Por Folha do Acadêmico
Em 09/03/2020

Dicas para facilitar e manter uma rotina de estudos produtiva

Parte II

Na publicação anterior comentei sobre algumas dicas que podem auxiliar os estudantes na construção de uma rotina de estudos e na preparação para o vestibular. Segue abaixo mais algumas dicas importantes a serem colocadas em prática no processo de preparação para o vestibular, que poderão trazer melhor desempenho para o vestibulando no dia da prova.

Não deixe de fazer redações semanais

A redação tem um peso bastante significativo na prova do vestibular, por isso o treino semanal dela é fundamental para que no dia da prova se produza um texto adequado e de acordo com os critérios estabelecidos pelo vestibular. Tente escrever textos com o mesmo formato e número de linhas permitido pelo vestibular escolhido. Vale lembrar que para que se tenha uma boa escrita é necessário que se faça muita leitura. Portanto, leitura e treino são essenciais para a escrita de uma boa redação.

Simule o dia da prova

O ideal é que o vestibulando faça um simulado por mês. Simular o dia da prova possibilita ao estudante medir seu conhecimento e identificar suas principais dúvidas. Além disso, treinar a situação de prova é fundamental para a identificação do tempo médio que se leva para realizar cada questão, treino da ansiedade, nervosismo, entre outras questões que podem contribuir significativamente para um melhor desempenho no dia prova.

Faça as provas dos exames anteriores do vestibular que irá prestar

Além de possibilitar, por parte do estudante, a identificação dos conteúdos assimilados e dos que ainda precisam de mais estudo, resolver provas de anos anteriores da faculdade pretendida é extremamente importante para adquirir autoconfiança e se familiarizar com o tipo de questão que a banca costuma cobrar.

Estabeleça uma boa relação com os professores e aproveite para tirar possíveis dúvidas

É estudando que se identificam as dúvidas e dificuldades e é esclarecendo as dúvidas que se aprende. Sempre bom lembrar que o lugar ideal para se tirar dúvidas é na escola ou no curso pré-vestibular, com o auxílio de professores especialistas no assunto. Toda dúvida é importante, por mais “boba” e sem fundamento que pareça. Não se preocupe com o que os outros pensarão sobre você, pois no dia da prova o importante é o conhecimento que você adquiriu.

Evite estudar com o celular ao lado

As notificações recebidas no celular prejudicam muito a atenção do estudante, seja pelo recurso visual ou auditivo, tornando-se quase impossível ignorá-las. Por isso, o ideal é deixar o celular fora do alcance de visão no momento de estudo, de modo que as notificações não possam ser vistas e ouvidas. Para quem faz pequenas pausas durante os estudos também é preciso ter cuidado com o desejo de utilizar o celular para não se perder com relação ao tempo.

Bem, essas são algumas técnicas e dicas que podem tornar o estudo mais produtivo e melhorar o desempenho do estudante no dia da prova, porém, somente elas não bastam. É preciso acreditar em si e em sua potencialidade, acreditar que, com estudo e dedicação, é possível entender e aprender qualquer conteúdo.

 Sabemos que nossas expectativas e atitudes nos influenciam de forma considerável. Colocar essas técnicas em prática não é tarefa fácil, mas é preciso ter uma atitude positiva diante dos desafios. Insistir é fundamental! Seja otimista, persistente e não desista diante das dificuldades. A sua determinação com relação aos estudos fará grande diferença na conquista da aprovação no tão sonhado curso.

Ocorrem terremotos no Brasil?

Muita gente tem a ideia difundida de que o Brasil é um país onde esses fenômenos não ocorrem. Essa certeza não passa de um mito. Tremores são registrados praticamente todas as semanas no território brasileiro.

Os registros históricos confirmam essas informações. Um dos primeiros brasileiros a sentir e registrar um terremoto foi ninguém menos que o imperador D. Pedro 2º, que, às 15h do dia 9 de maio de 1886, percebeu a terra tremer sob seus pés, quando se encontrava em seu palácio, em Petrópolis (RJ).  O abalo foi de 4,3 pontos.

Terremotos com magnitude igual ou superior a 3,5 ocorridos entre 1955 a 2012
Terremotos com magnitude igual ou superior a 3,5 ocorridos entre 1955 a 2012

O mais intenso terremoto registrado de fato no Brasil ocorreu no dia 31 de janeiro de 1955, na Serra do Tombador, no Mato Grosso. Com magnitude de 6,2 pontos, ele também não causou danos, porque a região era desabitada.

Cerca de um mês depois, no dia 28 de fevereiro, foi registrado o segundo maior da história do país, ocorrido no mar, ao largo de Vitória, no Espírito Santo, que atingiu 6,1 pontos. Outros sismos com intensidade superior a 5,0 pontos foram registrados, entre eles um em Tubarão (SC), no dia 28 de junho de 1939, e outro em Codajás (AM), em 5 de agosto de 1983, ambos com 5,5 pontos.

O caso de João Câmara- RN

O sismo mais famoso e que causou maior impacto econômico e social, no entanto, foi sem dúvida o da pequena cidade de João Câmara, no Rio Grande do Norte, com então 23 mil habitantes, registrado às 3h22 da madrugada de 30 de novembro de 1986, com magnitude 5,1 pontos.

Sismo em João Camara - RN
Sismo em João Camara - RN

Assustam, mas nem tanto...

O Brasil está situado praticamente no meio da placa sul-americana, distante das bordas onde ocorrem os maiores sismos. Por isso, muita gente acredita que não deveriam ocorrer terremotos no país. Mas eles ocorrem, embora com menor frequência, intensidade e poder destrutivo do que em outros países que estão sobre as regiões de contato entre duas placas, como acontecem no Japão e Chile com magnitudes acima de 8,0 onde a intensidade e destruição são bem maiores.

_________________________________________________________________________________________

Professor Felipe Paixão

Professor de Geografia

Folha do Acadêmico
fale@folhabv.com.br
Desde: 2020-01-01
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!