Por Doutor Finanças
Em 11/06/2019

Editorial

Começar a falar de dinheiro em casa não é tarefa fácil para muitas famílias, sabemos disso. Mas quando escolhemos constituir uma família, um dos fatores de para manter é o diálogo e uma boa comunicação sobre o assunto finanças. E esse assunto deve ser algo continuo no dia a dia da família juntamente com outros temas importantes. 

Educação financeira começa com exemplos dentro de casa 

Já que estamos falando de família e isso incluem filhos nada melhor do que ensinar desde de cedo a como administrar suas finanças. Costumo dizer que se tivéssemos empreendedorismo e educação financeira na escola estaríamos em outro patamar de sociedade educada voltada aos assuntos citados. 

Pois bem, sabemos que muitos pais e mães não sabem lidar com esse assunto em casa, e nem como envolver os filhos, que ainda crianças, na conversa ou como ensiná-los. É importante pensar que falar de dinheiro não é feio e também não pode ser encarado como “trazer problema para casa”, mas sim dar exemplos do que é certo e errado em como não administrar o dinheiro.  

Estou dizendo isso, pois muita gente evita falar do assunto na hora do café, almoço ou janta. Prefere não comentar nada do assunto, pois imaginam que isso significa o anúncio de um problema nas contas ou que é um assunto apenas para adultos. 

Falando sobre dinheiro. Lembrem crianças são curiosas e prestam mais atenção em conversas e situações do que imaginamos.  Mas muitas pessoas me perguntam, quando começar a falar de dinheiro? 

A decisão é dos pais que decidem quando começar a falar do assunto,  desde levar o seu filho(a) a um passeio, uma viagem de férias, a escola, a um supermercado ou mesmo para qualquer outro lugar, e, hoje em dia qualquer outro lugar está relacionado a dispêndios de recursos até mesmo no momento em que vai se arrumar os pais dizem aos filhos, não demora muito debaixo do chuveiro, então está ou não está relacionado a dinheiro? 

Administração. Outra boa ideia, é separar um pequeno valor para que ele administre seus gastos e comece a ser educado a dar valor ao que realmente é necessário naquele momento. 

Quanto mais cedo melhor!!! O tema educação financeira infelizmente não é tão discutido na escola, mas enquanto mais cedo tiver inserido na responsabilidade do ambiente familiar melhor. 

O ideal é inserir já desde muito cedo mesmo na faixa etária de 3 a 5 anos que as crianças já começam a pedir as coisas e nada melhor que usar esses momentos do “eu quero, eu quero”, para começar a orientar o que é preciso de dinheiro para comprar as coisas que que ele vem de muito esforço de trabalho do papai ou da mamãe. 

#Dicaslegais

As experiências e ensinamentos inseridos na infância farão toda a diferença na formação do seu filho na fase adulta. 

Passo a Passo

  1. Aborde de forma natural o assunto dinheiro; 
  2. Relacione-o com os temas que a criança tem interesse ou algo que deseja ter;
  3. Aproveite os momentos de laser para dar os exemplos;
  4. Oriente a como poupar para adquirir algo;
  5. De exemplos dentro de casa em como economizar e evitar desperdícios (tv ligada sem que ninguém esteja assistindo);
  6. Procure leva-lo ao supermercado, peça ajuda na hora das compras dando-lhe a tarefa de identificar os preços e controlar os valores.

O que não fazer: 

  1. Não relaciona a palavra dinheiro a coisas negativas;
  2. Não evite de falar sobre dinheiro, fale e explique de forma clara e objetiva;
  3. Não dê tudo que a criança pede, mesmo que você tenha condições;
  4. Mantenha a palavra dita, dizendo que não vai dar dinheiro e logo cede o valor. 

Para educar os filhos todos nos sabemos que não é fácil hoje em dia com a quantidade de informações, porem ter paciência, amor e dedicação para explicar o porque que você não vai comprar aquele tênis caro que pisca na sola, é fator determinante na hora de educar e mostrar o motivo e explicar de uma maneira que a criança entenda que ir ao shop não necessariamente tem que gastar. 

O poder da mesada 

O tema é polemico e divide as opiniões dos pais em dar ou não dar uma mesada, porem essa ainda é uma maneira poderosa de ensinar a como administrar o dinheiro e potencializar o aprendizado e as atitudes que as crianças terão com o esclarecimento da educação financeira em sua vida. 

Idade ideal

Para realmente entender, valorizar e ter sentido em administrar o seu próprio dinheiro o importante é a partir dos 6 anos já é possível ter o habito da mesada, sendo que de uma maneira simbólica representar a valorização e o esforço da criança frente as suas atividades diárias, escolares e comportamentais. De qualquer forma a idade certa para que a criança inicie a obter o envolvimento com o dinheiro deve ser feita pelos pais. 

Dica: Qualquer decisão de dar ou não a mesada, é importante ser tomada após uma conversa com a professora da escola, para saber a opinião dela em relação aos outros colegas e também servir de parâmetro de comparação para inserção desse assunto junto aos seus filhos. 

Quanto é o valor da mesada? 

Parece complicado, mas a dica é : dê o suficiente para que eles possam comprar o essencial, coisas que realmente querem e que ao mesmo tempo possam poupar. Pode ser um valor simbólico desde que não interfira no orçamento familiar e faca valer a máxima de dar valor ao dinheiro que não veio de graça e sim de muito esforço e suado do dia a dia. 

Há que oriente a dar um valor semanal, quinzenal ou mensal. Para nossa realidade brasileira nada que ultrapasse os R$ 50,00 (cinquenta reais) mensais. Um vão dizer pouco outros vão ficar calado e outros vão achar bom, mas o ideal é que sirva de lição de como administrar e independente se é muito ou pouco. 

Outro detalhe é remunerar conforme o desempenho na escola ou comportamento, sendo assim vale a pena mensurar. 

Qual melhor investimento para o meu filho?

Hoje em dia ter uma poupança tradicional para o seu filho é importante para educação financeira uma vez que você vai criar um hábito de poupar importância e ter uma reserva acumulada para o futuro que possa garantir uma tranquilidade financeira para seu filho. 

Hoje com a com as oportunidades que existem no mercado financeiro é muito mais interessante por questões de rentabilidade aplicar em outras opções de investimento como o tesouro direto IPCA+ que possuem prazos 2025, 2035 e 2045 que é um investimento de médio, longo prazo, seguro e rentável. 

O Tesouro IPCA+ rende conforme a sua taxa fixa e a variação da inflação. E isso é igual nos dois tipos de Tesouro IPCA.

A diferença é que um paga a rentabilidade apenas no vencimento e outro paga rentabilidade a cada seis meses.

Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal)

Ele funciona exatamente como um investimento qualquer em renda fixa. Com o passar dos anos, osjuros compostos multiplicam o patrimônio de uma forma previsível.

Ele é muito recomendado se você quer garantir uma boa aposentadoria, mantendo seu rendimento acima da inflação com o passar dos anos.

E caso você entenda um pouco de investimentos de renda fixa, essa é a melhor aplicação para você a médio prazo, esperando que a taxa Selic tenha tendência de baixa, para vender antes do vencimento.

Mas caso ela tenha tendência de permanecer igual ou subir, é recomendado investir no Tesouro Selic ou no Tesouro Prefixado.

Tesouro IPCA+ Juros Semestrais (NTN-B)

Esse título federal funciona de forma muito semelhante ao Tesouro IPCA+ comum. A sua diferença está no pagamento de juros antecipados, a cada seis meses.

Em vez de receber toda a rentabilidade na data de vencimento, ela é adiantada. Assim, você não precisa esperar até a data do vencimento para poder utilizar o rendimento da sua aplicação.

Pode ser uma ótima opção para quem precisa de uma renda extra ao longo dos anos, corrigida pela inflação mais uma taxa prefixada. É uma boa escolha levando em consideração os longos prazos de vencimento.

Algumas pessoas gostam de ter esses juros antecipados para reinvestir o dinheiro em outros ativos.

Todavia, se você não precisa desse rendimento a cada seis meses e não pretende reinvestir, o mais indicado deixar o rendimento aplicado no Tesouro NTNB Principal. 

Dessa forma, o montante a ser resgatado no final do período será maior pela ação dos juros compostos.

Como ocorre a incidência do Imposto de Renda em cada cupom recebido, a rentabilidade tende a ser menor do que o Tesouro IPCA+ comum.

A alíquota é regressiva como em todos os investimentos. No primeiro pagamento, ela será de 22,5% até chegar em 15%, acima de 720 dias de aplicação.

https://blog.rico.com.vc/tesouro-ipca-o-que-e

Quando fazer o investimento? 

A resposta é simples e curta, o mais cedo possível desde que o investimento esteja atrelado a um objetivo, e que desde cedo possa esta incentivando o seu filho ao ato de planejar investir mais cedo e ser recompensado.

Nada melhor do que sentir o papel de pai mãe que foi cumprido não é mesmo?

Nada melhor que educar os filhos hoje para saber lidar em como melhor administrar o dinheiro sem deixar de lado claro todo o carinho afetivo em sua vida, junto com amor cuidado em educação que todos os pais devem ter com os seus filhos afim de buscar uma boa educação financeira que quando ele estiver adulto e muito mais maduro suas chances de realizar seus objetivos serão fundamentais nesse processo de educação familiar que terá grande chance de construir uma família sem problemas financeiros no futuro.

Doutor Finanças
test2@test.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Finanças
+ Ler mais artigos de Finanças