Por Fabiano de Cristo
Em 30/07/2019

Editorial

Em economia, em linhas gerais, investimento significa a aplicação de capital com a expectativa de um benefício futuro. O que é preciso para começar a investir? O primeiro passo é planejar as suas expectativas: na maioria das vezes, os investimentos dão retorno a médio e longo prazo. Não espere ganhar muito dinheiro do dia para a noite;

O segundo passo é saber que o investimento precisa ser um hábito: separe sempre uma quantia por mês, por menor que seja; O terceiro passo é procurar uma instituição financeira (banco ou corretora) e avaliar as opções que ela oferece.

Começando a investir 

OK, vamos falar de algo importante: os investimentos. O investimento deve ser de acordo com o seu perfil e objetivo, que irá te ajudar a conquistar os seus sonhos, seguindo o planejado, sem prejudicar suas finanças ou fazer com que você precise abrir mão de alguma coisa. Estamos dizendo isso, pois, hoje, com o acesso ao crédito cada vez mais facilitado no mercado, é muito fácil, de uma hora para outra, viajar para um cruzeiro no Caribe e parcelar em 12 vezes, por exemplo. Ou ainda, fazer uma baita festa de casamento e bancar com empréstimo feito pelo banco. 

Porém, decisões como essas irão afetar planos futuros, pois quanto mais nos enrolamos com recursos financeiros de terceiros, menos possibilidades temos para fazer novas coisas ou construir patrimônio. 

Mas onde investir o dinheiro, afinal? 

Com certeza, a poupança deve ser a primeira coisa que veio na sua cabeça, não é? Pois saiba que a poupança, atualmente, não é sinônimo de investi- mento e milhões de brasileiros estão tirando o seu dinheiro dessa tradicional aplicação. Sabe por quê? Porque, no atual cenário, a rentabilidade da poupança não está nem acompanhando a alta da inflação. Dessa forma, você perde o seu poder de compra, pois não consegue comprar as mesmas coisas que poderia no passado, devido à correção da caderneta de pou- pança ser menor do que a inflação. 

Por isso é preciso conhecer outros investimentos de renda fixa e usar a poupança de maneira moderada – isso se você não se sentir confortável em migrar totalmente para outro investimento. 

Investimentos inteligentes – conheça o Tesouro Direto 

Uma opção segura que oferece mais rentabilidade do que a poupança e que também é um investimento de renda fixa é o Tesouro Direto.
O Tesouro Direto é um programa de venda de títulos públicos para pessoas físicas por meio da internet. É como se você emprestasse dinheiro para o governo, que, em troca, paga o valor investido mais uma remuneração no futuro. O governo utiliza esses empréstimos para financiar atividades de infraestrutura, saúde, educação etc. 

Por que o Tesouro Direto é vantajoso? 

A resposta é simples: porque é seguro e oferece rentabilidade atrativa. A rentabilidade é definida de acordo com os indexadores, como a Selic e o IPCA. 

Como investir, quanto e qual título escolher? 

A primeira coisa que você precisa saber é que o Tesouro Direto é extremamente acessível, pois é possível investir a partir de R$30,00. Para comprar os títulos é preciso ter uma conta aberta em uma corretora de valores (é grátis!) e fazer a compra por meio do site da corretora. É tão simples quanto transferir o dinheiro para a poupança. A diferença é que você terá que transferir o valor que deseja investir para a corretora e depois fazer o investimento por lá, em vez de fazer pelo seu banco. 

http://www.tesouro.gov.br

Fabiano de Cristo
jornalista@teste.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Finanças
+ Ler mais artigos de Finanças