Por Fabiano de Cristo
Em 20/04/2020

Bom dia,

Hoje é segunda-feira (20.04). Semana, em Roraima, que deveria começar -contando só os dias úteis- hoje, teve o início, no que se refere ao funcionamento dos órgãos públicos postergada para quarta-feira (22.04), deixando-a reduzida a apenas três dias úteis. Tudo porque governo estadual e a prefeitura da capital decretaram ponto facultativo nas repartições públicas nesta segunda-feira, antecedendo o feriado de amanhã, dedicado a Tiradentes -o dia de sua morte-, o maior herói da Inconfidência Mineira, uma tentativa de apartar o Brasil de Portugal, ainda no Século XVIII. E estamos relembrando isso porque, seguramente, muita gente já esqueceu desses fatos desde quando a dedicação às redes sociais passou a ser o principal foco da população tupiniquim, especialmente dos jovens.

Aqui, como em grande parte do território nacional, não tem muita importância a fechamento das repartições públicas. Elas estão, faz mais de três semanas, quase paradas desde que foi decidido o tal do isolamento social, e de mais a mais, faz tempo que boa parte das repartições públicas não executam qualquer política pública digna deste nome. Os dois decretos de ponto facultativo já excetuam as atividades essenciais, que de resto, não podem parar, sobretudo nestes tempos de pandemia da Covid-19.

Mesmo que se tenha um senhor fim de semana prolongado (quatro dias seguidos), o Brasil acorda nesta segunda-feira um pouco assustado com manifestações populares, que teve a presença física do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), que pediam abertamente a volta da ditadura como solução mais imediata dos nossos problemas políticos e institucionais. Foram comuns igualmente manifestações que pediam a fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF). Isso tudo assusta, especialmente os mais velhos que ainda têm na memória o tempo de jumbo, com quase aniquilamento das liberdades, tanto pessoais quanto institucionais. 

ESPERADA
Para quem tem um mínimo de percepção do mundo da política, não foi surpresa o pedido de exoneração da secretária de gestão social da Prefeitura de Boa Vista, Simone Queiróz. Seu marido, Marcelo Cabral, embora continue filiado ao MDB, da prefeita Teresa Surita, virou líder do governador Antônio Denárium (sem partido) na Assembleia Legislativa do estado (ALE), de quem tem se aproximado bastante nos últimos dias. Como Denarium, faz uns três meses, afirmou que não teria diálogo com a prefeita de Boa Vista e com o ex-senador Romero Jucá, que preside regionalmente o MDB, em torno das eleições municipais deste ano, não mais lógico do que a saída da secretaria de gestão social da PMBV.

ACABOU?
Com a participação pessoal do presidente da República, Jair Bolsonaro, a presença de milhares de brasileiros nas ruas e avenidas das principais cidades brasileiras parecem ter, na prática, acabado com o isolamento social, que legalmente ainda está em vigência por decisão do próprio Ministério da Saúde, e de vários governadores e prefeitos do Brasil. No fundo, o presidente mandou um recado muito forte aos ministros do Supremo Tribunal Federal no sentido de mostrar quem, realmente, manda no país. Semana passada, os ministros haviam decidido, por unanimidade, que era competência concorrente de governadores e prefeitos, a definição dos termos e da duração do isolamento social e outras práticas de combate ao Covid-19. Bolsonaro, para o bem, ou para o mal, colocou o povo na rua, sem máscaras; junto e misturados. E agora?

RÁPIDAS
Quase ninguém chama a atenção para o fato de que, em Roraima, o número de mortes em decorrência da Covid-19 é o mesmo, três, faz quase três semanas. É um fato que alegra todos nós, e de alguma forma, algum mérito deve ser atribuído aos profissionais de saúde do estado. ### A semana começa sob a expectativa de que, contra a vontade de muitos governadores e prefeitos/prefeitas, as atividades econômicas no Brasil começarão a voltar à normalidade. Caso isso aconteça, sem dúvida, será uma vitória política, de Jair Bolsonaro, que defende o isolamento apenas horizontal, aquele que deixa em casa apenas os grupos de risco. ### Nem tudo o que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, diz, ou faz, é fruto de arroubo pessoal. No caso da Organização Mundial da Saúde (OMS), que ele cortou a contribuição financeira estadunidense, a postura de seus principais dirigentes é servil no que se refere a China. ### Nunca criticaram, com vigor, a postura do governo daquele gigante asiático, que chegou a ameaçar de prisão o médico -ele morreu semanas depois-, que fez advertência da existência da Covid-19 ### Um repórter da Folha percorreu várias ruas e avenidas de Boa Vista, na tarde de sábado. No Bairro São Vivente, por exemplo, um movimento era intenso com pessoas muito próximas umas das outras, sem o uso de máscara. Na frete de uma residência, que parecia habitação coletiva, cerca de dez pessoas jogavam baralho, gritando a cada carta jogada na mesa. É mole? ### O ex-senador Mozarildo Cavalcanti disse à Parabólica, que mantém sua pré-candidatura à Prefeitura de Boa Vista pelo PTB, mesmo depois do auto lançamento da pré-candidatura, do deputado estadual Jefferson Alves.  

Fabiano de Cristo
jornalista@teste.com.br
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Finanças
+ Ler mais artigos de Finanças