Por Parabólica
Em 27/11/2020

Bom dia,

Hoje é sexta-feira (27.11). Esta é a última edição da  Parabólica antes da votação, em segundo turno, da eleição para o novo prefeito de Boa Vista. No domingo (29.11) os boa-vistenses vão escolher entre Arthur Henrique (MDB) e Ottaci Nascimento (Solidariedade) quem vai administrar a Prefeitura Municipal de Boa Vista pelos próximos quatro anos. Os políticos são quase sempre muito competentes em criar no subconsciente popular, valores que eles dizem ser fundamentais para a democracia, mas que no fundo servem aos seus próprios interesses. É sobre isso que queremos escrever nesta antevéspera da votação.

Nesta, e em outras eleições anteriores, a propaganda de quase todos os candidatos, e seus marketeiros, fizeram a população acreditar que numa eleição os adversários não podem fazer críticas entre si, especialmente àqueles candidatos com forte retaguarda de mídia, ou que tenha alguma informação política e pessoal que desejam impedir que a população tome conhecimento. A campanha tem de ser feita com base em propostas, dizem os defensores dessa tese, o que pode transformar a eleição num campeonato de pinóquios. É claro, ninguém discute que candidatos tenham que fazer propostas e promessas, inclusive, todos eles são obrigados a encaminhar para a justiça eleitoral seus planos de governo.

De qualquer forma, as propostas de candidatos precisam ser depuradas e sujeitas as lentes críticas dos adversários, senão eles prometem ladrilhar ruas com pedrinhas de brilhantes, ou sem exagero, fazem promessas que não se sustentam frente as possiblidades orçamentárias, o que quase sempre são desconhecidas da esmagadora maioria da população, e até mesmo de alguns candidatos. Por outro lado, é preciso que eleitores/eleitoras saibam das condições políticas e pessoais dos candidatos para fazer cumprir aquilo que prometem. Por isso, é essencial que também exista uma campanha com críticas à conduta, especialmente pretérita dos candidatos; bem como de quem está em sua ilharga, afinal, o que se espera de quem for eleito é uma postura protagonista e não de pau-mandado, sejam de quem for.

O que se deve condenar com todo o vigor possível é a utilização de mentiras (notícias falsas) especialmente aquelas que atingem a honra dos contendores. Combater com rigor a utilização de bandidos, travestidos de blogueiros, que recebem dinheiro -muitos com recursos de origem pública-, para elogiar seus financiadores e mentir sobre os adversários. E infelizmente, o que se tem notado é que está sendo cada dia mais comum alguns candidatos fazerem uma campanha “limpa e de propostas”, enquanto seus exércitos de bandidos se encarregam de fazer a campanha suja do pleito. E quase sempre os leitores e as eleitoras não percebem isso.

Outra “verdade” que vem sendo plantada no inconsciente popular durante o processo eleitoral, sobretudo no segundo turno, é que para o fortalecimento da democracia é preciso que o eleitor/eleitora escolha necessariamente entre as duas opções saídas da votação no primeiro turno. No fundo, é mais uma “tese” que só beneficia os grupos políticos em disputa. Votar em branco ou nulo num segundo turno, é tão democrático quanto escolher um dos candidatos em disputa. Um voto sem indicar qualquer um dos candidatos é uma demonstração legítima de quem não concorda com as opções saídas do primeiro turno. Trata-se da manifestação de inconformismo legítimo e legal, afinal se a maioria dos votos for nula, a eleição pode ser anulada. E não estamos dizendo ser este o caso de Boa Vista; pelo menos pela projeção dos resultados apontados pelas últimas pesquisas.

VISITA

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, visitou ontem, a capital da República Cooperativista da Guiana, Georgetown. Depois de uma audiência onde foi recebido pelo presidente Irfaan Ali e pelo vice-presidente Bharrat Jagdeo, daquele país, Ernesto Araújo assinou, com o ministro da Cooperação Internacional e de Negócios Estrangeiros,  Hugh Todd, uma série de acordos de cooperação binacional envolvendo vários temas de mútuo interesse. Entre os acordos foram tratados: retomada as conversas em torno do asfaltamento da estrada ligando Boa Vista-Georgetown; o combate a Covid19; o enfrentamento à Mosca da Carambola; o combate a crimes na fronteira entre os dois países; o acordo internacional de transportes de passageiros; e a luta pela democracia no Continente.

INTERESSE

Quase todos os temas tratados entre Ernesto Araújo -que foi a Georgetown com uma comitiva de 13 servidores, incluindo representantes da Polícia Federal-, e Hugh Todd são do interesse direto do estado de Roraima. Por isso, estranha que o chanceler brasileiro não tenha convidado o governador Antônio Denárium (sem partido) -que estava no mesmo dia cumprindo agenda de reuniões-, para compor a comitiva brasileira que foi a capital da República Cooperativista da Guiana. Ernesto Araújo prometeu ao presidente guianense programar uma visita àquele país do presidente brasileiro Jair Bolsonaro (sem partido).

TRANSFORMADOR

O Ministério das Minas e Energia anunciou que será levado para Macapá um transformador que está em Roraima como reserva. Ontem, um leitor da Parabólica disse que realmente viu uma carreta carregada com um equipamento de razoável tamanho, e formado de transformador estacionada em frente ao posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF) da BR-174, na direção Sul da rodovia. O veículo, segundo o leitor, estava com a frente voltada para Manaus. E Roraima, diga-se de passagem, não pode se gabar da segurança energética que tem.                            

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!