 15% da população imigrante de venezuelanos foi alcançada.

De forma um pouco dissimulada o governo federal reconheceu isso, tanto que já no segundo semestre de 2019 anunciou que a ênfase dos trabalhos de acolhimento seria dada ao trabalho de interiorização dos imigrantes, ou seja, seria a transferência deles para outras unidades da federação brasileira. Após cerca de quase quatro meses desse anúncio, no entanto não foi implementada qualquer ação reveladora da mudança de metodologia da Operação Acolhida. Tomara que agora, com a mudança de comando, as coisas comecem a acontecer.

ATÉ JUNHO

Na verdade o mais exitoso e barato dos programas de acolhimento de imigrantes venezuelanos foi aquele idealizado e executado pelo empresário Carlos Wizard. Com a ajuda de um grupo muito pequeno de pessoas -inclusive com a colaboração de própria esposa-, Wizard sem utilizar qualquer centavo de verba pública encaminhou para outros estados brasileiros mais de 8.000 venezuelanos. Desde o final do ano passado, o empresário tem tentado dinamizar esse trabalho, mas não tem conseguido o resultado que ele próprio esperava. Fontes da Parabólica dizem que Wizard fica em Roraima só até o próximo mês de junho.

CRISE

Observadores experientes na política local dizem ser urgente uma tomada de posição do governador Antônio Denárium (sem partido) para amenizar a crise instaurada na Polícia Civil do estado. O clima é tão tenso entre os principais protagonistas da crise, com punições, distribuição de dossiês, ameaça de tragédia e ofensas pessoas. O estilo pessoal do governador Antônio Denárium, chamando para si a administração dessa crise, quando deveria exigir de seus auxiliares que conduzissem as negociações, levou a uma situação que só ele pode tomar as medidas necessárias para que tudo volte ao normal no âmbito da polícia judiciária do estado.

SEM FIO

Tem muita gente achando que o anúncio feito pela presidente Jair Bolsonaro de que estará indo no próximo mês de fevereiro aos Estados Unidos da América  para conhecer a tecnologia que permite a transmissão de energia sem necessidade de rede física é um balde de água fria na expectativa de que o início da construção do Linhão de Tucuruí estaria próximo. Na verdade, quase ninguém conhece essa tecnologia, e mesmo que ele seja viável quase tudo voltaria à estaca zero, com a necessidade de novo projeto de engenharia e de realização de novo leilão promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

RÁPIDAS

Além de mandar a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Estado (ALE) entregar ao deputado estadual Soldado Sampaio (PC do B) documentos de gravação de sessões que devem, por natureza, serem públicas, o desembargador Almiro Padilha passou uma reprimenda ao comportamento dos parlamentares. ### Os delegados Herbert Amorim e Márcio Amorim - apesar do nome não são parentes-, acompanhados da jornalista/escrivã de polícia Sandra Gomes, visitaram, ontem, a redação da Folha. ### Fontes da Parabólica disseram que os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE) não ficaram satisfeitos com os valores consignados na Lei Orçamentária Anual (LOA) 2020 para aquela instituição. Além de insuficiente, o pouco do acrescido através de emendas dos deputados estaduais não é considerado teto para o Orçamento de 2021. ### “Tem algumas organizações não governamentais (ONGs) que torcem para que não seja resolvido o problema dos imigrantes venezuelanos. Muita gente vive e ganha dinheiro por conta dessa tragédia humana. ###   A expectativa entre políticos e empresários é de que o Diário Oficial do Estado (DOE) tenha circulado hoje, sexta-feira (17.01), trazendo a sanção do governador Antônio Denárium da Lei Orçamentária Anual 2020.   

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica