Por Opinião
Em 25/11/2020

NÃO SE CASE ANTES DE LER ESTE POST!

Flávia Oleare*

Na minha “lida” no dia a dia, em regra, atendo pessoas que estão querendo se separar. 

Ocorre que na grande maioria das vezes, o que percebo é que as questões pelas quais as pessoas se separam, SEMPRE existiram, desde o namoro. Alguns poucos exemplos:

O parceiro sempre bebeu sem moderação. E ainda assim, “achando” que o outro dia mudar, casaram-se. Não resolveu. E a mulher engravidou, apostando que após terem uma criança... ah sim, agora, muda! E o que acontece? NADA!

Também acontece do marido, muito apaixonado por uma mulher independente, com boa remuneração, super ocupada por conta do trabalho, admirá-la demais. E sabendo disso tudo, casa. E depois quer se separar porque a mulher trabalha 14 horas por dia e ele quase não a vê.

Outras vezes, o parceiro(a) é estúpido com a mãe, com o pai, com o garçom e com a torcida do flamengo. Mas com ela(e), não é. Não está na cara, que é questão de tempo?

E quem é instável e não para em emprego nenhum e passa a noite jogando vídeo game? Ah, a pessoa pensa... mas é assim quando é solteiro (a), após constituir família, tudo vai mudar.

O interessante é que quando a gente olha de trás pra frente, parece tão simples de ver que o desfecho foi óbvio... Já estava ali, escrito, só não enxergou quem não quis.

Sim, sei que as pessoas podem mudar. Mas elas precisam (i) reconhecer que aquilo é um problema e o mais importante (2) QUERER. Se só quem quer é o outro, nada feito!

Ao tomar uma das decisões mais importantes de toda a vida, que é o casamento, precisaríamos nos valer um pouco mais a razão e menos da emoção, pois certamente tomaríamos decisões mais acertadas.

A experiência profissional, somada a experiência de vida mostram o quanto nós conseguimos nos cegar para situações óbvias e evidentes.

*Advogada civilista, especialista em direito de família e sucessões. É membro da Comissão de Direito de Família e Sucessões e da Comissão de Idosos da OAB/ES. Sócia do escritório Oleare e Torezani Advocacia e Consultoria (www.oleareetorezani.com.br). Email para contato: flavia@oleareetorezani.com.br

QUANTA HIPOCRISIA!   

Marlene de Andrade*   

“A resposta calma desvia a fúria, mas a palavra ríspida desperta a ira.” (provérbios 15:1).    

 A esquerda grita em defesa da igualdade social, mas aí cabe uma pergunta: por que os maiores líderes de esquerda são brancos e cadê essa preocupação com os negros que a esquerda não aparenta ter no dia a dia?  Usar a morte de negros como foi no caso da Marielle e do João Alberto como propaganda política é muita falsidade e cinismo.  

Claro que a morte de Marielle e do João no Carrefour são fatos abomináveis, porém  não por eles serem negros e sim porque eram seres humanos e se o João tinha uma ficha criminal nada recomendável, esse fato é da competência da Justiça e não é por isso que ele deveria ter sido assassinado, ainda mais da forma tão cruel como o mesmo foi espancado até a morte, mas fazer campanha usando esse assassinato é uma verdadeira barbárie.     

Se a candidata comunista Manoela está usando a morte desse homem para ganhar a Prefeitura de Porto Alegre, isso não passa de oportunismo. Os comunistas têm que aprender fazer política sem usar essas falácias, visto que Che Guevara era homofóbico, racista e matava friamente as pessoas e cadê que a Manuela e seus companheiros de partido, que também são comunistas, falam alguma coisa a este respeito?   

Os bandidos que assassinaram João Alberto já estão presos e com certeza vão  pegar muitos anos de cadeia para aprenderem a tratar as pessoas com dignidade, porém comunista não tem moral para levantar esse discurso, a fim de ganhar a simpatia dos negros, pois no partido dessa candidata, não há políticos negros, salvo engano, na direção do mesmo.   

O partido comunista é focado em guerrilhas, tanto é que Trotsky teve que fugir da Rússia para o México, pois estava sendo perseguido por Stalin, o qual enviou Ramón Mercader, para matá-lo  com um golpe de picareta em seu crânio, picareta essa, a qual é o símbolo do comunismo bem estampada na bandeira desse partido.   

Mais de cem milhões de pessoas já morreram vítimas do comunismo, partido esse que é o da Manoela D’Avila e que agora vem a público lamentar a morte do João Alberto. Comunista não tem moral para lamentar a morte desse homem, visto que o comunismo mata friamente e tanto isso é verdade que o governo comunista da Venezuela, amigões do Lula e “cia ilimitada” tem feito o que com os venezuelanos a não ser massacrá-los e os deixar morrer de fome?   

*Medicina do Trabalho/ANAMT-AMB- CFM     

O MARASMO CULTURAL

Afonso Rodrigues de Oliveira*

“No Brasil só há um problema nacional: a educação do povo.” (Miguel Couto)

É só o que falta para que sejamos o país mais desenvolvido do mundo. Está ficando cansativo esse blá-blá-blá político que não tem nada de política. Esse apagão no Pará é um dos mais vergonhosos exemplos da nossa incompetência administrativa. Às vezes fico de queixo caído quando ouço a mídia falando sobre a evolução com o painel solar.

Eu e o Alexandre Magno Rodrigues de Oliveira, meu filho, chegamos a Roraima em junho de 1981. Em dezembro de 1981, já em posse dos lotes de terras, entramos e nos instalamos na Confiança I. Em 1982, assistimos à copa do mundo, em nosso televisor, dentro do nosso tapiri, na hoje, Rodovia BR-432. Tínhamos energia elétrica de qualidade, lâmpadas florescentes, rádio e televisor, com um painel solar. Isso há trinta e oito anos.

À época, ali em frente ao Banco Itaú, havia uma loja que vendia painéis solares, onde obtive o meu. Simples pra dedéu. A loja não existe mais, talvez porque ninguém se interessou pelos painéis. E por conta desse desconhecimento, a lorota, hoje, indica o nosso desinteresse pelo progresso. Meu painel solar não era maior do que este computador que estou usando neste momento.

Gente, vamos acordar. Não há como, dentro da racionalidade, Roraima estar dependendo de energia elétrica, de outro país. Não há como justificar racionalmente, apagão por conta de geradores queimados. Tudo indica que devemos acordar do nosso sono doentio e fazer com que nossa Administração Pública seja mais competente. Mas levemos em conta, primeiramente, que todo resultado que vem da nossa administração pública é responsabilidade nossa. De cada um de nós, como eleitor.

Ainda não aprendemos a ser cidadãos, para podermos merecer o tratamento digno de um cidadão. E nunca o seremos enquanto não nos educarmos. Enquanto não entendermos o valor da política. Porque enquanto não entendermos não seremos entendidos. E ninguém vai nos entender enquanto continuarmos esperneando e fazendo bagunça pelas ruas, alegando ser protestos. Porque na verdade, estamos protestando contra nós mesmos. Porque somos nós os responsáveis pela política que temos. Vamos nos educar respeitando os bons políticos que ainda temos. Mas eles não conseguirão trabalhar enquanto não forem igualados com as nossas escolhas e eleição. Vá refletindo sobre seu dever e poder, na escolha dos políticos que merecemos. Mas temos que mostrar merecimento. E cada um de nós pode fazer isso com dignidade e respeito. E nunca conseguiremos isso com briguinhas comadrescas. Os inteligentes não discutem. Pense nisso.

*Articulista

E-mail: afonso_rr@hotmail.com

95-99121-1460  

Opinião
fale@folhabv.com.br
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!