Por Parabólica
Em 21/02/2020

Bom dia,

Ufa! Em que país estamos vivendo? Num Brasil onde o chefe de Estado perde a compostura para ofender uma jornalista, que foi vítima de uma insinuação partida de um sujeito sem credibilidade, que a acusou de tentar assediá-lo sexualmente em troca de “furo” jornalístico? Ou num Brasil onde algumas senadoras e deputadas federais – que silenciam quando ofensas tão piores são feitas por gente da esquerda – vão à tribuna do Congresso Nacional para desancar o presidente da República, tentando generalizar para todas as mulheres as grosserias dirigidas a uma jornalista? Ou ainda, num Brasil onde um ex-governador e atual senador, Cid Gomes (PDT-CE), monta numa escavadeira para derrubar o portão de uma unidade da Polícia Militar e é recebido à bala por militares amotinados? Ou ainda, no Brasilonde um deputado federal (Eduardo Bolsonaro) vai à tribuna da Câmara dos Deputados para defender o pai – o faz com todo o direito - e fala em mulheres de “grelo duro”, de “cabelo no sovaco”, recebendo também ofensas no mesmo tom?

Com certeza, este é o país que nem de longe gostaríamos de ter, e de morar. Não é sem razão que quase todas as semanas o governo norte-americano manda aviões trazerem de volta ao Brasil, milhares de patrícios que tentam entrar naquele país, em busca de uma vida melhor, mesmo que pela via da ilegalidade, pagando um preço altíssimo em dinheiro e sacrifício pessoal. Também não é sem razão, que aqui e acolá, é comum ouvir de jovens brasileiros e brasileiras dizerem que estão arrumando as malas para morar na Europa, especialmente em Portugal; no Canadá; Japão; e em tantos outros países capazes de oferecer um ambiente mais propício à vida com dignidade. Até quando?


DIREITO

Neste país de tantas baixarias, parece inexplicável que os políticos brasileiros falem em atentado à democracia, e ao Congresso Nacional, quando o general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) reclama da pressão de congressistas pelo controle do orçamento da União Federal. Apesar do f...., Augusto Heleno, como ministro e como cidadão, tem total direito em dizer que essas pressões não são compatíveis com um regime presidencialista; e que se os parlamentares querem mandar no orçamento federal, que mudem a Constituição e instaurem o regime parlamentarista no Brasil. Não dá para ver nessas palavras qualquer ameaça à democracia tupiniquim.


CANDIDATURA

Fontes da Parabólica garantem que é mínima a probabilidade do deputado federal Haroldo Cathedral (PSD) ser candidato à Prefeitura Municipal de Boa Vista (PMBV) nas próximas eleições municipais. Se depender da vontade dele, o candidato de seu partido ao cargo será seu filho, o advogado e presidente do Instituto de Previdência de Roraima (IPERR), José Haroldo. Apesar de já estar conversando com correligionários sobre sua candidatura à PMBV, as mesmas fontes da Parabólica garantem que ele não teve, até agora, qualquer conversa com a prefeita Teresa Surtia (MDB) sobre as eleições.


AFUNILANDO

De uma fonte bem situada e informada nos bastidores políticos do Palácio 9 de julho, a sede do poder na PMBV, ouvimos a seguinte afirmação: “O negócio está afunilando e Teresa, que é sem dúvida a maior cabo eleitoral nas próximas eleições, está ficando com poucas opções. Acho que a escolha ficará entre Romero Jucá, Arthur Machado Filho e Zélio Mota Filho. Mas, como a rejeição de Jucá ainda é muito grande, ficam apenas os outros dois nomes”. No fundo, só o tempo vai dizer quem será o escolhido.


VOLTANDO 1

Em Roraima tudo deve ser tratado com cuidado, em especial quando falamos de redes sociais. Muitas agências tradicionais no estado migraram para a "febre" de que as redes sociais resolviam tudo, mas aos poucos vemos essas mesmas empresas migrarem de volta para as mídias tradicionais. Sites de jornais passaram a receber anúncios enquanto as redes seguem na sua perda de credibilidade, por ignorar fontes ou criar um mundo de fakes. Sem contar que parte dessas redes está sendo processada por utilizar o material produzido pelas empresas jornalísticas, sem citar fontes ou manter contratos.

VOLTANDO 2

Além dos sites de jornais, televisões e rádios vêm recebendo constantes investimentos e a volta de alguns clientes que migraram das mídias tradicionais para as mídias digitais. Não queremos dizer que as mídias digitais não funcionem, mas alertar que um "mundo sem lei" espanta marcas e anunciantes, ou seja, compromete o futuro de quem investe sem cautela.

EXEMPLO

Exemplo desse tipo de mudança ocorre na Prefeitura Municipal de Boa Vista. Desde a mudança que ocorreu na Secretaria Municipal de Comunicação, os veículos de comunicação que têm responsabilidade jurídica e pagam salários a seus profissionais voltaram a ser tratados como tal, com respeito e recebendo as demandas que solicitam, coisa que não acontecia já há algum tempo.



Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica